Livroterapia News - Retrospectiva de Novembro

30 de novembro de 2020

Olá queridos leitores! Espero que estejam se cuidando nessa quarentena infinita. E para animar a vida de todos vocês venho anunciar a nova coluna no blog: Livroterapia News. Nossa equipe, que está sempre muito atenta, irá trazer as notícias mais babadeiras do mês, entre lançamentos, adaptações e fofocas literárias. Então vamos ver o que rolou em novembro? Segue comigo!


PRIMEIRO TRAILER DE BRIDGERTON É DIVULGADO, ABALANDO O MUNDINHO BOOKSTAN

Era uma segunda feira comum...até a dona Netflix soltar do nada o primeiro teaser trailer da adaptação de Os Bridgertons (série famosinha da Julia Quinn, pra quem não sabe) e quebrar a internet. O material promocional, que também recebeu complemento de novas imagens do show, mostra que o serviço de streaming investiu pesado (ok, desconsiderem o CG, pelo menos os looks estão impecáveis) e está disposto a fazer da série um sucesso. A primeira temporada, que contará com oito episódios, adaptará os acontecimentos de O Duque e Eu e chega dia 25 de de dezembro, juntamente com o Papai Noel e o menino Jesus. Querem mais motivo para celebrar do que isso? Vamos ver se passa do primeiro ano né. 



SEQUÊNCIA DE FILHOS DE SANGUE E OSSO JÁ ESTÁ ENTRE NÓS

Pois é gente! Depois de SÉCULOS esperando, o segundo volume da trilogia Os Legados de Orisha, Filhos de Virtude e Vingaça, finalmente foi lançado em PT-BR. A Rocco demorou mas cumpriu com a promessa de desovar a sequência ainda em 2020. Só aconselho a ler com calma porque depois a espera pelo terceiro vai ser agonizante (inclusive, será que já saiu o último livro lá no Tio Sam? Eu provavelmente deveria saber disso visto que a coluna tem o objetivo de informar VOCÊS).
Atualização: gente eu fui lá no site da autora e por enquanto não tem info nenhuma sobre o desfecho, então aqui no Brasil antes de 2022 não sai rsrsrsrs.



E FALANDO EM DEMORA: O REINO DE COBRE FINALMENTE FOI LANÇADO PELA MORRO BRANCO

Eu achei que não ia acontecer, você achou que não ia acontecer e própria editora fez questão de ficar enrolando a gente. Mas não é que saiu, meu povo? A aguardadíssima sequência de A Cidade de Bronze chegou em novembro e você, assim como eu, provavelmente vai ter que ler o primeiro volume de novo, porque né, eu não lembro de mais nada. Como The Empire Of Gold já foi lançado lá fora, eu só espero que a Morro Branco tenha a decência de trazer o último livro da trilogia em 2021, porque senão é mais fácil esperar ele sair pra ler tudo de uma vez e não esquecer.



MAIS UM PARA A BIBLIOTECA STEPHEN KING: TROCAS MACABRAS CHEGOU EM GRANDE ESTILO

Entregando tudo mais uma vez, a Suma lançou essa edição impecável de um dos melhores livros do Mestre. Trocas Macabras foi originalmente lançado em 1993 e estava esgotado aqui no Brasil. A trama gira em torno de de uma loja na cidade de Castle Rock cujo dono, Leland Gaunt, sabe exatamente o que cada cliente deseja. Porém as coisas começam a sair do controle quando eventos violentos assolam a cidade (essa é basicamente a sinopse de 90% dos livros do SK kakakaka). 
Off: Só esse lançamento mesmo para me animar depois do cancelamento de Castle Rock pelo Hulu. Fiquei muito triste pois a série era MUITO BOA, principalmente a segunda temporada.
 


A SURRA NAS OUTRAS REGIÕES: NORDESTE É A REGIÃO BRASILEIRA QUE MAIS LÊ, APONTA PESQUISA 

Que os nordestinos são as melhores pessoas todo mundo já sabe, mas uma pesquisa realizada pela VEJA evidenciou que a terra da rapadura lidera os índices de leitura por pessoa. Em João Pessoa, capital da Paraíba, 64% da população é considerada leitora. A lista segue com com Teresina (59%) São Luís (59%) Aracaju (58%) Salvador (57%) e Florianópolis (56%). O estudo aponta, ainda, que 75% dos leitores são da classe B ou C. 



