Resenha: A Rainha de Maio - Jan Santos

Autor: Jan Santos
Páginas: 125
Ano: 2016
Editora: Lendari
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Lendari
Nota:                   
Sinopse: A sombra volta a crescer sob os galhos da Floresta Baixa, os suanam sangue-pedra que caçam entre suas trilhas verdes falam de assobios sinistros, visagens no meio do riacho e de animais sendo mortos. Também falam da rainha dos demônios do mato, da Maria-bicho, Maria-fogo, que se veste com chama branca e assombra as clareiras e o sono caçadores.
Anga, sangue-pedra que mal se tornou homem, cresceu ouvindo falar de como os espíritos ruins se juntam ao redor dela, de como os deuses temem sua malícia que queima feito brasa, mas Anga não sente medo. O suanam, jovem demais para saber o valor da prudência e da verdade tenebrosa que mora no interior de cada história e canção de ninar, resolve seguir os passos da mãe e desafiar a entidade, apenas para descobrir que não são poucos os perigos que o aguardam na Floresta Baixa.  



Resenha:  Caraúna era líder da tribo dos Suanam Sangue Pedra, que amou um jovem, Icaã, e dele fez homem. Desse amor nasceu Anga, contudo para que seu fruto nascesse ela teve que partir para o mundo dos mortos. Icaã se tornou pajé da tribo e Anga passou a carregar a culpa da morte da mãe.

  Mais moço, Anga passa pelo ritual que o tornaria um homem, a tucandeira, e a partir disso ele  acreditava que os Suanam começariam a vê-lo como um homem, um verdadeiro guerreiro, porém o que todos enxergavam era a pessoa responsável por tirar a vida de Caraúna. Para piorar a situação, ele não tinha tomado nenhuma mulher como esposa e a mulher que ele sonhará em desposar, Noêmia, não sentia o mesmo por ele. Carregava um fardo que não era sua culpa, era visto como um curumim, não noivou, não era um bom feiticeiro como o pai, nunca provou que era bom em caça e por esses motivos, era excluído pela tribo, tendo como amigo apenas Naíma, irmão gêmeo de Noêmia.

   A história segue e um clímax intenso surge, há uma pessoa tentando tirar a vida do nosso protagonista, e uma profecia com seu nome é descoberta. Ele e seu pai/pajé tentam achar o responsável e passam a desconfiar de Maria Bicho, Maria Fogo, inimiga de sua falecida mãe, que habita a floresta baixa. Ao desafiar a entidade, ele desafia os perigos existentes na Floresta Baixa e passa a correr um grande risco.



    A Rainha de Maio foi uma leitura super agradável, uma fantasia rica em detalhes e situações de tirar o fôlego. Anga é um personagem que está sempre tentando provar sua capacidade como homem e filho de Caraúna, mas seu nascimento não tinha sido em vão, ele tinha um papel a cumprir naquela tribo. Esse livro é uma verdadeira aventura pelos segredos que escondem a Floresta Baixa e o que isso interfere na vida de Anga e da tribo. Qual o seu dever a ser cumprido? Quem está por trás dos ataques? São respostas que vão surgindo ao longo da história, e posso assegurar também que Anga possui coragem o suficiente para encarar seu destino.

Ele maravilhoso e eu com carinha de sono ❤

  Jan Santos foi mais um dos presentinhos da Bienal do Livro 2016, e tive o prazer de conhecer e estar em sua companhia durante os três em estive em São Paulo. Uma amizade que essa minha vida louca de leitora e blogueira pode me proporcionar. Contudo, digo com toda a verdade que minha amizade com o autor não influência de maneira alguma em meus julgamentos em relação ao livro e afirmo que essa obra foi uma surpresa e super prazeroso de se ler. Com essa história bem construída, eu pude vivenciar todas as tribulações e sentimentos do personagem, por isso A Rainha de Maio cumpre com maestria o papel de um bom livro. 

  Espero que tenham gostado e convido vocês a se aventurarem por história.

Um grande beijo e boa livroterapia!

Nenhum comentário

Postar um comentário