A Bússola de Ouro - Fronteiras do Universo, 1 - Philip Pullman

22 de novembro de 2020

 
Título: A Bússola de Ouro - Fronteiras do Universo, 1
Autor: Philip Pullman
Páginas: 344
Ano: 2017
Editora: Suma
Gênero: Fantasia Infanto-Juvenil
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon

Nota:     
Sinopse: Lyra Belacqua e seu daemon, Pantalaimon, vivem felizes e soltos entre os catedráticos da Faculdade Jordan, em Oxford. Até que rumores invadem a cidade - são boatos sobre os Papões, sequestradores de crianças que estão espalhando o medo pelo país. Quando seu melhor amigo, Roger, desaparece, Lyra entra em uma perigosa jornada para reencontrá-lo. O que ela não desconfia é que muitas outras forças influenciam seu destino e que sua aventura a levará às terras congeladas do Norte, onde feiticeiras e ursos de armadura se preparam para uma guerra. Embora tenha a ajuda do aletiômetro - um poderoso instrumento que responde a qualquer pergunta -, nada a prepara para os mistérios e a crueldade que encontra durante a viagem. E, mesmo que ainda não saiba, Lyra tem uma profecia a cumprir, e as consequências afetarão muitos mundos além do dela.


Já resenhamos a série de TV aqui no blog, para ler, clica na resenha abaixo:

                                                      

Resenha:

Lyra é uma criança como qualquer outra. Gosta de andar pelas ruas do seu bairro, faz estripulias e precisa de banhos escaldantes para tirar toda a sujeira que se acumula no seu corpo quando está brincando com os amigos, ou brigando. Lya mora dentro do campus da faculdade. A Jordan. Uma faculdade grandiosa e rica de Oxford. Apesar de ter um carinho enorme pela faculdade e conviver diariamente com os Catedráticos (como são chamados os estudiosos que trabalham na faculdade).

"...De certo modo, Lyra tinha alma de moleque; o que ela mais gostava de fazer era subir nos telhados da Faculdade com Roger, o ajudante de cozinha que era seu amigo, para cuspir caroços de ameixa na cabeça dos Catedráticos que passavam lá embaixo, ou piar como corujas do lado de fora da janela de uma sala de aula, ou apostar corrida nas ruas estreitas, roubar maçãs no mercado, brigar."

Lyra tem sua cota de inimizades. As crianças de Jordan sempre declaram guerra com as crianças de outras faculdades, que por sua vez às vezes se juntam às crianças de Jordan para guerrear com os filhos dos oleiros e as crianças das famílias dos gípcios.

Mas o que amarra mesmo todas as crianças, são os desaparecimentos que ocorrem nas ruelas onde elas brincam. E o responsável por isso não parece se importar se está pegando uma criança de Jordan, ou do oleiro, ou das famílias gípcias. Elas somem em diversos lugares e épocas do ano. Os responsáveis são chamados de Papões

Lyra não parece se preocupar muito com isso, ela está ocupada demais explorando o porão da faculdade Jordan com seu amigo Roger e seus daemons, criaturas que acompanham as pessoas nesse mundo. Cada pessoa possui um daemon diferente, que possuem formas animais. Pantalaimon, o daemon de Lyra, que é representado em diversos formatos ao longo do livro, mas introduzido a nós leitores como uma grande mariposa marrom, é a consciência de Lyra, ele treme quando sente o perigo e a alerta quando a garota está fazendo algo imprudente, mas Lyra não parece ligar muito.

Até que um dos garotos próximos somem. Há uma busca, sem resultado, e a realidade da situação a faz perceber que os boatos são verdadeiros, e estão perigosamente perto de si. Perto até demais. Seu amigo Roger não é visto há dias, e Lyra fica com isso na cabeça. Porém, a garota não terá tempo para pensar nisso.

