Nosferatu - Joe Hill

25 de fevereiro de 2021

Título:
 Nosferatu
Autor: Joe Hill
Páginas: 624
Ano: 2014
Editora: Arqueiro
Gênero: Terror; Fantasia 
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:  
Sinopse: Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor. E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie. Mas isso faz muito tempo e Vic, a única criança que já conseguiu escapar, agora é uma adulta que tenta desesperadamente esquecer o que passou. Porém, Charlie Manx só vai descansar quando tiver conseguido se vingar. E ele está atrás de algo muito especial para Vic.

                                            
Resenha:

Acho que o talento é hereditário mesmo...

Saudações terráqueos! Hoje vamos conversar sobre Nosferatu, escrito por Joe Hill, mais conhecido como filho do Stephen King. A obra concorreu ao prêmio Bram Stoker bem na época do lançamento de Doutor Sono, livro do papis que acabou vencendo a edição de 2013. Mas será que Nosferatu mereceu concorrer ao lado de gigantes? É o que vamos descobrir, então s’imbora!

Na obra, somos introduzidos à Victoria McQueen, uma garotinha que possui o dom peculiar de encontrar objetos perdidos por meio do Atalho, uma espécie de ponte que é acessada pela bicicleta da protagonista.  Acontece que não é só Vic que possui a habilidade de viajar. Charlie Manx, por meio de seu Rolls Royce 1938, utiliza os portais para sequestrar crianças e levá-las à Terra do Natal, um parque de diversões que retira a humanidade dos visitantes para fortalecer seu criador. 

Com o passar dos anos, as vidas dos dois personagens se cruzam, porém Vic consegue escapar do ardiloso sequestrador, e Manx é preso após a exposição de seus crimes. Já na fase adulta, Vic tenta manter a sanidade após sua traumática noite no covil de Charlie Manx, ao mesmo tempo que cria seu filho, Wayne. Porém a vida do menino parece estar em risco quando surgem boatos de que Manx está solto e em busca de vingança. 

Depois de tentar explicar um pouco da trama, só posso dizer que a obra conseguiu superar minhas expectativas. Fazendo a construção dos personagens de forma linear e através dos anos, Hill vai tecendo uma história que soa muito similar à escrita do pai, principalmente no que diz respeito à descrição detalhada dos fatos.

Victória é uma protagonista que ficou extremamente traumatizada pelos acontecimentos de sua adolescência. Se na infância viajar através do Atalho era algo curioso e divertido, na idade adulta essa habilidade afetou completamente a psique da personagem, que precisou até passar por uma clínica de reabilitação.

“Sua mãe ficara maluca por um tempo, achando que o telefone tocava quando não se ouvia som algum, tendo conversas com crianças mortas.” 


Confesso que Vic me deixou estressado em alguns momentos. Por tentar negar de qualquer forma que Manx estava solto, a personagem se mostrava bastante ríspida com as pessoas, ou melhor, mal educada. Vários personagens secundários (que por sinal são muito importantes para o desfecho da história), como Lou (pai de Wayne) e Maggie (uma figura do passado da protagonista que a explicou como funcionam seus poderes) tentavam oferecer ajuda, mas Vic insistia em afastá-las. E eu ficava tipo: garota para de ser rabugenta!

Charlie Manx, por sua vez, é um dos vilões mais carismáticos que já tive o prazer de conhecer. É interessante pontuar que o personagem acreditava que estava fazendo BEM às crianças, pois na Terra do Natal elas podem se divertir para toda a eternidade (embora o preço seja perder a alma e a racionalidade, HÁ). Manx possui um senso de moralidade que rapidamente o torna antagonista de Vic, e como considera ELA a vilã, decide que Wayne seria muito mais feliz ao seu lado na Terra do Natal. E aí a gente acompanha uma perseguição que perdura por uma boa parte do livro, perseguição esta que torna a leitura bem lenta em alguns momentos.


“Tenho certeza de que você é um ótimo menino. Todas crianças são...por um tempo.”


Embora todo esse conceito da Terra do Natal seja bem interessante e os personagens não deixem a desejar no que se refere à caracterização, o livro possui um EXCESSO de referências que em determinado momento começam a irritar o leitor. É como se Joe Hill quisesse esfregar na nossa cara que é filho de Stephen King, pois temos INÚMERAS referências às obras do autor, como It, O Pistoleiro, O Iluminado, Doutor Sono, Carrie, etc.