É O EFEITO COVID! APÓS VÁRIOS ADIAMENTOS, MORTE NO NILO VAI SER LANÇADO COM EXCLUSIVIDADE NO DISNEY+

A adaptação do livro Morte no Nilo, da lenda imortalizada Agatha Christie, estreará mundialmente no serviço de streaming da Disney. Assim como ocorreu com Mulan, o filme foi adiado várias vezes por conta da pandemia, mas pelo visto os produtores estão cansados de segurar o longa estrelado por Gal Gadot. O filme promete servir muito com visuais e cenários egípcios, e a previsão é que chegue ainda em dezembro na plataforma (que inclusive acabou de sair no Brasil, até que enfim).



GOODREADS CHOICE AWARDS ESTÁ NA FASE FINAL DE VOTAÇÃO, ENTÃO ESCOLHAM OS SEUS FAVS

A tradicional premiação do Goodreads se encontra no último round antes da divulgação dos vencedores no dia 8 de dezembro. Todos os gêneros são contemplados e pelos ganhadores podemos ter uma boa noção sobre os próximos títulos que possuem grandes chances de serem lançados no próximo ano. 



PRIMEIRAS IMAGENS DA ADAPTAÇÃO DE A ÚLTIMA CARTA DE AMOR SÃO DIVULGADAS, E FUI EU QUE PEDI SIM

A escritora Jojo Moyes utilizou suas redes sociais para nos dar um gostinho de o que esperar da tão aguardada adaptação de A Última Carta de Amor, e eu já quero pular para o ano que vem, porque esse filme PROMETE. O longa, que conta com Shailene Woodley (essa mulher só faz adaptação de livro né???? A obsessão meu pai) e Joe Alwyn no elenco, possui data confirmadíssima para outubro de 2021 nos EUA (estreia simultânea? Já quero!). 




SEGUINTE ANUNCIA LANÇAMENTO DA SEQUÊNCIA DE UMA COISA ABSOLUTAMENTE FANTÁSTICA PARA 2021, SÓ NÃO ME PERGUNTE QUANDO 

A editora Seguinte mandou avisar que A Beutifully Foolish Endeavour (sem tradução porque eu fiz inglês em escola pública e não passei do verbo to be), do nosso querido Hank Green, chega em algum momento do ano que vem. Espero que seja logo no começo do ano, porque o primeiro volume acabou de um forma abrupta e eu quero respostas. Ainda não ficou claro se será uma trilogia, mas vamos investigar. Abaixo vocês podem ver a capa estrangeira, que deve permanecer a mesma por aqui (zzzzzzzzzzzzzzzzz). 



BOM OU BOMBA? SEQUÊNCIA DE JOGADOR NÚMERO 1 SAIU ESSE MÊS LÁ NA GRINGA 

Jogador Número 1 é um dos meus livros preferidos DA VIDA, e claro que o anúncio dessa continuação me deixou no mínimo curioso para conferir o que vem por aí. Em Ready Player Two (título criativo) Wade e seus amigos entram numa aventura ainda maior depois que James Halliday solta um novo easter egg. Se o livro vai se mostrar tão bom quanto seu irmão mais novo (ou desnecessário, o que é mais provável),  ainda não sei, só sei que espero seu lançamento por aqui (com a mesma capa pelo amor de Deus!!!!!!!!).


E foi isso que rolou de mais interessante em novembro. Me contem nos comentários o que acharam das novidades ou se saiu alguma coisa que eu não disse rsrsrsrs. 

꧁Leitura Coletiva: Eternidade Mortal - Série Mortal, 03 - J. D. Robb (Nora Roberts)꧂

Para ler nossos posts das Leituras Coletivas anteriores desta série, clica na imagem abaixo:



 


Vivian:
 


" - Uma promessa. Não é tão difícil prometer algo que é exatamente o que a gente já quer."


Ahhhh... melhor livro da série da Dallas até o momento.

