Sangue e Fogo - George R. R. Martin

11 de janeiro de 2019

Título: Sangue e Fogo
Autor: George R. R. Martin
Páginas: 598
Ano: 2018
Editora: Suma de Letras
Gênero: Fantasia, Ficção, Medieval
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon | Saraiva | Submarino
Nota:  
Sinopse: A arrebatadora história dos Targaryen ganha vida neste novo livro de George R.R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo, série que inspirou a adaptação de sucesso da HBO, Game of Thrones.
Séculos antes dos eventos de A guerra dos tronos, a Casa Targaryen – única família de senhores dos dragões a sobreviver à Destruição de Valíria – tomou residência em Pedra do Dragão. A história de Fogo e sangue começa com o lendário Aegon, o Conquistador, criador do Trono de Ferro, e segue narrando as gerações de Targaryen que lutaram para manter o assento, até a guerra civil que quase destruiu sua dinastia.
O que realmente aconteceu durante a Dança dos Dragões? Por que era tão perigoso visitar Valíria depois da Destruição? Qual é a origem dos três ovos de dragão que chegaram a Daenerys? Essas são algumas das questões respondidas neste livro essencial, relatadas por um sábio meistre da Cidadela.
Ricamente ilustrado com mais de oitenta imagens em preto e branco assinadas pelo artista Dough Wheatley, Fogo e sangue dará aos leitores uma nova e completa visão da fascinante história de Westeros – um livro imperdível para os fãs do autor..

Este livro foi cedido pela Editora Suma de Letras, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora. 

Resenha: George R. R. Martin lançou um novo livro. Apesar do tamanho e de suas quase seiscentas páginas, não, não é a continuação de Crônicas de Gelo e Fogo. Ainda assim, a proposta do escritor foi ousada em manter seus fãs fiéis explorando a história da linhagem mais prestigiada de Westeros: Os Targaryen.

Fogo e Sangue narra os principais acontecimentos no período de trezentos anos antes do primeiro livro, A Guerra dos Tronos (desde Aegon, O Conquistador, até Aegon III). Diferente da história principal, os POVs são deixados de lado para trazer uma experiência mais “erudita”, onde os fatos são escritos por meistres prestigiados, com a ajuda de relatos e opiniões de lordes famosos, mas não excluindo os relatos dos mais simplórios cidadãos, como de bobos da corte. O livro passa a impressão de ser real, com o mesmo ar de um livro histórico. Essa mudança drástica pode trazer controvérsia entre os fãs que já estavam acostumados com sua narrativa característica em terceira pessoa de vários personagens envolvidos na mesma trama, porém é inegável o cuidado fornecido por Martin para manter um ar acadêmico no livro, coberto de eventos importantes.

O livro também conta com vários desenhos, imortalizando episódios importantes para trama. No desenho acima, Aegon, O Conquistador está sentado no recém criado Trono de Ferro em companhia de suas irmãs e esposas, Visenya e Rhaenys.

Se você leu toda a série, provavelmente se deparou com citações de personagens de uma certa aura mítica. Maegor, O Cruel, sendo citado em assuntos referentes à péssimos reis; Balerion, que sempre é lembrado como o maior e mais temível dragão já existente, e até mesmo a Dança dos Dragões, importante evento que nomeou um dos livros da série. Esses personagens e fatos ganham uma clara aparência no livro, onde suas vidas e suas importâncias são citadas com ricos detalhes, ajudando o leitor a se situar no expansivo universo de Crônicas de Gelo e Fogo. Obviamente, o livro não se resume em citações anteriores. Ao redor do enredo de personagens que não são estranhos aos leitores da série original, muitos outros personagens são criados, tal como novos importantes fatores históricos. O resultado disso é um interessante emaranhado de fatos que conectam a história desde a chegada de Aegon e de suas duas esposas em Westeros até ao que ocorre na atualidade do enredo.