“– Você disse falar a moto falar com você. O que ela está dizendo? Eu não falo a língua das motos. – Ah, ela está dizendo “Aiô, Silver”.


É claro que a gente gosta de saber que as histórias possuem certa conexão (sendo que temos até uma referência muito inteligente relacionada com Doutor Sono), mas acredito que o autor exagerou. Além das referências às obras de King, o livro também abusa do ultrapop: Harry Potter pra lá, Senhor dos Anéis pra cá, e por aí vai. 


“Existe tribo do Nó Verdadeiro, que vive na estrada e trabalha maios ou menos no mesmo ramo que eu.” 


Tamanho número de informações prejudica a compressão de um enredo que já é complexo, e até desvia o foco em algumas passagens. Todavia, essas ressaltavas são bastante pessoais, pois alguns leitores podem até gostar dessa enxurrada de cultura pop, é de gosto mesmo né. O final é bastante corrido e certos acontecimentos não me convenceram (ora fáceis demais, ora pouco críveis), porém eu não visualizo um desfecho melhor para essa história grandiosa criada pelo autor. Só algumas execuções que poderiam ser diferentes. 

Em suma, Nosferatu não deixa de ser um super recomendação para quem curte histórias sobrenaturais bem estruturadas, cujos personagens vão sendo moldados aos poucos para que se tenha uma ampla perspectiva sobre os mesmos. Hill tem tudo para dar continuidade ao legado no pai, nos encantando com as palavras e impactando, seja na literatura, seja no cinema. 


“Chorar era uma espécie de luxo; os mortos não sentiam perda alguma, não choravam por ninguém nem por nada.”


Aliás, a obra possui uma adaptação seriada pelo canal norte-americano AMC (que inclusive já possui resenha aqui, feita pela Vivs). Infelizmente, a série foi cancelada após duas temporadas, porém, segundo os diretores, foi possível encerrar todos os arcos do livro. 

Para ler a resenha da série, clique na imagem abaixo:

                                           

Até as próximas resenhas!

A Menina do Outro Lado, Vol. 1 - Nagabe

24 de fevereiro de 2021

Título
: A Menina do Outro Lado: Vol 1
Autor: Nagabe 
Páginas: 176
Ano: 2019
Editora: Darkside Books
Gênero: Quadrinhos, Fantasia
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:    
Sinopse: Em um país dividido entre pessoas normais e seres amaldiçoados, Shiva é uma menininha que foi acolhida por uma estranha criatura meio animal e meio humana. Sensei, como é chamado, não pode ser tocado e vive fora da cidade. Afastado do convívio com os demais e ciente dos perigos e maldições que os rodeiam, Sensei alerta Shiva para que ela não saia sozinha. Porém, quando a menininha decide reencontrar sua tia desaparecida, regras são quebradas — e a vida que eles conheciam é colocada em risco. A Menina do Outro Lado é uma fábula sobre a criação do afeto e o amor entre duas criaturas tão diferentes, mas com muito a compartilhar. Uma trama atual sobre a condição do diferente e da falta de aceitação. Sobre largar seus medos e enfrentar a vida com um novo olhar. Com uma arte delicada, que explora luz e escuridão, Nagabe apresenta um mangá rico em detalhes que não hesita em adquirir tons mais sombrios e peculiares conforme a história se desenrola. Está tudo aqui: a dualidade do preto e do branco, do bem e do mal, do animal e do humano, do lado de dentro e de fora.





Não há como falar de quadrinhos sem a gente antes conhecer quem está por trás das histórias. No caso de A Menina do Outro Lado, quem assina o enredo e as artes é o famoso quadrinista japonês Nagabe

Nagabe tem apenas 25 anos e formou-se em Artes Visuais, no Japão. Com isso, vem se destacando entre os quadrinistas japoneses. Publicou sua primeira obra em 2013, e seu mais novo trabalho, A Menina do Outro Lado, conta com 10 volumes publicados no Japão pela Mag Jardim. O último volume publicado está previsto para Abril de 2021, totalizando 11 volumes desse quadrinho maravilhoso.