"Finalmente, sem sucesso e com a sombra do desaparecimento verdadeiro de Billy pesando sobre todo mundo, o entusiasmo foi diminuindo. Quando Lyra e os dois jovens das faculdades saíam de Jericó perto da hora do jantar, viram os gípcios reunidos no ancoradouro vizinho àquele em que o barco dos Costa estava atracado. Algumas mulheres choravam bem alto, e os homens, furiosos, formavam grupinhos."

Sua vida muda completamente quando o reitor da Faculdade Jordan a chama em particular e entrega um objeto parecido com uma bússola que possui diversos compartimentos com símbolos estranhos. É um aletiômetro, e o que ele faz eu não posso dizer aqui, mas é um objeto muito raro e significativo.

Lyra também é apresentada à Sra. Coulter, uma mulher de classe que gosta de eventos sociais e tem como daemon um macaco de pelos dourados. Lyra é encarregada de entender esse mundo novo da Sra. Coulter, e troca as roupas sujas de poeira dos telhados da faculdade por roupas bordadas e com rendas, e não há mais brincadeiras com bolas de lamas, e chá com conversas triviais. E estudos... Muito estudo. Sobre o Norte. Principalmente sobre ele.

"Não era do temperamento de Lyra ficar parada remoendo os problemas; ela era uma criança impulsiva e prática e além disso não tinha muita imaginação."

Mas a vida de Lyra está longe de ser chata e comum. Após várias descobertas, ela se vê embarcada em navios gípcios para desbravar o norte em uma missão perigosa, mas essencial para todos. Lyra percebe que seu mundo dentro da universidade de Oxford era pequeno. Nesse novo, há ursos que falam e usam armaduras, bruxas que voam em galhos e não envelhecem, há a Aurora Boreal e há o frio. Infelizmente, há novos vilões que Lyra nunca imaginou existir.

"Você é muito novinha, Lyra, jovem demais para entender, mas vou lhe dizer de qualquer maneira e mais tarde você vai compreender: os homens passam diante de nossos olhos como borboletas, criaturas que só duram uma estação. Nós os amamos; eles são corajosos, orgulhosos, belos, inteligentes; e morrem quase de repente. Eles morrem tão depressa que nosso coração fica constantemente cheio de dor. [...] Cada vez fica mais doloroso, até que a gente fique com o coração partido. Talvez seja então que Yambe-Akka vem nos buscar. Ela é mais antiga que a tundra. Talvez para ela a vida de uma bruxa seja tão curta quanto a dos homens é para nós. [...] Eu teria mudado minha natureza, teria renunciado à sensação das estrelas e à música da Aurora; nunca mais teria voado. [...] Mas não se pode mudar quem a gente é, só o que a gente faz. Eu sou uma bruxa, ele é humano."

Será que a pequena criança conseguirá recuperar seus amigos com o pequeno artefato que guarda dentro do bolso?




Ilustração do banner por Andrew Ferez


" — Por que as pessoas têm daemons, Serafina Pekkala?
 — Todo mundo pergunta isso, e ninguém sabe a resposta. Desde que os seres humanos existem, os daemons existem também. É o que nos torna diferentes dos animais."


Eu confesso que me interessei pela trilogia Fronteiras do Universo por causa de toda a mitologia envolvendo os daemons. Como uma boa estudiosa de criaturas fantásticas, eles me chamaram a atenção logo no filme lançado em 2007 e foi um dos motivos de ter dado uma chance para os livros. Há muito o que falar sobre os daemons, mas você só consegue entendê-los ao longo da narrativa. Nada é oferecido de bandeja, e a cada página lida, você se depara com uma curiosidade sobre esses seres que parecem ser a alma de uma pessoa. Dentre elas, vou citar algumas (para incitar a sua curiosidade). Vamos lá?


- Se a pessoa é do sexo masculino, seu daemon será feminino. E vice-versa
- O daemon de uma criança pode alterar a forma a hora que quiser, até a pessoa atingir a maturidade
- O daemon da pessoa sente o que a pessoa sente. E vice-versa
- Eles brigam entre si quando as pessoas não se gostam
- Tocar o daemon de outra pessoa é considerado tabu
- O daemon não consegue se afastar muito do seu ser humano
- O daemon de uma bruxa pode se afastar dela por quilômetros




Mas, Cora, vale a pena?


