Mãos Secas com Apenas Duas Folhas - Paula Febbe

4 de novembro de 2019


Título: Mãos Secas com Apenas Duas Folhas
Autor: Paula Febbe
Páginas:105
Ano: 2018
Editora: Monomito
Gênero: Literatura Brasileira, Terror
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Loja Monomito
Nota:    
Sinopse: Sala de espera de hospital. As senhas são as únicas coisas vivas de verdade ali. O aposentado Carlos Almeida espera sua vez.

Ele precisa manter a bunda na cadeira, seu pensamento não. E enquanto espera ser chamado, enquanto lava as mãos e seca com mais de duas folhas, enquanto vê um homem morrer, Carlos Almeida pensa, e muito.

Pensa em jovens estudantes ao seu lado em camas de motéis, na trágica morte da esposa, no neto que parou de falar, em sua juventude, na vizinha que desapareceu. Pensa nas mentiras que nos contam, nas mentiras que representamos e na mentira que ele é.

Nesta obra, a autora Paula Febbe conta uma história feia, sobre um mundo feio onde o mal se esconde por trás da face menos suspeita. “Mãos secas com apenas duas folhas” traz um enredo que envolve pedofilia e misoginia e anormalidade, onde a farsa é a protagonista.

Este livro foi cedido pela autora, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora ou da escritora. 

Resenha: Não tenho como iniciar essa resenha sem antes falar um pouco da autora, a quem tive a honra de conhecer pessoalmente e poder ter no meu círculo de amizades.

Paula é cantora, compositora, psicanalista e escritora; hoje tem uma coluna semanal no site da Ana Maria Braga falando sobre assuntos diversos, sob a ótica da psicanálise. Tem também um canal no Youtube onde, junto com Claudia Lemes, fala sobre alguns serial killers da história de forma contundente e com base em estudos da personalidade e da história de cada um.

Sobre o livro... não se enganem com o número pequeno de páginas, é um livraço!!!! Paula trata de um assunto que me incomoda muito (pedofilia) mas de uma forma que, embora incomode muito, se torna reflexivo e não ofensivo. Reflexivo no sentido de percebermos como somos incapazes de identificar essas pessoas numa sociedade comum, de como eles não tem um rosto estereotipado ou um tipo físico marcante... pelo contrário, ele pode ser seu vizinho, seu amigo, um amigo da família e até mesmo aquele familiar em quem você confia. Reflexivo no sentido de nos alertar para pequenos sinais que possamos visualizar em nossas crianças e que ajudem a identificar essas pessoas pois muitas vezes nossos pequenos são ameaçados para que não conversem com ninguém sobre o que acontece com eles.


Temos alguns livros que abordam esse assunto (não citarei nomes nem autores mas uma breve pesquisa no Google mostrará obras clássicas e contemporâneas sobre isso) mas na maioria eles são exagerados, perdem o sentido no momento em que romantizam a situação ou mesmo que exageram em suas descrições.

Paula não... Paula toca no nosso mais profundo da psique sem, em momento algum, ser exagerada, ser repetitiva ou ficar martelando o assunto de forma explícita. Nós sabemos que os pedófilos são pessoas horrendas e em momento algum ela tenta tirar isso do personagem. Apesar de ser um homem aparentemente inofensivo, confiável e tranquilo, em todo momento na leitura é clara a maldade que existe nele. Paula não tenta justificar ou romantizar nada daquilo que o personagem faz, pelo contrário, ela deixa claro que ele não merece nenhum tipo de empatia ou de tentativa de entendimento.

O livro é todo narrado por Carlos Almeida, um aposentado sentado em uma sala de espera de um hospital, enquanto aguarda uma consulta. Naquele tempo em que ele está ali, esperando, ele revive uma série de fatos na sua história e em como a mentira e a farsa são cúmplices da maldade humana.
Propositalmente eu não citei nenhuma passagem do livro pq elas tem que ser vividas durante a leitura. Não tenham medo de ler, é uma obra esclarecedora e, na minha humilde concepção, essencial para todos nós, para que tenhamos uma visão real e clara sobre como pensam e como vivem (repetindo, ao nosso redor, de forma natural) essas pessoas abomináveis.

"Tão impossível quanto secar as mãos com apenas duas folhas é passar incólume por essa obra. O livro vai gerar muitas emoções conflitantes nos leitores, porque a experiência da leitura não é pra ser agradável, ele quer incomodar." Clarissa Wolff, Colunista de Literatura da Revista Carta Capital.