Eu me identifiquei com o estilo de Nagabe desde a primeira vez que vi os quadrinhos. Como artista visual e estudiosa de criaturas fantásticas, foi com muita avidez que passei as páginas desse quadrinho lindo. A arte de Nagabe é facilmente reconhecida por andar entre os contos de fadas sombrios e seu desenvolvimento por criaturas antropomórficas (animais que possuem aspectos humanos). A criatura da página é visivelmente um híbrido, outra coisa que me fez escolher ler esse livro.


Imagem retirada do site da Darkside Books


O tema dark se sobressai nos quadrinhos de Nagabe, e em A Menina do Outro Lado isso não é diferente. Com uma paleta de cores sombria e fria e uma técnica invejável de ilustração e pintura (para qualquer um que coloca os olhos sobre as páginas, tanto os leigos como os artistas), Nagabe tece a vida da nossa pequena Shiva, uma garotinha que possui toda a delicadeza e inocência de uma criança de sua idade, mas que tem como melhor amigo uma criatura muito peculiar.

É sobre essa obra que vamos falar abaixo.





Essa resenha será bem breve, porque o livro o é. Com pouco mais de 170 páginas e falas pequenas, o volume 1 de A Menina do Outro Lado é uma leitura rápida, mas nem por isso menos intensa.

Nossa querida Shiva, a criança inocente e personagem principal, vive em um mundo dividido entre pessoas normais e seres amaldiçoados. Porém, Shiva está do outro lado, ou o lado “errado”, como podemos sentir no início do livro.

A trama é descoberta aos poucos, quando podemos ver a interação da garota Shiva, que sempre espera a volta da sua tia em um mundo vazio de pessoas, e a criatura híbrida que Shiva chama delicadamente de Sensei (professor, ou mestre, em japonês). Sensei tem um aspecto que, à primeira vista, pode causar estranheza: corpo cheio de pelos, mãos com dedos longos e afiados e uma cabeça que lembra um bode com chifres altos. Porém, Sensei anda ereto como um ser humano, usa roupas sociais e sapatos lustrosos. E é muito bem educado, principalmente com Shiva, com quem parece tecer amizade e preocupação.



Sensei não come, mas Shiva gosta de chá, e ele se senta com ela na mesa para fingir que está tomando chá com a garota. Sensei lê para Shiva de noite para que a garota tenha bons sonhos, e se preocupa com a alimentação dela e com os passeios pelas florestas abandonadas. Sensei faz o papel de um bom amigo mais velho, ou um pai.

Shiva não pode tocá-lo, e isso se torna quase um obstáculo que ansiamos por não existir, porque o afeto entre os dois personagens é tão grande, que desejamos que Sensei pegue Shiva no colo e a conforte por viver em mundo que ela ainda não entende.



Mas Sensei guarda um segredo...

Esse segredo, não posso revelar, mas a rotina solitária de Shiva e Sensei é interrompida quando um grupo de soldados do “outro lado” sai por detrás dos grandes muros para enterrar os mortos. O lado amaldiçoado, que eles tanto temem, possui criaturas perigosas. Mas qual é o real perigo quando os soldados se deparam com uma Shiva inocente e apontam uma flecha para ela?

Quem é o monstro? Sensei, o chifrudo com roupas escuras? Ou os soldados que não escutam as súplicas de Shiva para que eles não a machuquem?

Com uma interpretação brilhante sobre o bem e o mal, a luz e a escuridão, o humano e o animal, Nagabe nos transporta para um mundo de fantasia e afeto, e questões atuais como humanidade, respeito e preconceito são tratadas com simplicidade e inteligência nesse livro delicado e forte.



A Menina Outro Lado foi indicado para o prêmio de Melhor Quadrinhos no 45º Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême em 2018.

A Darkside Books acertou ao dar espaço para a cultura dos quadrinhos japoneses. Que venham os outros!

