A tragédia de Otelo, o Mouro de Veneza - William Shakespeare

Título: A tragédia de Otelo, o Mouro de Veneza
Autor: William Shakespeare
Páginas: 324
Ano: 2017 (edição Clássicos - Companhia das Letras)
Editora: Penguin Companhia
Gênero: Drama
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:                   
Sinopse: Em meio às guerras turco-venezianas, Otelo, um mouro cristianizado é o general em quem a Sereníssima cidade deposita sua confiança. Esse homem, robustecido pelas guerras, descobre o amor num instante de devaneio e se casa com uma das filhas da nobreza. Mas sem que ele saiba, Iago, seu alferes, difama sua esposa Desdêmona, parasitando a mente de Otelo com o "monstro de olhos verdes" do ciúme.

Resenha:

Eu acho (e está virando quase uma certeza) que todos os habitantes do mundo literário já ouviram falar em algum momento da vida das tragédias shakespearianas. Clássico, como vários outros. Só que o que muitos ainda não sabem é que além de todo o romantismo de Romeu e Julieta ou toda a dúvida existencial de Hamlet, existe um mundo incrível, grande e prontinho para ser explorado. E é entrando nessa selva desconhecida que encontramos Otelo, outra vítima das fatalidades do destino.

O jovem Mouro de Veneza, Otelo, era um homem importante, respeitado e ocupante de um alto cargo de defesa da Itália. Ele se casa secretamente com Desdêmona, uma bela moça que se apaixonou por suas histórias e pelas aventuras que o mouro já havia vivido em sua vida. Porém, por causa da cor de sua pele, Otelo não foi aceito pelo pai de sua esposa e o seu casamento trouxe descontentamento para muitas pessoas.

Entre elas estava Rodrigo, um jovem rapaz que, apaixonado por Desdêmona, é convencido por Iago a se unirem em um plano de destruição do mouro e “resgate” de Desdêmona. Iago, cegado pelo ódio contra Otelo, que escolheu outra pessoa para ocupar o cargo que Iago tanto almejava, teceu sua rede de vingança e aproveitou do coração tomado por amor de Rodrigo para conseguir o que tanto queria.

A história se passa em Chipre, onde Iago manipula todas as circunstâncias ao seu redor e planta no coração de Otelo uma semente de ciúmes, alegando que a inocente Desdêmona não era tão inocente quanto parecia ser e, se tinha enganado o próprio pai, imagina o que estaria fazendo pelas costas do mouro. Assim, o desenrolar da história mostra Otelo vivendo uma confusão mental e o ciúmes enlouquecido o cega de maneira a não mais enxergar o amor angelical que sentia por sua bela esposa.

Apesar do desfecho trágico já esperado da história (não é spoiler se está no título da história) William Shakespeare conseguiu nos surpreender com pensamentos ligeiramente avançados para seu tempo. Ele foi um dos primeiros a desenvolver uma história na qual o personagem negro não era o vilão, o que na época causou um grande rebuliço na sociedade. Além disso, ele enfatiza o lugar subordinado das mulheres, que sofriam nas mãos dos maridos e não tinham liberdade para expressarem e seguirem o que acreditavam. Porém, podemos perceber uma certa indignação dessa realidade em Emília, a dama de companhia de Desdêmona, que em um diálogo com a última expressa seu descontentamento e sua opinião firme de que as mulheres deveriam ser tratadas com dignidade pelos seus maridos, pensamento muito incomum em toda a sociedade do século XVII.

A Penguin Companhia, além de nos trazer a riquíssima tragédia de Otelo, colocou nessa edição uma introdução recheada de novas interpretações de especialistas, que contribuem para a leitura da peça em sua plenitude. Além disso, as notas nos ajudam a compreender melhor as nuances de um contexto histórico tão distante do nosso (mas ao mesmo tempo tão próximo) em que os costumes sociais muitas vezes nos passam despercebidos. Para uma amante abertamente declarada das histórias do Bardo inglês, me senti mais próxima e por dentro de todos os detalhes que fizeram com que eu me encantasse pela verdade traduzida por esse brilhante escritor.

10 comentários

  1. Maíra!
    Bem feliz em ver uma resenha de Shakespeare, difícil ver na blogosfera, que estão sempre voltados mais para livros contemporâneos.
    A tragédia retratada por ele nesse livro é vanguardista, como ele próprio e vem carregada de emoção e drama que nos conquista enquanto leitoras.
    “Não saber é o que torna nossa vida possível.” (Lya Luft)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Maíra, apesar de conhecer e até já ter visto filmes baseados nas obras de Shakespeare, nunca li uma de suas obras e essa parece ser bem rica, trazendo o personagem negro que não era o vilão e uma mulher falando em igualdade de gêneros, o que na época devia ser impensável. A editora parece estar presenteando o leitor com o lançamento desse clássico e achei bem interessante ;)

    ResponderExcluir
  3. Olá, o destaque do livro está em relatar o empoderamento da parcela que não tinha voz naquela época (negros e mulheres), daí a inovação que é sinônimo desta obra. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Maíra, tudo bem?
    Apesar de sr super interessante esta história, eu não sei se leria.
    Li Hamlet há uns anos e odiei, acho que não estava preparada para ler Shakespeare ainda ou foi o modo como eu li que foi em formato de peça. Adoro como o autor colocava questões além da época em que vivia.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Por ter costume de ler livros contemporâneos, nunca tive interesse de ler livros desse autor ou de outros mais antigos, pois sei que todo o desenvolvimento da trama e um pouco mais complexo, e acredito eu que precisa de um pouco mais de reflexão e entendimento, por isso no momento não e o tipo de livro no qual me interesso, porém e premissa e um tanto incrível, pois retrata o empoderamento de pessoas que naquela época não tinham seus direitos assegurados.

    Participe do TOP COMENTARISTA de Julho, para participar e concorrer aos livros "O Casal que mora ao lado" e "Paris para um e outros contos".
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nunca li um livro de Shakespeare, mas como a maioria das pessoas conheço suas histórias através do cinema.

    Sempre tive vontade de ler algum livro dele suas histórias são verdadeiros tratados sobre a natureza humana. Bacana a sua escolha.

    ResponderExcluir
  7. Olá !
    Confesso que nunca li Shakespeare e nem tenho vontade ahahaha

    Parece ser ótimos livros mas por causa da linguagem dificulta a interpretação e cansa bastante. .

    Mas pra quem gosta, essa é uma ótima tragédia !..

    Bjo

    ResponderExcluir
  8. Um sonho: ler alguma obra de Shakespeare. Apesar da linguagem difícil, dos temas. Eu tenho essa meta de vida. Todo o seu modo, sua popularidade e, principalmente, o fato de ser a frente do seu tema me encantam. Eu não conhecia essa edição da obra, mas já estou super interessada.

    ResponderExcluir
  9. Já li alguns livros de Shakespeare e adorei! Ainda não li esse livro, mas me interessei muito. Apesar de ser geralmente uma leitura mais densa, gosto de ler clássicos!
    Essa edição parece que está muito linda!

    ResponderExcluir
  10. Oi Maíra,
    Sou fã de clássicos, mas infelizmente nunca tive a oportunidade de ler as obras de Willian Shakespeare. Conheço um pouco da tragédia de Otelo, lembro de ter assistido uma peça de teatro alguns anos atrás, mas ainda assim quero ler a obra completa.
    Que linda essa edição, é puro capricho! Com certeza vou colocar esse livro na minha lista de desejados.
    Beijos

    ResponderExcluir