Resenha: Escola de Vilões - Jen Calonita


Autor: Jen Calonita
Páginas: 192
Ano: 2015
Editora: Única
Gênero: Fantasia, Ficção
Adicione: Skoob
Onde Comprar: AmazonAmericanas, Submarino
Nota:  
Livro cedido pela Editora para Resenha
Sinopse: Será que um vilão pode se recuperar? Gilly não se considera exatamente uma garota má... Porém, quando se tem cinco irmãos e irmãs mais novos, é preciso ser criativo para ajudar nas despesas. Ela é uma ladra muito boa, e disso tem certeza e pode se gabar. Até ser pega. Depois de roubar uma presilha, é sentenciada a passar três meses no Reformatório de Contos de Fadas – no qual os professores são aqueles antigos vilões que já conhecemos, como o grande Lobo Mau e a malvada Madrasta da Cinderela. Quando, porém, ela faz amizade com alguns estudantes, como Jax e Kayla, aprende que esse reformatório vai muito além de sua missão heroica. Há uma batalha ganhando forma e Gilly precisa descobrir: os vilões podem realmente mudar? Descubra o Lado B dos contos de fadas.
Resenha:
"Não é fácil deixar que o mundo veja o monstro que você foi e torcer para que nunca mais seja visto."
Extremamente cativante, abundantemente espirituoso, maravilhosamente encantador que carrega em sua essência fortes traços de magia, Escola de Vilões é um livro surpreendente.


Essa obra é o primeiro livro da série que possui o mesmo nome do título e tem como autora Jen Calonita. Confesso que fui fisgada pela capa que parece ter vida própria e aparenta contar trechos da história ao leitor mais atento, tal a perfeição de detalhes que ela carrega.

Mesmo sendo um livro juvenil, a história é bem talhada e incomum. Aqui os personagens são os temidos vilões dos contos de fadas que parecem estar recuperados de suas atrocidades e magnificamente inseridos na sociedade.


Gilly, nossa protagonista e heroína de apenas 12 anos é adorável. Muito esperta atrevida e engenhosa é enviada para o Reformatório do Conto de Fadas (RCF) que tem como principal atribuição “transformar delinquentes malvados e ex-vilões em futuros heróis”. Ela é filha do sapateiro e sua família passa por dificuldades desde que os sapatinhos de cristais são feitos num piscar de olhos pelas fadas madrinhas e o serviço do seu pai tornou-se desnecessário. Para ajudar com as despesas da casa ela começa a realizar pequenos furtos e enxerga como natural seus atos, pois em sua cabeça ela só está ajudando seus irmãos a não passar fome.

Agora adivinhem vocês quem criou o tal reformatório? Flora! Não se lembram dela? Uma pequena pista: a madrasta má da Cinderela, aquela que fazia a gata borralheira lavar, passar, costurar e cozinhar para ela e suas filhas egoístas... Assustados? Pois é, totalmente arrependida de seus bizarros atos ela criou um projeto bem diferente para os fora da lei com a intenção de transformá-los em seres do bem, em heróis.
"Graças aos nossos ensinamentos, o crime chegou aos índices mais baixos de todos os tempos”, diz Flora, orgulhosa. Desde sua inauguração, o RCF já acolheu em seus dormitórios mais de cem gnomos, trolls, duendes, elfos e outros alunos de contos de fadas, desde a sexta série até o último ano do Ensino Médio, em seu campus na periferia de Encantadópolis, perto da Floresta Profunda."
Os professores são um atrativo a parte, são nada mais nada menos que os antigos vilões que todos nos conhecemos. A psicóloga da escola é a professora Harlow, a ex-Rainha Má. O ilustre professor de História é o senhor Xavier Lobo, antes conhecido como o devorador de vovozinhas inocentes. Temos também a Madame Cleo, antes a Bruxa do Mar que agora é uma das professoras mais queridas do RCF, entre outros professores bem pitorescos.

Foi bem espirituoso a ideia de transformar o mal em bem, o que acabou originando uma história intrigante. Não é nada fácil reprogramar sua mente e enxergar com bons olhos personagens que te amedrontaram na infância.


Dessa maneira vamos nos enveredar por Encantadópolis e tentar desvendar junto com Gilly e seus amigos o grande mistério que está deixando todos em polvorosa no Reformatório do Conto de Fadas. Embora a história seja cheia de reviravoltas, o final foi o único ponto negativo que encontrei. O clímax foi um pouco maçante em relação a toda ambientação criada. Acredito que por ser um livro de série talvez a autora tenha deixado mais emoções para os demais livros da série.

Mas garanto que a junção fascinante de ogros, gnomos, trolls, duendes, elfos, anões, fadas, seres mágicos e anti-heróis nesse conto de fadas as avessas trará ensinamentos inigualáveis sobre perdão, recomeço e o valor da amizade.

"Poder verdadeiro é aprender a colocar os outros em primeiro lugar e não julgar um livro pela capa, por assim dizer."

Nenhum comentário

Postar um comentário