O Jogador - Fiodór Dostoiévski

13 de junho de 2019

Título: O Jogador
Autor: Fiodór Dostoiévski
Páginas: 216
Ano: 2017
Editora: Penguin Companhia
Gênero: Literatura Russa
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:  
Sinopse: Impressionante retrato psicológico do vício destrutivo do jogo, compulsão que o próprio Dostoiévski conhecia intimamente, O jogador retrata com perfeição a busca incessante por uma lógica que norteie o acaso e a necessidade de controle que acometem todo jogador inveterado.
Numa estação de águas na sugestiva cidade alemã de Roletemburgo, Aleksei Ivánovitch, jovem professor de origens humildes, vivencia a emoção do jogo e o infortúnio amoroso enquanto tenta entender as confabulações que definirão o seu destino e o de seus próximos. Num ambiente em que fortunas se dilapidam e o futuro se decide ao sabor da sorte, a tentação do risco e a necessidade imperiosa de experimentar o abismo são o motor deste que continua sendo um dos romances mais perturbadores que o século XIX viu nascer.

Este livro foi cedido pela Companhia das Letras, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora. 

"Ele tenta, mas a a cada vez eu lhe respondo com um olhar tão fixo, tão calmo, que ele perde imediatamente a pose."

Resenha: Provavelmente esse deve ser o segundo ou terceiro livro lido do Dostoievski e a cada livro que leio fico mais instigada a conhecer mais sobre literatura russa. A escrita é bem diferente dos livros de literatura americana, onde tudo fica bem fechado, bem com um começo, meio e fim e fecha a história na maioria das vezes, nesse livro isso não acontece. Digamos que fica para divagar sobre o que aconteceu com a personagem principal.

"Ele tenta, mas a cada vez eu lhes respondo com um olhar tão fixo, tão calmo, que ele perde imediatamente a pose."

 Nessa ficção russa conhecemos um personagem caricato, Aleksei Ivánovitch, que é de professor,  e acaba ficando viciado em jogos de azar digamos assim, ou para ser exata ele fica jogando compulsivamente na roleta. O que era para ser um jogo acaba de muitas formas o viciando e acabando com ele de uma forma avassaladora.

"Acontece que, para perder dinheiro, é preciso tê-lo."

"Não estou longe de crer que este pretenso jogo esconde furtos comuns que são cometidos em volta da mesa."

Entretanto o livro é ambientado na Alemanha onde tem a tal roleta russa. Há personagens russos, ingleses, franceses e nenhum alemão pelo que li. Viver para eles na Alemanha é muito diferente e o clima é extremamente diverso. Bem como nessa passagem:

 ".... Quem dera eu já estivesse lá na nossa Moscou! o que é que falta? Tem jardim, flores como não tem aqui, perfume, macieiras carregadas, vastidão...,mas não: tinha de ir para o estrangeiro!"

Por fim, o livro retrata como o vício no jogo pode acabar com seu dinheiro, com sua vida, sua personalidade, amigos e te deixar só e sem conseguir fazer nada além de jogar e se devastar cada vez mais, além disso há muitas personagens com relevância e que dão mais vida às histórias traçadas.


2 comentários

  1. É bem interessante como um jeito de escrever e os clássicos de cada lugar podem ser diferentes né? Gostei do que disse sobre ele deixar as coisas pra imaginação do leitor. Gosto de uns livros assim, ainda mais se faz a gente pensar. E isso do jogo na história e as consequências parecem deixar muito o que pensar. Onde se passa foi interessante também e essa gama de nacionalidades ajudam a formam a ideia dos tempos, sei lá. Me passa essa impressão. Parece muito bom de ler e sou doida pra conhecer uns livros dele.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Nunca li nada desse escritor, apesar de gostar de literatura Russa. Achei bem interessante a premissa, é interessante o livro falar sobre o vício no jogo e as consequências que o mesmo traz, nunca li nada parecido. Espero um dia ter a oportunidade de ler esse livro, já que tenho muita curiosidade em conhecer a escrita desse autor. Obrigada pela indicação! Beijos!

    ResponderExcluir