Para quem leu todos os livros (ou até mesmo viu a série), não é anormal ter a sensação de que há uma grande sombra na história dos Targaryen. Enquanto os mais valorosos, como Raeghar, se encontra morto, Viserys e Aerys, O Louco, conseguem estar vivos na mente de muitos por causa dos seus péssimos feitos passados (apesar de também estarem mortos). Daenerys carrega durante boa parte do tempo o fardo de ser a última esperança de uma família decadente, desonrada e sem prestígio. Fogo e Sangue traz ao leitor uma ótica totalmente oposta, onde é possível conhecer a majestade de uma das mais antigas casas, e, por grande parte, o compromisso dos reis de sua linhagem em trazer paz e prosperidade para toda Westeros, governando tanto para senhores quanto para plebeus. Outras casas que foram de menor importância na história original, como os Velaryon, também ganham espaço no livro, chegando ao seu máximo expoente de crescimento ao serem os mais fiéis aliados dos Targaryen durante toda a sua conquista e assentamento em Westeros.

No meio de tanto caos e briga por poder, outras famílias tradicionais de Westeros também fazem importantes participações no enredo, sobrando até para os favoritos Starks de Winterfell.

Outra grande diferença entre a história original e Sangue e Fogo ocorre em relação aos dragões. Os três dragões de Daenerys parecem com ferramentas de batalha, armas de cerco, e muito pouco com uma criatura mitológica, autêntica e cheia de esplendor. Já os dragões deste livro possuem uma incrível capacidade de cativar o leitor, e não estranhe se você se apegar a um dos mais de vinte citados no livro (eu, por exemplo, fiquei fascinado pelo Balerion). Todos os dragões possuem atenção suficiente para que o leitor consiga entender a estreita relação entre Targaryen e sua fera voadora.

Balerion, O Terror Negro e Aegon I montado em suas costas.

Infelizmente, como grande fã da série, tive minhas decepções. Não minto, a culpa disso é mais das minhas próprias expectativas do que de R. R. Martin. Esperei principalmente por maiores detalhes sobre a queda de Valíria, sem muito sucesso. A intenção do escritor foi trazer ainda mais dúvidas sobre o misterioso império decaído do que esclarecer os segredos que pairam ao seu redor. Também incomoda um pouco que a série já tenha spin offs ocorridos em Westeros, como O Mundo de Gelo e Fogo e O Cavaleiro dos Sete Reinos, e mais um spin off seja lançado focado neste continente. Ainda espero que Yi Ti, Ilhas do Verão e Asshai ganhem histórias próprias e deixem de serem usados apenas como medidor de distância de Westeros.

Em um saldo geral, o livro é ótimo. Uma boa escolha para qualquer um que já conheça o mundo de Crônicas de Gelo e Fogo, porém talvez não seja a melhor escolha para alguém que ainda não conhece a série de livros. O final do livro deixa uma grande brecha para uma continuação, onde será apresentado mais conteúdo sobre a família Targaryen, até a era do Rei Louco e a Rebelião de Robert. A escrita, apesar de ser intencionalmente mais "acadêmica", não é de forma alguma difícil de entender, com palavras desconhecidas e já a muito deixadas de serem usadas. Dessa forma, espere por uma leitura fluída e rápida, com uma bomba de informações em cada novo capítulo. E que venham os dois últimos livros, pois precisamos saber se Jon Snow é um Targaryen!



2 comentários

  1. Oi Michel
    Com toda a fama que a série baseada nos livros do autor teve, eu tive medo de ler por conta da expectativa e me decepcionar, mas a cada resenha me arrependo de sempre deixar os livros do Martin de lado.
    Eu realmente fico preocupada de me perder, já que as histórias são extensas, mas, em contra partida, acho incrível, já que é um universo original e ganhou vários fãs.
    Um bom livro para começar a me aventurar com o autor, adorei a edição.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eu amo a série de TV, até comecei a ler os livros, mas ainda estou no primeiro volume, muito bom que o autor consegue nos apresentar um enredo intenso e que contribui para o desenvolvimento da história, espero continuar a leitura da série em breve.

    ResponderExcluir