No Seu Pescoço - Chimamanda Ngozi Adichie

Título: No Seu Pescoço
Autor: Chimamanda Ngozi Adichie
Páginas: 233
Ano: 2017
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Ficção
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:  
Sinopse: A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie vem conquistando um público cada vez maior, tanto no Brasil como fora dele. Em 2007, seu romance Meio sol amarelo venceu o National Book Critics Circle Award e o Orange Prize de ficção, mas foi com o romance seguinte, Americanah, que ela atingiu o volume de leitores que a alavancou para o topo das listas de mais vendidos dos Estados Unidos, onde vive atualmente. Ao trabalho de ficcionista, somou-se a expressiva e incontornável militância da autora em favor da igualdade de gêneros e raça. Agora é a vez de os leitores brasileiros conhecerem a face de contista dessa grande autora já consagrada pelas formas do romance e do ensaio. Publicado em inglês em 2009, No seu pescoço contém todos os elementos que fazem de Adichie uma das principais escritoras contemporâneas. Nos doze contos que compõem o volume, encontramos a sensibilidade da autora voltada para a temática da imigração, da desigualdade racial, dos conflitos religiosos e das relações familiares. Combinando técnicas da narrativa convencional com experimentalismo, como no conto que dá nome ao livro - escrito em segunda pessoa -, Adichie parte da perspectiva do indivíduo para atingir o universal que há em cada um de nós e, com isso, proporciona a seus leitores a experiência da empatia, bem escassa em nossos tempos.



Resenha:

  Até o momento, as únicas coisas que eu tinha lido da autora eram seus manifestos, que a propósito, são brilhantes. Não tinha me dado a oportunidade de apreciar os seus romances, ensaios e seus contos. Bem recomendado, resolvi dar a chance ao livro de contos No Seu Pescoço, e me pergunto o por que de nunca ter me aprofundado em seus variados gêneros. Estava perdendo tempo!


No Seu Pescoço, lançado originalmente em 2009 e lançado no Brasil apenas esse ano pela Cia das Letras, reuni 12 contos que mostram o choque entre duas culturas, a Nigeriana e a Americana. O enredo dos contos tratam de assuntos como a desigualdade de gênero, a guerra, e principalmente sobre a imigração para os EUA e o preconceito que esses imigrantes sofrem. Chimamanda nasceu em Enugu, Nigéria, e ainda jovem imigrou para os Estados Unidos com uma bolsa de estudos. Por esse motivo ela tem propriedade para tratar do assunto, pois sofreu na pele esse choque de culturas, a estranheza do americano em relação a uma pessoa do continente africano e as suas concepções sobre ela. Mas vamos ser sinceros, nós não estamos longe da concepção dos americanos, nós também achamos que a África é uma coisa só, ou que só tem animais, ou que todo mundo é muito pobre, enfim, é uma ignorância que  muitas vezes é induzida pela mídia. Em vista disso, a leitura desse livro se faz importante, pois apesar de ser ficcional, é de fato um relato sobre a realidade dos continentes africanos, e mais especificamente da Nigéria. Nem todos vivem em extrema miséria, como vai relatar a autora em diversos contos desse livro,  onde seus personagens em sua maioria possuem algum prestígio social, ou estão em busca do seu lugar ao sol que é tão ansiado Green Card . De maneira brilhante a autora expõe uma América antagônica que se julga mais importante que os outros, e que também julga ser mais conhecedora da cultura alheia que a própria pessoa de tal cultura. Aponta também imigrantes que se deslumbram com com o padrão de vida americano e que acabam negligenciando sua própria cultura em prol de uma que lhe é estabelecida.

Adichie não te surpreende apenas por esse choque de realidade, por esse evidente conflito de povos, mas também pela sua técnica de escrita que joga o leitor para dentro da história, fazendo-o vivenciar aquele momento. Um exemplo é um dos meus contos favoritos que intitula o livro. O conto No Seu Pescoço é narrado em segunda pessoa, por isso o leitor acaba se tornando o próprio personagem. A história é de uma menina que se muda para os Estados Unidos para cursar a universidade, contudo umas mudanças em seu destino acaba a fazendo sair da casa do tio, morar sozinha e trabalhar como garçonete. É nesse trabalho que ela conhece um rapaz que ficou encantado por ela, e que fugia completamente dos padrões em que todos acreditavam que ela deveria namorar por ser branco dos olhos verdes. Durante todo o conto temos a luta desse casal com culturas tão diferentes vivenciando na pele todo o preconceito das pessoas ao redor. Os olhares tortos, os sorrisos forçados, os conflitos, é como se você estivesse ali passando por isso. É uma técnica tão simples que te faz trocar de lugar com a personagem e refletir melhor sobre o assunto abordado.

Outro conto que merece destaque é o Jumping Monkey Hill, que narra a história de um grupo de escritores que se reúne em um resort de luxo na Africa do Sul para uma oficina literária. A oficina reuniu diversos escritores de diferentes países africanos, nos recordando mais uma vez que a África não é uma coisa unificada. Tinham então, senegaleses, um queniano, um ugandês, um sul-africano negro e uma sul-africana branca, entre outros representantes do continente africano, e dentre eles a protagonista nigeriana Ujunwa. A oficina era organizada por um inglês chamado Edward que representava a pessoa cheias de esteriótipos sobre a África e que se julgava conhecedor dos costumes e tradições locais. Cada participante tinha que escrever um conto e lê-lo para uma discussão aberta mediada por Edward. Entretanto, Edward dotado de um espírito sobre o que é ou não a África e o que a representa de fato, julga e aponta os "erros" presentes nas histórias. Ujunwa é única que não se deixa abater e nem se inferiorizar com seus conceitos ingleses sobre o que é correto, e segue colocando suas verdades em conto. Além dessa questão sobre identidade, esse conto traz em mente o qual é o papel da literatura na vida de uma pessoa, uma discussão que se torna um embate entre Edward e Ujunwa,  e que estende até a última página, em um desfecho surpreendente.