10 comentários

  1. Mesmo não conhecendo ainda o trabalho da autora, não há como negar que suas letras são super elogiadas no meio literário, talvez por algo simples que você tenha citado acima: ela não enrola no enredo. Vai lá, escreve e pronto. Nos jogou na torrente dos acontecimentos!
    Amo e respeito pra caramba nossa literatura nacional e este livro é um exemplo disso. Temas tão pesados, abordados de uma maneira quase poética e narrado e "visto" por um senhorzinho!
    Adorei e com certeza, vai para a lista dos mais desejados!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    O livro é muito interessante, a forma de aborda o tema bastante delicado é ótimo. Fiquei um tanto curiosa e ao mesmo tempo receosa por ler, já que é um tema que não gosto muito e difícil de tentar fala sobre o assunto. Espero que em algum momento eu consiga!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  3. Olá Fabíola!
    Acredito que a formação da autora foi essencial para que o tom assumido pela obra não ficasse carregado com apelação, fato que a torna bastante agradável de acompanhar, pois o incômodo pelo tema até é presente, porém Febbe contorna isso com todo o aspecto reflexivo presente na obra.
    Infelizmente, nossos pensamentos tem poder, e não podemos saber o que se passa na mente das pessoas, que densenvolvem o mal primeiramente dentro de si mesmas. E é exatamente com esse pressuposto que Paula vai construindo sua narrativa, não podendo ser mais clara.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabi,
    Achei muito legal a autora abordar esse tema, acho que é algo que precisa ser dito e precisa ser identificado. Já vi alguns livros clássicos sobre esse tema romantizando e não tocando no ponto em si do que realmente importa, isso me incomoda e me desanima ao ler sobre o tema. Muito complicado, né?! Não era pra ser tido nem como um "relacionamento nada convencional", como é abordado por muitos autores.
    Ótima resenha,
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  5. Fabíola!
    Realmente é um tema bem delicado e sendo abordado por uma terapeuta que aborda o assunto de uma forma sem ser exagerada e com cuidado, deve ser uma leitura engrandecedora.
    E que bom que teve a oportunidade de conhecê-la, vez por outra acompanho as matérias dela no site da Ana Maria, ela é muito boa mesmo.
    Fiquei bem interessada.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  6. Oi Fabíola,
    Pedofilia também é um tema que me incomoda muito, por isso quase nunca leio nada a respeito. O que talvez não seja o ideal, pois não dá para viver dando as costas para algo real e que talvez até venha a ocorrer perto de mim. Acho que o grande problema de quem escreve sobre o tema é justamente tentar justificar as ações dos personagens através de um trauma ou incompreensão por parte da sociedade, por exemplo. Pelo o que você menciona a autora não faz uso disso, ela simplesmente mostra algo real e sem justificativas. É um livro curto, mas importante e sem uma recomendação, talvez, eu nem fosse conhecer o trabalho da autora.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Nossa deu para perceber que essa será uma leitura bem intensa, nunca é fácil falar de um tema tão forte, triste e que trás tanta revolta, trabalho em uma escola e acabo testemunhando alguns relatos de embrulhar qualquer estômago. Não conhecia a autora e seu trabalho, mas fiquei bem curiosa em qual será o desfecho desse livro

    ResponderExcluir
  8. Oi, Fabíola
    Olha eu não conhecia o livro,nem a autora, mas estou bem impactada!
    Pela sua resenha deu pra ver que é um livro chocante, bem escrita e que nos toca e nos faz ser outra pessoa após essa leitura.
    Pedofilia apesar de ser algo tão tenebroso e triste precisa ser mais discutido, precisamos ficar mais atentos e cuidar mais das crianças.
    Quero muito!
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oiii ❤ Nossa, que título curioso! Gostei que ele faz o leitor ficar imaginando sobre o que o livro é.
    Gostei que a autora aborda a pedofilia, nunca li um livro que trouxesse reflexões sobre esse tema, que é bem incômodo mesmo, mas que precisa ser abordado.
    Que obra importante! Identificar sinais de abuso nas crianças é muito necessário para podermos saber pelo que estão passando e ajudá-las.
    Realmente, é bem difícil identificar um pedofilo, pode ser qualquer pessoa ao nosso redor.
    Não acho legal romantizar um tema assim e descrições demais podem incomodar o leitor, então é bom saber que esse não é o caso dessa obra.
    Gostaria muito de ler esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  10. Olá! ♡ Ainda não conhecia esse livro, mas quero fazer sua leitura. Achei muito importante que a autora soube trabalhar o tema com responsabilidade, sem romantizar ou explicitar o mesmo.
    O alerta que a autora faz é de extrema importância, precisamos redobrar a atenção com as nossas crianças.
    Se tiver a oportunidade, com certeza lerei.
    Beijos!

    ResponderExcluir