Resenha: Filho das Sombras (Trilogia Sevenwaters - 2) - Juliet Marillier

Autor: Juliet Murillier 
Páginas: 615
Ano: 2013
Editora: Butterfly
Gênero: Ficção 
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Livraria Cultura, Saraiva
Livro Cedido pela Editora para Resenha
Nota: 
Sinopse: Filho das Sombras narra a história da jovem Liadan, que, tal como a sua mãe, Sorcha, herdou a habilidade de falar com os espíritos da floresta, os quais lhe segredam que ela deve permanecer, para sempre, em Sevenwaters, se quiser que as ilhas Sagradas sejam retomadas dos bretões.
A Irlanda está numa avassaladora guerra, onde um misterioso homem é temido e reconhecido
como um mercenário feroz. E, assim como sua mãe no passado, ela acaba por ser capturada e sente-se cada vez mais atraída pelo ser das sombras, apesar de saber da maldição da profecia que Seres da Floresta lhe preveniram...
Resenha: O livro conta a história de Liadan, a filha caçula de Sorcha, heroína do primeiro livro (resenha aqui). Ela é a cópia da mãe. Adora a Floresta de Sevenwaters, tem dons que vão da manipulação das ervas até visões de passado, presente e futuro. Sua maior prioridade é a família e é capaz de tudo para mantê-los em segurança e unidos.

A história se inicia dando-nos uma ideia de como foi que se desenrolou o futuro de Sorcha. Ela teve três filhos com Hugh de Harrowfilds (Red), cada um com uma característica diferente, assim como foi com ela e seus sete irmãos. Niamh a mais velha, e Sean que é gêmeo com Liadan. A primeira é uma moça muito linda cheia de pretendentes e com um futuro brilhante garantido, Sean é a cópia do tio Liam, agora senhor de Sevenwaters, e Liadan, baixinha, quieta, e que vive para suas ervas medicinais. É claro que Juliet Marillier não deixa o obvio acontecer né? Hahaha!
"[...] Podemos ter uma vida curta neste mundo, como os Seres da Floresta afirmam. Podemos ter muitas limitações. Mas dentro de nossos limites temos o poder de mudar as coisas, de fazer escolhas e de ir onde precisamos ir [...]"
Sevenwaters do nada vai perdendo seus herdeiros um a um, e os que restam vão se separando aos poucos. E uma decisão equivocada de seus líderes fazem os três irmãos seguirem por caminhos nada convencionais. E é essa decisão que faz Liadan sair da Floresta e sem querer cruzar no caminho de um guerreiro todo pintado, que mata por dinheiro e segue regras totalmente diferentes das que o povo de Erin estão acostumados a seguir. Ele é o líder dos fiannas, mercenários desonestos que usam instrumentos estranhos para matar (é claro que no decorrer da história vemos que não são exatamente como dizem os boatos). O período que ela passa com esses homens não é fácil, eles a sequestraram porque ouviram dizer que ela é uma ótima curandeira, e como estão com um dos seus ferido, não hesitam em sequestrá-la a fim de curar seu camarada.

 
Esse tempo que ela passou com os fiannas serviu para que descobrisse que não era a garota fraca e sonsa que todos achavam fosse. Ela se mostrou uma excelente mestra na arte de manipular as ervas curadoras, e também uma ótima contadora de histórias. Acabou conquistando o respeito de todos os homens do acampamento e do Chefe deles, ela conquistou o coração. Os dois se apaixonaram e o impensável aconteceu, ela acabou engravidando (Pasmem!). Eles tinham tudo para ficarem juntos, porem quando Liadan revela que é de Sevenwaters ele a expulsa do acampamento e a manda embora, sem explicação nenhuma. Nessa hora me deu um nervoso :x(me lembrei das novelas mexicanas).








A história é cheia de segredos, há segredos em Sevenwaters entre a família de Liadan, há segredos entre os mercenários, e há segredos entre os aliados do povo da Floresta. Isso deixa a trama mais interessante, confesso que adoro tudo isso. Mas infelizmente um dos aliados tem interesses bem diferentes dos demais. Ele quer poder, veneração e quer Liadan como sua esposa, ou melhor, como sua propriedade. E ele faz a história ter algumas baixas de pessoas :’( São perdas muito tristes, chorei horrores). E ele faz a nossa mocinha passar por poucas e boas. Mas ela é forte e corajosa, não se deixa vencer tão fácil. E o mais importante, ela é uma grande estrategista. E no final mudou o rumo da história. Não seguiu ordens, não baixou a cabeça aos seres da Floresta, e lutou feito uma leoa por sua terra, sua família e seu amor.

Gente o que essa garota faz no final para salvar a vida do seu amado é incrível. Usou seus poderes de uma forma que só os mais treinados poderiam usar. Foi forte e perspicaz, enfrentou forças ocultas e levou luz onde seria impossível.

Amei a história, esse livro com certeza entrará para as minhas melhores leituras do ano. Essa autora não se prende só nos personagens principais. Há outras historias dentro da historia. E no final tudo se encaixa perfeitamente. É como se ela criasse um grande emaranhado de fios e aos poucos fosse os desenrolando e encaixando em locais apropriados. Eu ri, xinguei, quebrei a cabeça, chorei(muito) e me maravilhei com esse livro. Assim como o primeiro o final é surpreendente, algo que você torce que aconteça, mas acha que não vai dar certo, acaba dando realmente certo, a mulher é boa viu!
Minha única reclamação são os pequenos erros de digitação que tem no decorrer do texto. O resto é só elogio. Os símbolos, as páginas amarelas e customizadas com desenhos celtas e penas de ganso; e a linguagem, nossa gente adoro quando um autor cria nomes e povos, animais e criaturas peculiares só para enriquecer a trama. Só digo uma coisa: perfeito! Já vou começar a ler o terceiro, por que a curiosidade é demais. Quero ver como se desenrola uma coisa que acontece no finalzinho do livro ;)

Nenhum comentário

Postar um comentário