Gente, será que a Tenente Dallas não vai investigar um caso sequer que não seja pessoal? Adotei o livro? Sim! Mas cansada dela driblar a lei e agir com falta de educação com várias pessoas com a desculpa que precisa salvar um amigo ou amante e os fins justificam os meios. 

Chega!

Eve está de casamento marcado e reluta em aproveitar esse sentimento.

Enquanto um informante seu é encontrado morto ela se joga na investigação do caso, acaba sendo jogada em uma situação onde sua melhor amiga é a principal suspeita de outro crime e se não bastasse tudo isso...  Ela está se lembrando de coisas do passado!!!

Pesadelos horríveis e uma trama muito intensa. Mal posso esperar para isso ser realmente abordado nos próximos livros.

Mais uma vez um livro bem escrito, mescla de suspense clássico de detetive e romance!

As relações pessoais estão ficando mais íntimas entre os protagonistas e seus personagens de apoio. E estou adorando!

E se alguém se lembra do meu pedido na LC do livro anterior 

Nora me ouviu e deu um pouquinho do passado do Sommerset e sua ligação com Rourke! Mais ou menos o que eu imaginava! Gostei!

Ps: Sem grandes surpresas no vilão desse livro também kkkk porém,  adorei!!!

Até a próxima... mal posso esperar para ver como vai estar a vida da Eve agora!


Denise: kkkkk...como a Vivian é chata! Ela não se joga na fantasia da leitura sem reclamar! Estou chegando a conclusão que o lado perfeccionista, ou realista, - ainda não decidi - desta mulher é muito mais forte nela do que nos outros pobres mortais!

Deixa a mulher driblar o sistema para ajudar os amigos oras, é só ficção mesmo! Na vida real é completamente errado, mas na ficção....ah, é bonitinho vai....

Enfim, resumo não precisa já que a Viv o fez de forma majestosa e já tem resenha também, então só a minha opinião já basta para deixar vocês felizes né?

Mais uma Leitura Coletiva maravilhosa, o chato é que, por serem muitos livros, não estamos lendo um atrás do outro, e por consequência as resenhas e as LCs acabam ficando mais espaçadas também, mas imaginem o quão chato seria 32 resenhas muito próximas! Ou deus nos livre, 32 segundas feiras seguidas só falando da série Mortal? Não dá! Por melhor que seja a série, e acreditem, é ótima! Eu enrolei muito tempo para começar a ler, mas agora, sinto que perdi tempo, deveria ter lido antes, ah e descobri que além dos 32 livros, temos mais 5 contos! Ah, isso não vai acabar nunca, felizmente!

Mas bom! Super recomendo, estou adorando a série e a escrita da Nora...Bom, é a Nora, então já sabemos o que esperar!

Ah, e para ler as resenhas, basta clicar na imagem abaixo:

                                                 

Quando Chama o Coração - Janette Oke

29 de novembro de 2020

Título: 
Quando chama o Coração
Autor: Janette Oke
Páginas: 263
Ano: 2020
Editora: UPBooks
Gênero: Ficção, História, Religião, Espiritualidade, Romance
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:    
Sinopse: Nada em sua privilegiada educação preparou Elizabeth para os desafios da vida na fronteira ...
Elizabeth Thatcher é jovem, bonita, culta e educada. Mas quando viaja para o Oeste para ensinar na escola no sopé das Montanhas Rochosas canadenses, ela está completamente despreparada para as condições que encontra. Ainda assim, ela está determinada a ser bem-sucedida na formidável tarefa de se adaptar aos local e moldar os corações e mentes dos alunos sob seus cuidados.
Ela está igualmente determinada a não entregar seu coração a nenhum dos homens da fronteira local. Até conhecer um membro da Real Polícia Montada do Canadá...


Resenha:  

“É que eu acredito - aprendi- que uma pessoa deve se contentar com o que tem, especialmente sendo tão abençoada quanto eu.”

Provavelmente esse deve ser o segundo livro canadense que leio e tenho que dizer que a leitura é muito fluída e se desenvolve muito bem.