Eu estou acostumada a ler fantasia mais pesada, e quando peguei um livro como A Bússola de Ouro, estranhei, pois a narrativa é pelos olhos de Lyra, uma criança. Mas eu acho que é isso que torna o livro algo mágico. É isso que faz com que crianças e adultos de diversas idades amem os livros de Philip Pullman, J.K Rowling e C. S. Lewis: a certeza de que serão transportados para outro mundo quando correrem os olhos pelas páginas.

Então, sim, vale a pena. Vale cada página e cada hora que você passa nesse universo criado por Philip Pullman e editado por pela Suma.

Com capa vetorial e projeto editorial novo, A Bússola de Ouro abre a trilogia Fronteiras do Universo com primazia e mostra para gente que um mundo fantástico nunca é um lugar errado para se passar horas e horas.

8 comentários

  1. Eu preciso tanto reler essa trilogia. Acho que na época que li os três livros(acho não, tenho certeza) fiz na correria, sem absorver e entender direito. Época que precisava de números de livros lidos e não qualidade rs
    Estou tentando acompanhar a série na tv, mas admito com vergonha que não estou curtindo rs
    Sei lá..veremos!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro demais esses livros são muito cativantes e a jornada de Lyra nos prende a atenção
    E no decorrer da história ainda existe tantas é maravilhosas reviravoltas!

    E eu amo! Amo! A mitologia Daemon 🖤

    ResponderExcluir
  3. Uau! Nunca havia parado para Ler uma resenha de A Bússola de Ouro. E nunca tinha visto uma tão completa e instigante.
    Até eu que não sou de ler fantasia me interessei em conhecer Lyra e me aventurar com ela. E é um interesse real, legítimo, tanto é que vou no Skoob procurar a trilogia.

    ResponderExcluir
  4. Nao tive contato com essa serie ainda, mas to muito afim de ver a serie de tv da hbo que to ouvindo só coisas boas sobre aí me veio a vontade de a serie/trilogia né de livros tb. Nao sei, ainda fico em duvida se faço a leitura ou não.

    ResponderExcluir
  5. Mari!
    Eu li toda a trilogia uns anos atrás e confesso que achei bem complexo. É inegável que a trama de Pulman chama atenção pro ser extremamente original, porém o leitor precisa realmente ficar atento a tudo pois a partir do segundo volume as coisas vão ficando cada vez mais densas.
    Mas o primeiro volume acerta muito bem em nos introduzir a esse universo caracterizado pela presença de deamons, sem contar que a protagonista é muito carismática (embora irritante em alguns momentos, devo ressaltar).
    E a Sra. Coulter? Não posso ver essa mulher na minha frente rsrsrsrs
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Ola que capa linda !
    Náo sou muito fâ desse genero .o unico livro de fantasia que li foi Harry Potter .e tambem é dificil achar livros de fantasia que nao sejam séries .ate andei pesquisando para ver se acho livro de fantasia em volume unico .

    ResponderExcluir
  7. Nâo sou uma leitora assídua de fantasias. Só me arrisco quando leio muitas e muitas resenha falando da qualodade do livro, confesso que nesse aspecto levo muito em consideração a opinião de outros leitores. Imagino que a diferença no nível de leitura seja grande pra quem já é acostumado, mas acgei interessante esse universo, dá sim uma curiosidade, vontade de entender essas criaturas, alén de ser diferente por ser infanto juvenil.

    ResponderExcluir
  8. Fátima Menezes23/11/2020 10:59

    Estou relendo essa trilogia este ano. Já li "A Bússola de Ouro" e, agora, estou em "A faca sutil". É uma série meio diferente das fantasias comuns, talvez pelo estilo da narrativa de Lyra e pelo ambiente criado.

    ResponderExcluir