Para Ressignificar um Grande Amor - Aka Poeta

23 de fevereiro de 2021

Título:
Para Ressignificar um Grande Amor 
Autor: João Doederlein - @AkaPoeta
Páginas: 184
Ano: 2021
Editora: Paralela
Gênero: Literatura Brasileira, Poemas e poesias.
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:    
Sinopse: Em seu novo livro, João Doederlein (Akapoeta) nos conduz por seu processo de cura e autoconhecimento, resgatando uma lição importante para todos nós: a vida não é feita de certezas, e recriar faz parte do ciclo.
“Em Para ressignificar um grande amor, pude conhecer outra faceta da pessoa incrível que é João. Ele se abre à sensibilidade das palavras, às formas criativas e ilimitadas dos ressignificados e ao jogo de sentimentos que fluem nesta história que ele conta com mãos tão apaixonadas. Matilda foi seu grande amor, e o eu-lírico começa o livro resgatando uma lição importante para todos nós: a tentativa de ressignificar alguém que nos marcou é um movimento necessário para a manutenção da vida. Ele diz: ‘finais não são absolutos. O amor encerra, a gente não’, como quem ainda sente na pele a dor amargurada de algo que poderia ter dado certo, mas não deu. Mesmo assim, se concede a oportunidade de continuar vivendo e seguindo – tanto na vida quando na narrativa da sua história.
Esta obra me trouxe sorrisos, reflexões, e me inspirou a escrever. Acho que é isto o que uma boa história faz: te move, te cutuca, te alavanca a outros universos. E aqui estou eu, apaixonado por cada palavrinha que o mundo do João me apresentou.” ― Igor Pires da Silva
“Se apaixonar é perceber que todas as palavras desconhecidas já existiam dentro da gente. Se desapaixonar é descobrir o nosso próprio significado para cada uma delas. Este livro é um lindo presente para quem se perdeu nesse processo e sabe que o caminho de volta exige coragem. Recomendo a leitura para todas as vezes em que o amor te virar as costas.” ― Bruna Vieira.


Este livro foi cedido pela Editora Paralela, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora. 




Resenha:

“supernova (s.f.) é explosão brilhante de uma estrela de grande massa que já consumiu toda a sua energia. é uma luz que passa a do próprio sol e se intensifica gradualmente até desaparecer. é quando estrelas morrem e o universo inteiro assiste. é o estágio final de um grande amor.”

Para Ressignificar um Grande Amor é o lançamento de poesia nacional da editora Paralela para 2021, terceiro livro do autor João Doederlein, mais conhecido como Aka Poeta era um dos lançamentos que eu estava mais esperando.

Ano passado li Coração Granada do autor e me apaixonei! Para lerem a minha experiência de leitura deste livro basta clicar na imagem abaixo:



Para Ressignificar um Grande Amor é o tipo de livro que todo mundo (principalmente os fãs de poesia) precisam ler. Eu tenho a impressão que João é um poeta que fala de uma forma muito sensível sobre temas muito importantes. 

“...é quando um amor acaba e vai embora sem te avisar.”


Em Coração Granada ele fala sobre a dor de perder um amor e sobre ansiedade. 

Aqui ele mostra que é possível amar muito alguém, tudo terminar e você conseguir seguir em frente em paz. Consigo mesmo, com as memórias do passado e disposto a abrir seu coração novamente.

“... foi meu último grande amor. E, como muitos dos amores por aí, ele teve um fim. Mas finais não são absolutos. O amor encerra, a gente não.”

Já no seu estilo característico de escrita ele ressignifica várias palavras enquanto tece uma história nas entrelinhas, se você ler o livro do início ao fim sem pular podemos ver o processo de cura em poesia. Que maravilhoso!

“Coincidência (s.f.) é me apaixonar sempre por pessoas que têm gatos e toda vez esquecer o antialérgico no primeiro encontro.”

Eu amei muito esse livro, em muitos momentos senti que o livro foi escrito para mim, pois a poesia dele tocou meu coração. 


O livro também pode ser lido sem uma ordem específica, aberto ao acaso e lendo aquela palavra ressignificada, mas acredito que pelo menos uma vez merece ser lido na ordem para a história ser totalmente conhecida, sim, como eu disse, para mim João tece sempre uma narrativa em segundo plano que vamos conhecendo aos poucos. E neste livro a narrativa sãos os ciclos do amor, começo, meio, fim, recomeço.