“O que você acha que traz o pássaro de volta a cada primavera? Não é que ele não tenha mais seu ninho, nem sua comida. Ele apenas sabe que é hora de seguir em frente.”


Você leitor que tenha visto ou ouviu viu falar da série e dos filmes feitos pela Hallmark Chanell, pode imaginar que é a mesma história, entretanto a série e os filmes pegaram algumas partes da história. Temos que lembrar que são mídias diferentes e que é uma história e que eles acrescentam e tiram o que quiserem.

“Alguns homens desprezam ser vistos na loja feminina. Meu pai não era um deles.”

Um pouco das personagens... 


Temos Ellizabeth, a protagonista e narradora da história, que é forte, equilibrada, firme, cabeça fria e esperta. Wynn que conhecemos ao desenvolver da narrativa, que é forte, fisicamente, intelectual, gentil, solidário. Jon, irmão da Beth, sua esposa, seus filhos, Ana, sua vizinha, que é uma pessoa carinhosa e esforçada, entre outros personagens.


“Josué 1:9:”Seja forte e corajoso; não temas, nem te assustes; porque o Senhor teu Deus está contigo por onde quer que fores.”

Temos também a família Thatcher que conhecemos logo no começo, que são sua mãe, que na juventude casou-se e teve Jon, porém ficou viúva muito cedo e quando deixou os trajes de luto, o seu atual marido a conquistou e casou-se com ela, e teve quatro filhas, isso mesmo” QUATRO FILHAS! Ele ficou rico e próspero e dava a cada filha a oportunidade no que ela queriam. A mais velha é a maternal e casou-se cedo, a segunda era pianista, mas se apaixonou e casou com um violinista e foi morar em Paris. Nossa querida, Beth tornou-se professora e já leciona a dois anos em uma escola e a caçula Julie que é faladora, espevitada e paqueradora e ainda não tomou rumo.

“Agora, pensei, entendo a palavra “crepúsculo”. Foi criada exatamente para este tempo - neste lugar.”

Um belo dia a mãe de Elizabeth recebe uma carta do seu filho Jon, que sugere que Beth vá lecionar em Calgary pela escassez de professores nesse lugares menos desenvolvidos e já que a necessidade é grande e é um trabalho que precisa ser feito. Em um primeiro momento Beth não entende porque deveria ir, mas vai com a fé e a coragem que ela tem.

“Senhor, eu orei, fiz tudo o que podia fazer. O Senhor terá que assumir o controle agora.”

Quando o representante dos professores a conhece tentar persuadi-la ou entende por si só que ela foi para lá para se casar e não para lecionar que é o que Beth quer. Ele acaba por pedi-la em casamento e por ela não aceitar a envia para lecionar em Pine Spring, um lugar mais remoto que Calgary, pois para chegar lá além de tomar o trem, tem que ir ou de carro, caso alguém tenha ou de carroça, que pela experiência da nossa protagonista é desconfortável e nem ela recomenda.

“Diariamente ficava frustrada com a falta de materiais para ensinar. Se eu tivesse... muitas vezes pensava.”

Como a escritora foi missionária junto com seu marido, o livro tem várias passagens com partes bíblicas ou Beth dizendo que leu a bíblia, orou, conversou com Deus, foi congregar, o que para mim foi tranquilo e é bonito ver que cada um corre atrás do que quer e continuam crendo em Deus e não que eles vão ficar esperando algo acontecer do nada.

“Em comparação com minha educação, eles careciam de refinamento e polidez; mas eram abertos e amigáveis, e eu respeitava o seu espírito aventureiro e senso de humor. Eles eram pessoas amáveis, esses pioneiros. Sabiam rir e, obviamente, também trabalhar.”

Livro mais que recomendado. Um romance mais sem toda aquela melação e é uma leitura suave, fluída. Quando você repara já está na metade do livro. São capítulos rápidos e curtos e a narrativa te envolve e te transporta para dentro da história. Espero que vocês gostem tanto quanto eu. Porque eu já queria os outros 6 livros dessa série traduzidos. Cada capítulo conhecendo cada personagem é encantador e cativante. É uma história que aquece o coração. 