No Seu Pescoço é um livro maravilhoso, digno de todo sucesso que obteve. Chimamanda é uma autora incrível, que fez um trabalho brilhante em seus outros livros, e com esse não podia ser diferente. Ao ler os contos, somos tomados por uma verdade oculta na sociedade, temos a noção dos nossos próprios conceitos errôneos sobre a África. É ótimo ver a literatura Africana ganhar tanto destaque, conquistar o mundo, como tem feito os livros da autora, mas obviamente Adichie é uma exceção a  regra e isso me traz um sentimento de inconformismo. Temos que buscar por mais literaturas como essas, fugir um pouco da cultura europeia e a americana que nos é tão imposta e dar destaque a uma cultura que se assemelha mais a nossa do que todos nós imaginamos.


         Um grande beijo e Boa Livroterapia! ❤ 

15 comentários

  1. Somente li algumas palavras dispersas pela net sobre a autora, frases que ela sempre faz questão de pronunciar. Nada com exatidão ou que chegasse perto de um conto!
    Mas amo conto, crônicas...ainda mais quando trazem essa realidade crua, tão perto e ao mesmo tempo, tão distante de nós!
    Pensamos realmente que a África é um amontoado de animais e pobreza, por termos preguiça de nos jogar em outras culturas e povos. Aliás, no Egito só tem areia e solidão.
    Adorei tudo que li acima e o livro vai para a listinha de desejados com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário e espero que goste da leitura tanto quanto eu gostei. A autora é encantadora!
      Um beijão e boa livroterapia!

      Excluir
  2. Oi Cinthia!
    Nunca li nada da Chimamanda mas tenho vontade. Não sabia que esse livro era uma antologia, nunca tinha lido a sinopse. Talvez eu comece por esse pq contos são uma ótima maneira de se conhecer um autor.
    Beijos!

    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Obrigada pelo comentário!
      Eu achei que ler os contos dela foi um ótimo começo e só me deixou mais ansiosa pela leitura de suas outras obras. Espero que você também se encante pelos livros da autora.
      Um grande beijo e boa livroterapia!

      Excluir
  3. Já tinha visto muita coisa boa dela também mas nunca li nada. Ganhei um livro dela e agora quero só ver como é. A autora parece ter uma escrita muito rica e gostei dos temas que ela retrata, as coisas mais realistas e humanas. Tá aí outro livro que seria bem interessante de ler porque os contos parecem passar bem a ideia do que é ser um estrangeiro desse país em outro tão grande. E sim, sei muito pouco sobre o país dela e gostei dessas coisas que ela escreve porque parece abrir a mente da gente e dar algumas informações bem legais. Fica uma coisa intersaante de ler. Acho que iria gostar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!!
      Obrigada pelo comentário! Espero sinceramente que goste dos livros da autora tanto quanto eu gostei.
      Um grande beijo e boa livroterapia!

      Excluir
  4. Olá!
    Segunda resenha que leio do livro que me convence ainda mais á conhecer a história, achei o enredo mto bacana, tá na listinha já!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!!
      Obrigada pelo comentário!! Espro que goste desse livro tanto quando eu gostei. A autora é incrível!
      Um grande beijo e boa Livroterapia ❤

      Excluir
  5. Cinthia!
    Não li ainda nenhum dos livros da autora, mas sempre leio as resenhas e os livros dela trazem sempre polêmicas relevantes e mostra o quanto as realidades são diferentes e crueis.
    E gosto de livro de contos como esse...
    “É prova de inteligência saber ocultar a nossa inteligência.” (François La Rochefoucauld)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!!!
      Obrigada pelo comentário! Se você gosta de livros como esses, vai amar esse. É simplesmente maravilhoso!
      Um beijo e boa Livroterapia ❤

      Excluir
  6. Vi teu stories ontem e vim procurar a resenha. Pra começo de conversa, você escreve de um jeitinho que também joga a gente dentro da história. Deu pra sentir a emoção que o livro te causou e a mensagem inquietante que te passou! Adoro quando um livro é capaz disso!
    E pra finalizar: quero ler esse livro! ��

    ResponderExcluir
  7. Olá! Confesso que ainda não conhecia nada dessa autora, mas gostei bastante da premissa do livro, por se tratar de contos, acredito que a leitura fique mais fácil, gosto de livros que nos apresente a novas culturas e nos ensine mais sobre o mundo e as pessoas que nos cercam.

    ResponderExcluir
  8. Oi.
    Eu quero muito ler esse livro, em especial por não ter lido nada da autora, assistir uma de suas palestras denominada O problema da história única e confesso que adorei.
    Eu gosto que ela fala na sua obra, do choque cultural e do preconceito.
    O conto que mais me chamou a atenção foi: No seu pescoço, que me chamou muito a atenção, não vejo a hora de conhecer essa obra.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Amo ler sobre outras culturas. É muito bom sair da bolha "euroamericana" de vez em quando. Amei a resenha.

    ResponderExcluir
  10. Olá Cinthia
    Só tem um ponto que me incomoda: contos. Não gosto, por mais que sua resenha esteja ótima, e buscando encontrei mais elogios sobre a autora, acredito que poderia ser somente uma história, eu iria gostar mais.
    O interessante é que (acredito eu) a autora achou uma forma mto bonita de chamar atenção para o povo nigeriano e seus costumes, é um ponto positivo para a escrita dela.
    Beijos

    ResponderExcluir