Um excelente livro, que eu li em versão digital que a Paralela disponibilizou aos parceiros e que espero em breve ter em versão física, só tenho visto elogios para o projeto gráfico dele e se for tão lindo quando O livro dos ressignificados já sei que vou amar.

“... não é alguém feito para você. é alguém que faz você querer ser o melhor de si, ainda imperfeito, ainda errado, mas feliz” 

Indico para todos que amam poesias, que amaram, que viram o amor morrer e que seguiram em frente para amar novamente, para quem está precisando saber que o fim de um amor não é o fim de tudo! 

Boas leituras a todos! Até a próxima



Ps: Notaram que ele sempre escreve sobre gatos? Amoooo

Quotes & Citações: De Sangue e Ossos - Crônicas da Escolhida, 2 - Nora Roberts

22 de fevereiro de 2021

Pois então, lembram que eu falei que traria o post de quotes do segundo livro? Eu reli e olha, na verdade eu o saboreei, li com toda a calma e atenção do mundo, só para ter todos os detalhes dele quando o terceiro chegasse na minha mãos! 


Mas, antes de qualquer coisa, se você quiser relembrar mais ainda, é só clicar nas imagens abaixo para ler as resenhas!


E para ler nosso post da Leitura Coletiva, é na próxima imagem:



"Dizem que um vírus aniquilou o mundo. Mas foi magia, negra como uma noite sem lua. O vírus foi sua arma, uma torrente de flechas no céu, balas silenciosas atacando, uma lâmina afiada. Mas foi o gesto inocente – um toque de mão, um beijo de boa-noite dado pela mãe – que espalhou a Catástrofe, trazendo uma morte súbita, dolorosa e hedionda para bilhões."


"– Respire quando sentir contrações – repetiu Katie, com muita calma. – Você acabou de fazer a primeira transmissão ao vivo de Nova Esperança em trabalho de parto. Claro que consegue respirar quando sentir uma contração."


"Na noite em que aconteceu, eu senti. Muitos de nós sentimos. O nascimento da Escolhida. Ela não estava sozinha, Arlys. Eu sei disso."


"– E como saberemos que ela estará segura? – Você sabe o que é uma missão, e ela é a minha missão. Acredite em mim, eu darei minha vida por ela. Não por amor, como você faria, mas pela missão, que é valiosa para mim. Ela é o meu propósito, a minha esperança, a minha missão. Não vou decepcioná-la."


"O medo pode ser uma arma tanto quanto a coragem. Sem medo não existe prudência. Sem prudência vem o descuido. Com o descuido vem a derrota."


"– Eles ensinaram muito a vocês. Inclusive sobre a luz e a terra. E o mais importante: ensinaram lealdade. Você aprendeu muito bem. – Isso não se aprende. Ou você é leal ou não é."


"– A fé é uma espada e um escudo, mas precisa de coragem, inteligência e força para funcionar. Alguns descobriram sua própria magia e se voltaram para a escuridão, outros ficaram loucos. E alguns, como seu pai biológico, aprenderam a liderar. Como sua mãe, aprenderam a abraçar, construir e proteger. Alguns, como aqueles que apareceram no seu sonho, com ou sem magia, aprenderam a se unir, a lutar, a trabalhar juntos para ajudar a outros."


"– O amor não tem fim, não tem fronteiras, não tem limites. Quanto mais você dá, mais dele existe."


"– Uma menina abrirá o Livro dos Feitiços, dizem os oráculos. E tudo o que estiver lá dentro estará dentro dela. Ela saberá, e, sabendo, entrará no Poço de Luz. Lá, ela tomará sua espada e seu escudo, forjados na luz, temperados pelo fogo. E então A Escolhida se levantará. Fallon abriu o livro."


"Na luz e no fogo, erguia-se A Escolhida."


"– Se queremos ser livres, se acreditamos nisso do fundo da nossa alma, por que iríamos construir um exército para lutar pela liberdade que fosse forçado a lutar? – Muitos fizeram exatamente isso. – E não chegamos a lugar algum. Você fará a sua escolha."

 

É isso gente, nem comentei nada durante os quotes porque ,de verdade, não precisa né? Eles meio que falam por si!