Escuridão Total Sem Estrelas - Stephen King

28 de novembro de 2020

Título:
 Escuridão Total Sem Estrelas
Autor: Stephen King
Páginas: 392
Ano: 2015
Editora: Suma de Letras
Gênero: Terror
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:  
Sinopse: Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas. Os personagens desses quatro contos passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada - bom senso, piedade, justiça ou estrelas - para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.


Resenha:

Escureceu tudo nesse blog!

Não é surpresa pra ninguém que Stephen King é o meu autor favorito desde que me entendo por gente, mas este foi o meu primeiro contato com um livro de contos do autor. Geralmente tenho predileção por romances convencionais porque há um maior aprofundamento dos personagens, porém estamos falando do mestre, né não? 

Neste livro somos apresentados a quatro contos, e segundo o próprio autor o objetivo dessas histórias é nos mostrar como pessoas normais, vivendo suas vidas, precisariam lidar com situações extremamente angustiantes. 

E ainda que a maioria das histórias tenha um pouco mais de 100 páginas, percebe-se que King não recebe elogios à toa: todos os personagens possuem personalidades construídas cuidadosamente e passam as devidas sensações de choque, horror, agonia e medo ao leitor, sendo impossível não imergir completamente nesse breu sem fim. 

O primeiro conto, 1922, nos introduz ao fazendeiro Wilfred e sua batalha para manter as terras da família, contrariando a decisão da esposa de vendê-las e se mudar para a cidade. Determinado a fazer qualquer coisa para continuar na fazenda, Wilfred elabora um plano grotesco junto com seu filho Hank para impedir a venda.


Entre os contos 1922 foi de longe o mais tenso e macabro dos quatro, e devo dizer, o meu preferido. Trata-se completamente de uma história de ganância, a qual nos mostra que o ser humano não possui escrúpulos para atingir seus objetivos. Mas sabemos que tudo tem um preço, e o nosso protagonista descobre em primeira mão o significado do ditado "aqui se faz, aqui se paga". 

A escrita de King, tanto neste conto quanto nos demais, se mostra bem menos prolixa do que o usual. Porém não pense que a leitura se torna superficial. Wilfred e sua família são bem trabalhados, e os pensamentos do personagem discutindo com si mesmo sobre as consequências de seu crime são incríveis, de modo que o fazendeiro, embora seja claramente o vilão, se mostra bastante cativante. 

"E será que o inferno existe mesmo? Ou fazemos o nosso próprio inferno aqui na Terra? Quando penso nos últimos anos da minha vida, acredito que seja o segundo caso". 


Gigante do volante é o conto seguinte, e provavelmente o mais enraivecedor. Na história acompanhamos Tess, uma escritora que ao parar na estrada por conta de um pneu furado acaba sendo brutalmente estuprada e deixada à beira da morte. A partir daí a personagem precisa lidar com os traumas deixados pelo agressor à medida que elabora sua vingança. 

Confesso que a leitura de Gigante do volante foi extremamente dolorosa, e me falta palavras para descrever o quão triste a trama de Tess me deixou. Trata-se de um conto que reflete completamente a realidade vivida por muitas mulheres todos os dias, e a protagonista da história vai enfrentando toda essa situação nos mostrando claramente que as vítimas desse tipo de violência na maioria das vezes são desacreditadas.


"Ela imaginava alguém levantando a mão durante a Hora das Perguntas e questionando: Você o encorajou de alguma maneira?" 


Mas o desfecho do conto é simplesmente brilhante, e além de nos deixar uma excelente reflexão, o autor inclui reviravoltas bombásticas. Vale ressaltar também que Tess é uma personagem forte e independente, sem contar sua relação especial com seres inanimados (sim rsrsrs, ela fala com objetos, e isso é demais!).

Dando sequência, temos o menor conto da coletânea, Extensão justa. Aqui conhecemos Dave, um homem na faixa dos 50 anos que está sofrendo câncer terminal e que ao voltar de uma sessão de quimioterapia acaba conhecendo um vendedor de extensões, que oferece um prolongamento de vida. Porém essa extensão possui um preço: destruir a vida de outra pessoa.


"Ele achava que, até no mesmo no inferno, as pessoas ganhavam um gole d'água de vez em quando, nem que fosse para perceber melhor o completo horror de uma sede não satisfeita quando voltassem a senti-la".


Por mais que seja curto, Extensão justa é aquele tipo de conto que nos faz refletir bastante após a leitura. Acredito que muito da história tem a ver com o fato conseguirmos alguma coisa tirando-a de outra pessoa. Ahhh e pra quem já é intimo do autor temos um maravilhoso easter egg de It A Coisa, até porque a história se passa em Derry. 

Um bom casamento é o ultimo conto, e que conto incrível! Nesta história final e arrebatadora conhecemos Darcy Anderson, que não poderia estar mais satisfeita com sua vida ao lado de seu marido Bob, com quem está casada a mais de 20 anos. Todavia, uma caixa misteriosa na garagem muda toda a percepção da protagonista e a faz questionar se esteve vivendo uma grande mentira.

Darcy mostra para o leitor que é impossível conhecer completamente uma pessoa, e que alguns segredos precisam ficar enterrados para sempre. O nível de apreensão chega no limite com essa história, e em determinado momento achamos que tudo se resolveu mas essa conclusão logo se mostra equivocada.


"Pela primeira vez em anos, Darcy Madsen se levantou da cadeira e se pôs de joelhos para suplicar. Não adiantou. Exceto por ela, a casa estava vazia".


Em suma, Escuridão Total Sem Estrelas cumpre seu objetivo e nos faz refletir claramente sobre a crueldade do ser humano. King no conta no posfácio que bem e mal andam lado a lado e um bom escritor é aquele que sabe construir personagens verossímeis, imperfeitos e em busca de redenção. A Suma foi fundo no conceito e caprichou nesse miolo exterior todo preto (coisa mais linda na estante). Indico a obra para todos os amantes de livros de terror com um foco mais psicológico.

Até a próxima resenha!

O Desfiladeiro do Medo - Clive Barker

27 de novembro de 2020

Título:
 O Desfiladeiro do Medo
Autor: Clive Barker 
Páginas: 700
Ano: 2002
Editora: Bertrand Brasil 
Gênero: Terror 
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:   
Sinopse: O Desfiladeiro do Medo é um livro sem paralelo: uma descrição implacável e irresistível de Hollywood e seus demônios, contada com um estilo cru e o poder narrativo que transformaram os livros e filmes de Clive Barker em fenômenos mundiais. Hollywood transformou Todd Pickett em um astro. O tempo, porém, está lhe cobrando um preço por isso. Ele não tem mais o rosto perfeito do ano anterior. Após uma cirurgia malfeita, Todd precisa de um lugar onde possa esconder-se durante algum tempo, enquanto as cicatrizes desaparecem. Querendo ser momentaneamente esquecido instala-se em uma mansão no Coldheart Canyon, um recanto da cidade tão secreto, que sequer consta nos mapas. Tammy Lauper, presidente de seu fã-clube, chega à cidade de Los Angeles decidida a solucionar o mistério do desaparecimento de Todd. Lá chegando, descobre segredos a respeito do Coldheart Canyon: os espíritos da "Lista A" dos astros e estrelas falecidos de Hollywood que vieram participar de orgias no canyon...

Resenha:

Muita, mas muita viagem...

Saudações leitores! Hoje trago resenha de um dos diretores cinematográficos mais cultuados de Hollywood: Clive Barker. Por trás do clássico Hellraiser que roubou as noites de sono de muita gente (pesquisem e vocês vão saber o por quê rsrsrsrs), Barker também possui obras literárias de terror que chamam a atenção de qualquer amante dos gênero, e eu, curioso que sou, embarquei nesta experiência digamos...impactante.

O Desfiladeiro do Medo conta a história de Todd Pickett, um ator que já esteve no auge da carreira mas que atualmente vem perdendo o interesse do público e da indústria do cinema, que já não está tão disposta a fazer filmes tendo-o como protagonista.

Após realizar uma cirurgia mal sucedida para rejuvenescer, Todd, com medo de a notícia vazar à mídia sensacionalista, se esconde em uma mansão com ares góticos na região de Los Angeles conhecida como Cold Heart Canyon, ao passo que sua fã número um, Tammy Lauper, percebe que alguma coisa está errada e se torna determinada a encontrar o astro do cinema. De diferentes formas, os dois personagens percebem que a mansão do desfiladeiro nada mais é do que um portal secular para a Terra do Demônio, repleto de horrores e criaturas interdimensionais.


Preciso dizer que a leitura desse livro foi uma surpresa incrivelmente bizarra. Apesar da excelente mitologia que é desenvolvida pelo autor para nos apresentar a Terra do Demônio e a maldição que assombra o local há muito tempo, é necessário muito estômago para conseguir terminar a leitura, pois trata-se de uma obra que explora os desejos mais sombrios e depravados dos astros e atrizes que foram aprisionados no local. 

"Havia um som, entre a apavorante orquestração de gemidos e estrondos que perpassavam por toda a casa, mas profundo que todos os demais e que parecia vir diretamente de um ponto debaixo deles". 

Em muitos momentos, tive que pausar a leitura pelo forte conteúdo de suas páginas, e acredito que no quesito de nos deixar desconfortável a obra obtém êxito. Contudo, alguns leitores podem se decepcionar pela falta de um terror mais "clássico", pois Clive direciona o foco para a construção do mundo e das criaturas e almas reféns do poder do desfiladeiro, de modo que a obra soa mais chocante do que assustadora. 

Quanto aos personagens, Todd é um protagonista cheio de camadas e amargurado pela efemeridade da carreira artística. Pelos seus pontos de vista, somo apresentados à Hollywood verdadeira, que não é nem um pouco glamurosa. Percebemos também a crítica escancarada ao fato de que neste mundo do cinema tudo gira em torno das aparências. Tammy, a fã obcecada, não fica muito para trás, e várias vezes nos identificamos com a personagem e seus esforços para encontrar seu amado ator, sem contar que as partes dela são engraçadas e cheias de ironia.

"E claro, havia a possibilidade remota de que Todd tivesse sobrevivido e conseguido voltar lá para cima. Essa, mais do que qualquer outra, era a razão de sua volta". 

Ademais, gostei imensamente de Tammy não ser uma mulher construída sob os padrões de beleza usuais. A personagem, além de determinada e inteligente, é descrita como acima do peso e percebemos como o autor quis trabalhar essa questão da pressão pelo corpo perfeito. E falando em representatividade, temos espaço também para personagens homossexuais, o que é ótimo pois não vemos muito esse tipo de abordagem em livros do gênero.

"Era tão grande o número daqueles espíritos famintos, e tão estreita a porta por onde tentavam passar, que a impaciência deles logo chegou ao ponto de ignição. Discussões transformaram-se em ataques físicos, os mais fortes empurrando os mais fracos para que pudessem ser o primeiros a descer a escada, os primeiros a cruzar o portal que os levaria à Terra do Demônio". 

Por outro lado, embora os personagens sejam trabalhados de forma gradual e minuciosa, sendo possível perceber a evolução dos mesmos no decorrer das páginas, alguns aspectos me incomodaram no decorrer da leitura. O livro poderia facilmente ter duzentas páginas a menos, pois soa descritivo sem necessidade em algumas passagens, e por mais que seja interessante conhecer uma produtora de cinema, não precisamos de uma aula de mestrado sobre as particularidades sobre o que configura um filme rentável.

Outro ponto que levanta dúvidas acerca do estado psicológico do autor quando escreveu a história (LSD? Ecstasy?) é o excesso de cenas de sexo, que se alastram por páginas sem fim, num nível de bizarrice sem igual. Talvez o objetivo fosse mesmo chocar o leitor e fazê-lo entender que muitas das criaturas vítimas da maldição perderam o conceito de “limites”, porém acaba ficando bem vulgar e exagerado.  

Mas de modo geral, O Desfiladeiro do Medo se configura como um livro bastante original e que se diferencia por tratar em grande parte a grandiosidade dos aspectos sobrenaturais ao invés de sustos convencionais. Por mais que soe cansativo e lento em alguns momentos, vale a pena dar uma chance para a escrita criativa do autor.

Até a próxima resenha!