Um Beijo e Nada Mais - Clube dos Sobreviventes, 6 - Mary Balogh

7 de janeiro de 2021

Título: Um Beijo e Nada Mais - Clube dos Sobreviventes, 6
Autor: Mary Balogh
Páginas: 288
Ano: 2020
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de Época
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota: 
Sinopse: Desde que testemunhou a morte do marido durante as Guerras Napoleônicas, Imogen, lady Barclay, se isolou em Hardford Hall, na Cornualha. O novo dono da propriedade ainda não apareceu para reivindicá-la, e ela torce desesperadamente para que ele nunca venha acabar com sua frágil paz.
Percival Hayes, o novo conde de Hardford, não tem nenhum interesse na região distante da Cornualha, tanto que, desde que recebeu o título, nunca quis conhecer o lugar. Mas em seu aniversário de 30 anos ele está tão entediado que decide impulsivamente fazer uma visita às suas terras.
Ao chegar lá, fica chocado ao descobrir que Hardford não é o monte de ruínas que imaginou. Fica perplexo também ao constatar que a viúva do filho de seu predecessor é a mulher mais linda que já viu.
Em pouco tempo, Imogen desperta em Percy uma paixão que ele jamais pensou ser capaz de sentir. Mas será que ele conseguirá resgatá-la da infelicidade e convencê-la a voltar à vida?


Este é o sexto livro desta série, para ler os anteriores, é só clicar em cada imagem abaixo, temos os cinco livros anteriores e um conto:



Resenha: Então agora vamos falar de Um Beijo e Nada Mais, livro da Imogen! Ela é a única mulher dentre os 7 membros do Clube dos Sobreviventes e eu confesso que estava bem curiosa para saber como ela chegou até ali, porque caramba, o marido dela foi à guerra e lá ele foi sequestrado e morto, acontece que ela estava junto!

Não se preocupem que não é spoiler, isso já se sabe desde o primeiro livro, o que não nos contaram antes foram os detalhes.

"Do ponto de vista dele, ela a queria. Mas ela era a mulher mais inadequada que Percy podia ter escolhido desejar - exceto pelo fato de que não a escolhera. Teria sido algo absurdo. Ela era a mulher de mármore."

O que agente sabia era que ele foi para a guerra, e nunca contaram o motivo, antes deste livro, já que o cara era o único herdeiro das terras, fortuna e título do pai, enfim, sabíamos disso e que Imogen havia ido com o marido, voltou sozinha pois eles foram capturados lá e só ela sobreviveu e ficou tão transtornada que havia sido mandada para o mesmo lugar que os outros sobreviventes que posteriormente acabaram se tornando amigos e confidentes dela.



Pronto, era só isso, e bastou para me deixar curiosa à respeito de o que havia acontecido para deixá-la tão dura, tão sem vontade de viver!

"O primeiro pensamento de Imogen foi que ele sabia valsar. O segundo foi que o Conde não precisava se exibir com passos complicados nem com rodopios exagerados: ele conhecia a essência da dança. O terceiro foi que dançar nunca tinha sido tão emocionante. Então se extinguiram todos os pensamentos..."

Bom, aqui nós vamos descobrir, entender e dar razão à ela. Mesmo entendendo os motivos dela, eu ficava torcendo para que Imogen conseguisse superar seus traumas e enfim, ser feliz. Mesmo que sem o marido que, como ela dizia, era também seu melhor amigo. 

Ela vive na Cornualha, nas terras do então sogro, que havia falecido e deixado tudo para Percy, um parente distante e o único candidato ao seu título. Dois anos se passaram e Percy estava muito confortável em Londres, sem sequer conhecer suas terras, e sem saber que lá viviam a viúva e uma tia distante dele. Na casa dele! Junto da tia uma montanha de animais abandonados que ela ficava com pena e levava para casa, cães e gatos principalmente, ah além de trabalhadores demais, que ela trazia para seus cuidados, geralmente pessoas que precisavam de ajuda, como comida e moradia.

Claro que Percy ficou louco da vida ao encontrar tudo isso em sua casa e não foi o mais simpático dos homens. Imogen, sendo do jeito que é também não foi nada amável e eu não preciso dizer que a implicância entre os dois veio com força!

"Quando o mármore deixava de ser mármore? E por que o mármore era mármore? Em especial quando não era mármore de verdade, mas uma mulher. Porque era uma mulher de mármore?..."

Mas eles estavam destinados um ao outro, claro e aos poucos eles foram se conhecendo e se aproximando e entre os traumas da Imogen a teimosia de Percy e ajuda da família dele e dos amigos dela, tudo se resolveu no final, a mulher de mármore enfim, reencontrou uma razão para viver!

"- Acredito - disse ele com delicadeza - que nós todos temos o direito de sermos infelizes, se for isso que escolhermos com toda a liberdade. Mas não temos certeza de que temos o direito de permitir que nossa infelicidade provoque a infelicidade de outrem. O problema com a vida é que estamos todos juntos nela."

Muita coisa aconteceu. Descobrimos o motivo de ele ter ido para a guerra e levado a esposa e este motivo, sem ela saber, a persegue ainda. Ela corre riscos que nem sabe por conta de coisas erradas que fizeram com que o casal se afastasse dali.

O caminho que Percy vai ter que percorrer até o coração de Imogen é logo e no meio ainda tem a tia, que ele vai ter que aprender a lidar e sua família que vai toda atrás dele na Cornualha, o que rende ótimas cenas! 

Como os outros, é um livro muito bom, gostei bastante e me surpreendi com a história de Imogen!

12 comentários

  1. Aaahhh! Já me conquistou na parte do resgate de animais (emoji de heart eyes aqui).
    Realmente desperta muita curiosidade a história da Imogen, afinal uma dama casada na guerra é algo inimaginável para a época.

    ResponderExcluir
  2. Como a louca aqui não leu nenhum dos livros anteriores, é mais que natural que eu tenha me perdido com os nomes dos personagens e claro, até de alguns acontecimentos!
    Mas todos os livros da Mary são elogiados demais e isso de trazer personagens e os traumas da guerra juntos é um ponto que eu amo demais na escrita dela.
    Sim, ainda tenho vontade ler todos!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  3. Ola
    mulher de marmore?rindo aquikkk .pelo jeito o Percy não teve moleza para conquistar o coraçao da Imogen e alem disso tem a tia ...
    eu consegui comprar a serie na black friday ,e não vejo a hora de começar a ler os romances .sei que essa autora é muito elogiada .
    ah as fotos estão lindas

    ResponderExcluir
  4. Essa série quero ler muito e preciso ler algo dessa autora, só nao sei se inicio com essa ou com Os Bedwyns. Dizem e pela sua resenha também dá pra ver que é romance de epoca mais dramatico né, muito ansiosa pra ler!!!

    ResponderExcluir
  5. É o livro que fiquei mais curiosa para ler!
    O que a levou para a Guerra? Que mistério! Ele era o único herdeiro é isso o faria não ser convocado!
    Ah pronto! Tô curiosa! Aff

    Adorei a resenha De 🤩

    ResponderExcluir
  6. Tô adorando esses dois dias seguidos de romances de época, confesso que sou loucaaa de amores por esse gênero, já li 5 esse mês.
    Não sei nem o que dizer da Mary a não ser que ela é maravilhosa! Essa série é bem mais séria do que qualquer outra que eu já li e eu gosto muito dela por isso, acho que tem um ambiente diferente, nos faz pensar em outros aspectos nos romances de época.
    Sempre achei a Imogen uma mulher muito forte, muito fiel aos amigos. Fiquei muito feliz com a história dela, com certeza ela merecia alguém que a amasse.

    ResponderExcluir
  7. Oi Denise! Como esse ano finalmente estou tendo tempo para ler, estou me maravilhando com muitas indicações, e essa série aí me deixou atiçada kk
    Vou dar uma olhadinha nas postagens anteriores.
    Beijos

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  8. Olá Denise!
    Essa série dos sobreviventes se destaca fortemente entre os vários títulos de romances de época porque o desenvolvimento feito pela autora é incrível, de modo que terminamos a leitura praticamente amigos íntimos dos personagens.
    Como não amar e entender a situação de Imogen? A mulher passou por emoções fortes e é natural esse receio em recomeçar. Contudo, à medida que vai se entregando a uma nova paixão, a protagonista se liberta, o que soa imensamente satisfatório para nós leitores.
    Percy não fica muito para trás, e a forma com a qual ele e Imogen começam a se envolver soa convincente e bastante natural.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Denise!
    Não li a série toda, li uns três livros e esse foi um deles.
    E lembro que amei o comportamento de Imogem, claro que tirando suas duvidas e inseguranças do passado, mas ela tem um coração tão grande e abriga tantos desamparados... e no final, ai o final, adorei.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  10. Os livros dessa série sempre me surpreende e nao vejo a hora de ler todos os livros. Todos os personagens são marcantes e cada um com suas individualidades, deixando as histórias mais legais. Essa é mais uma resenha que adorei.

    ResponderExcluir
  11. Olá! Eu sou completamente apaixonada por essa série e pela escrita da senhora Mary (essa mulher é simplesmente incrível). Sempre tive muita curiosidade para entender melhor os percalços pelo qual a Imogem teve que passar e ao ler o livro foi inevitável derramar algumas lágrimas... ahhhh e o Percy hein, confesso que não simpatizei muito com ele de cara, mas ao longo da história até fiquei com dó do pobrezinho, afinal não foi fácil finalmente conquistar o tão esperado, felizes para sempre, e como sempre tivemos aquelas pinceladas dos outros personagens que sempre me deixam com um sorriso bobo no rosto.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Denise
    Ai outra série que tenho que começar.
    Coitada da Imogem, ela parece ter sofrido tanto.
    Pelo jeito vai demorar pra ela e o Percy ficarem juntos. Mas ela têm jeito de ser muito meiga.
    Bjs

    ResponderExcluir