Mas, temos uma doida aqui no blog que adora comentar enquanto posta os quotes e caso queiram ver as escolhas dela, clica abaixo, A Vivian fez um post de citações belíssimo lá atrás quando o segundo livro saiu:


꧁Leitura Coletiva: Vingança Mortal - Série Mortal, 06 - J. D. Robb (Nora Roberts)꧂

 Para ler nossos posts das Leituras Coletivas anteriores desta série, clica na imagem abaixo:

 



Vivian: 


“- Ninguém jamais me amou antes de você...”


Preciso dizer logo de cara que gostei muito desse livro! Mas teve momento que quis socar alguns personagens ao estilo irlandês! ☘️ 

O livro começa com Eve sendo arrogante e se achando melhor que os outros. Usando seu cargo para impor a vontade sobre os outros de forma humilhante quando ela poderia simplesmente dizer: - preciso que me leve a tal lugar pois recebi uma denúncia de assassinato! 

Mas não! ela prefere impor a vontade dela entrar em um lugar privado sem nenhum Mandato ou dizer o motivo para o funcionário que é pago para evitar que pessoas entrem no local! Está muito difícil gostar de você nos últimos livros Eve! 

Algumas pessoas podem dizer que eu não gosto da Eve por causa de algumas atitudes dela! Mas a verdade é que gosto demais por isso tenho expectativas de uma evolução da personagem e bem, não consigo passar pano para ela agindo contra a lei que luta tanto para se fazer cumprir pelas vítimas de homicídios, então ver as mesmas atitudes erradas sendo repetidas cansam, (poxa Nora vamos errar de forma diferente sei que tu consegue escrever isso! Hahahah)

Contudo, esse livro foi bem empolgante 

Por cinco livros acompanhamos Eve detestar Summerset, o fiel mordomo do marido, e ser menosprezada em retorno! Ela chegar na vida de Roarke o acusando de assassinato não fez Summerset gostar dela e era óbvio o outro motivo principal, mas deixo isso para vocês lerem e rirem muito dos embates entre eles.

Vingança Mortal, mais uma vez colocou a vida pessoal de Eve no meio de uma investigação e com algo que eu já esperava desde que Roarke falou sobre os motivos da lealdade e amor entre ele e Summerset! Aquilo um dia ia voltar à tona e foi bem divertido ver como a autora criou essa jornada de vingança.

Mostrou um pouco mais de Roarke e seu passado e trouxe ciúmes verdadeiros para a vida de Eve (sim, adorei ver ela sofrendo de ciúmes 🤣)

Dessa vez demorei mais a descobrir quem estava por trás de tudo e fiquei com pena de certo personagem! Pobre alma desventurada!

Ponto alto foi a entrada de Ian, detetive nerd e que deve entrar no esquadrão de Eve como o cara de tecnologia junto ao Fenney! E será que é futuro para de Delia? Aguardaremos os próximos livros!

Um dos que mais gostei apesar de Eve ainda tratar muito mal todo mundo nos interrogatórios, mesmo sabendo da inocência deles! E manipular as pessoas sem se importar muito com os sentimentos delas!


“- Acho que não é assim que a coisa acontece. Não é você que procura, é o sentimento que encontra a gente, nos agarra pela garganta e não há nada."


Denise: Como eu posso concordar e discordar com a Vivian ao mesmo tempo?

Mas minha nossa, ela é muito exigente!

Eu não vejo toda essa coisa aí da Eve, e não é que eu passe pano não, eu simplesmente não acho que ela é assim tão má quanto a Vivian acha!

Ela faz de tudo para pegar o assassino e as vezes passa dos limites, concordo, mas vamos ver a evolução da criatura, o quanto ela era fechada e o quanto ela evoluiu como ser humano e vamos dar mais crédito à ela. Ninguém muda da noite para o dia e vamos lembrar que, apesar de estarmos no sexto livro da série, poucos meses se passaram, ela está progredindo, crescendo. Só que devagar, como seria com qualquer ser humano normal!

Mas concordo quanto ao Ian. Acho, ou espero, que ele esteja no futuro da Peabody, pois a menina bem que merece viu!

E eu também demorei pra descobrir o assassino e preciso dizer que foi meu livro preferido, até agora!


Ah, e para ler as resenhas, basta clicar na imagem abaixo: