Oceano entre nós - Tahereh Mafi - pronta

7 de setembro de 2021

Título:
Oceano entre nós
Autor: Tahereh Mafi
Páginas: 304
Ano: 2021
Editora: Universo dos livros
Gênero: Literatura juvenil, Romance
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:    
Sinopse: Quando duas pessoas vêm de origens conflitantes entre si, será que o amor é suficiente para superar o choque cultural?
Um romance comovente sobre medo, amor e o impacto devastador do preconceito – baseado na própria experiência de vida de Tahereh Mafi, autora da série best-seller Estilhaça-me!
Após os atentados de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos da América passam por um momento muito turbulento. Mais turbulento ainda para alguém como Shirin, uma garota muçulmana de 16 anos que está cansada de ser estereotipada.
Shirin não se surpreende mais com as atitudes horríveis das pessoas. Está cansada dos olhares atravessados, dos comentários degradantes – até mesmo da violência física – que ela suporta como resultado de sua etnia, de sua religião e do véu que ela usa todos os dias. Para se proteger de tudo isso, ela constrói barreiras ao seu redor e não permite que ninguém se aproxime dela o suficiente para machucá-la. Mas tudo muda quando Ocean James surge em sua vida – a primeira pessoa que realmente demonstra querer conhecê-la de verdade. E isso a apavora, pois eles parecem vir de dois mundos irreconciliáveis. Shirin está com a guarda levantada há tanto tempo que não tem certeza se será capaz de baixá-la.


Resenha: Esse é meu segundo contato com a escrita da autora e só posso dizer o quão bom é ler um livro que trata de um aspecto pessoal, mas de forma que possamos entender, o quanto deve ter sido a adolescência da escritora em colégios americanos, sendo da síria. 


Como as pessoas podem ser cruéis, porém mesmo que sejam, ainda existem boas pessoas em qualquer lugar e foi exatamente isso que fez a personagem mudar aos poucos sua opinião de ver os atos de forma coletiva, afinal todos somos pessoas e cada um com aspectos e origens diferentes e ainda mais nós (brasileiros) que somos todos miscigenados.

"Parecia que estávamos sempre nos mudando, sempre para melhor, sempre para melhorar a nossa vida, seja lá o que significasse."

Shirin é uma adolescente de 16 anos, que como ela nos narra os pais, juntamente com ela e seu irmão mais velho se mudam com frequência para melhorar de vida, bom, é nisso que eles acreditam. Então ambos irmãos sempre têm que ir para uma nova escola e começar tudo de novo... novas amizades, novos professores, aulas, salas, tudo, mas de repente vemos que algo diferente acontece e que traz muitas mudanças para Shirin. Não me recordo o nome, mas ela usa por escolha própria o véu que normalmente as mulheres do oriente usam e isso traz um impacto forte, perigoso e real para nossa personagem.

"Queria que houvesse outra razão para dois estranhos me seguirem até em casa, outro motivo que explicasse por que arrancaram o véu da minha cabeça e tentaram me sufocar com ele. Eu não entendia como alguém poderia ter tanta raiva de mim por algo que eu não tinha feito, tanta raiva que justificasse me agredir à luz do dia, no meio da rua."

O livro é narrado em primeira pessoa e vemos quão impactante pode ser ter uma origem ou religião nesse cenário de 1 ano após o atentado das torres gêmeas. Vemos muitos das personagens que falam de maneira xenofóbica, preconceituosa e agressiva com uma adolescente que só quer ficar na sua paz e continuar os estudos. 


Cada capítulo vemos porque Shirin é uma pessoa tão fechada e só responde o que de fato precisa ser respondido e quão difícil é para ela fazer amizade e saber que dali um tempo ela pode se mudar de novo e perder as amizades que havia feito. O quão doloroso é ouvir ofensas que você não merece. Até parece que uma pessoa determina como a nação daquele país é. Afinal existe todos os tipos de pessoas em todos os lugares.

"Queria saber como era atravessar uma sala sem ser encarada por ninguém".

Shirin vai bem em ignorar as pessoas ao seu redor, porém Ocean um adolescente que faz algumas das aulas avançadas com a menina tenta uma amizade, e por mais difícil e taciturna que ela seja ele vai fazer o que for possível para que ela entenda que ele quer realmente ser seu amigo e conhecê-la. Ele vai mostrar que nem todas as pessoas são todas cruéis e maldosas. Que algumas pessoas fazem a diferença em nossa vida e nos muda de uma forma intensa, forte e encantadora.

"Mulheres diferentes se sentiam bem em roupas diferentes."

A relação dessa amizade faz nós leitores vermos como é querer o bem do outro, ter paciência, respeito, amizade, lealdade, união... Não imaginava que seria um dos livros favoritos do ano. Certeza que está no meu top 10. 

Cada capítulo fiquei torcendo para que fosse sincera a amizade de Ocean para com a Shirin e que ela mudasse sua visão. Foi aos poucos mais ela foi, de fato, mudando de formas positivas. 



Creio que é um livro para ser lido por todos que compreendam como é ser diferente e sofrer diversas formas de preconceitos por ser quem são e pelas suas origens. 

A escritora escreve com maestria e me fez gostar ainda mais de sua escrita. Espero que ela continue escrevendo livros com outros temas ou similares e que sejam únicos ou duologias para que a história continue bem desenvolvida.

"Tinha ouvido em algum lugar que as pessoas são capazes de se acostumar com qualquer coisa."

O desenvolvimento é bom e bem fluido e compreensivo. Cada capítulo me fez torcer muito para que a relação desses dois desse certo e que ambos conseguissem ver o quão poderiam se ajudar, cada um a sua maneira. Foi um livro muito bem trabalhado com temas fortes de bullying, discriminação religiosa e afins.


8 comentários

  1. Conheço e curto a escrita da Tahereh. Ainda não terminei a série Estilhaça Me, mas são ótimas leituras.
    Já tinha visto a capa desse livro mas nunca parei para ler. Achei interessante e triste, pois retrata a dura realidade do imigrante em qualquer país, mais dura e cruel no EUA.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei interessada em ler, pois gostei da primeira parte da série Estilhaça-me (a segunda ainda não li) que também é da autora, e também porque este livro é um romance com tema forte de preconceito.

    Danielle Medeiros de Souza
    danibsb030501@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Eu só li uma obra da autora e era uma distopia, algo bem distante do que esse livro nos apresenta!
    Acredito que tenha sido uma experiência única ler uma história com tantos ensinamentos e essa amizade que parece ir além do tempo!
    Que lindo ler essa resenha e com certeza,já é um livro que vai pra lista de desejados!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  4. Comprei a série toda de Estilhaça-me sem nem ler o primeiro e saber se eu vou gostar KKKKKKKK mas uma promoção é uma promoção ne? Aliás, já vi muuita gente indicando a série, muitos amam, então vou arriscar. Que legal ver a resenha de outro livro dela por aqui. Esse livro parece ser muito interessante, cheio de aprendizados e fiquei com muita curiosidade.

    ResponderExcluir
  5. Olá
    É sempre tocante quando lemos um livro onde é narrado avisa real de uma pessoa que foi discriminada por causa de sua origem e religião .O ser humano sabe ser maldoso e ainda náo aprendeu que somos todos iguais .Uma triste realidade que hoje ainda persiste pois muitos são forçados a saírem de seus países e tem que recomeçar a vida em outro país e provavelmente essa situação narrada no livro se repitirá infelizmente.
    Quando puder quero realizar essa leitura .

    ResponderExcluir
  6. Raquel!
    Já tive oportunidade de ler outros livros da autora e gosto muito da forma como ela escreve.
    O livro me parece bem rido, tanto pela cultura, como pela forma como ela mostra a maldade humana, mas também, a crença que tudo pode melhorar através de uma visão e amizade sincera.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Já conheço a autora pelos outros livros dela, mas não sabia que ela tinha lançado esse.
    Fiquei com vontade de ler, já vou adicionar na minha lista.
    A história é muito importante, e eu só conseguia pensar em todo o preconceito que os asiáticos, principalmente os chineses, estão passando por conta da pandemia.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oiii
    Eu já li a série Estilhaça-me da autora, e amo a série. Não conhecia esse livro dela, e já fiquei doida pra ler ele! Achei muito legal a autora abordar esses temas, e deu pra perceber que o livro todo está incrível e muito bem construído. Já coloquei ele nos meus desejados!

    Bjss ^^

    ResponderExcluir