Luz, Câmera, Ação! Objetos Cortantes

11 de junho de 2019

Diretor ou produtor: Marti Noxon
Ano: 2018
Temporadas: Minissérie
Gênero: Drama, Policial, Suspense.
Elenco: Amy Adams, Patricia Clarkson, Eliza Scalen, Chris Messina, Henry Czerny.
Nota:   
Sinopse: Camille Preaker (Amy Adams) é uma repórter que precisa retornar à sua cidade natal para acompanhar as investigações dos misteriosos assassinatos de duas adolescentes. O retorno a Wind Gap também traz à tona os fantasmas de seu passado, já que Camille será forçada a reencontrar a sua mãe, a hipocondríaca Adora Crellin (Patricia Clarkson), a meia irmã que mal conhece, Amma (Eliza Scanlen), e o padrastro Alan (Henry Czerny). Ao mesmo tempo, ela lida com os distúrbios emocionais, pois acabou de passar uma temporada em uma instituição psiquiátrica.


Resenha:

Gostaria de dividir com vocês minhas impressões de uma das minisséries favoritas do ano de 2108.

Lançada pela HBO, contendo 8 capítulos, ela é baseada no livro homônimo da autora americana Gillian Flynn, que também participa dessa adaptação. Para quem já conhece o trabalho da autora, com o livro e filme de sucesso Garota Exemplar, já pode imaginar que teremos uma história densa e dramática.

Vamos falar um pouco sobre a trama inicial:

A jornalista Camille Preaker volta a sua cidade natal, seguindo uma ordem direta de seu redator chefe, para reportar uma série de assassinatos de garotas adolescentes.

Porém, não volta de feliz. Ela tem passado muitos anos se escondendo dentro de garrafas de vodcas e e sua mente não se encontra equilibrada para que possa encarar essa tarefa sem chegar bem perto de um precipício emocional.

Ela bebe demais, tem tendências suicidas e é constantemente assombrada pelo passado . Mas, é também é um personagem extremamente humano e corajosa. 

Ao se deparar com os horrores do caso que deveria investigar para uma reportagem, ela não simplesmente, anda em volta das pessoas em busca de um furo jornalistico. 
Ela se envolve com a jornada em busca de justiça para as duas meninas mortas, só que ao contrário, das pessoas de sua cidade, ela não deixa que preconceitos prejudiquem sua visão imparcial.

Com isso, ela é uma das poucas pessoas que desconfia dos principais suspeitos investigados, imaginando que exista muito mais por trás do que está ocorrendo.

Apesar da trama girar em torno da investigação de crimes, em sua verdade é uma trama que gira em torno de dramas familiares e relacionamentos corrosivos.

Camille ao retornar a cidade, também volta a morar temporariamente com sua mãe, Adora, que é herdeira de uma tradicional família da cidade, e dona de praticamente metade dela. Seu poder se estende silenciosamente por todos os lugares, e isso fica claro a todo momento.

Adora, é uma mãe peculiar, diferente do que poderíamos normalmente esperar, ela é fria e distante emocionalmente de sua filha mais velha, esse relacionamento tóxico e estranho é um dos motivos que fizeram Camille fugir da cidade assim que se tornou maior de idade e sem pretender voltar, porém, como todo relacionamento entre mãe e filha, ele é muito mais complexo,

Ambas carregam dentro de si uma tragédia em comum, a perda de uma filha e irmã. E isso certamente  marcou Camille profundamente.



Então ao retornar a cidade, ela não somente encontra sua mãe e padrasto, mas também uma meia-irmã com quem nunca teve contato.

Enquanto tenta descobrir se deveria ou não reatar os laços familiares, e se manter em pé apesar de toda bebida que consomem para poder calar suas próprias dores, Camille, ainda está imersa na busca pela verdade e na esperança de descobrir o culpado dos crimes antes que inocentes paguem por ele.

Como uma minissérie da HBO, vocês podem esperar uma qualidade impecável, os episódios tem uma rica ambientação e a fotografia nos permite mergulhar nas sensações de estar vivendo em uma pequena cidade assombrada e cheia de segredos, o trabalho de direção nos leva para uma experiência sombria e tão angustiante quanto a vida de Camille.



Não pude deixar de imaginar que a protagonista interpretada pela excelente Amy Adams, em um dos seus trabalhos mais viscerais, está em sua própria jornada pessoal, enfrentando seus medos e os terrores que a fizeram fugir e se afundar em uma espiral de auto destruição, ela oscila em todos os momentos, nos fazendo imaginar se ela vai conseguir sobreviver ao final daquele dia. Isso em todos os episódios.

Amy esta fenomenal, porém ela não está sozinha, Patricia Clarkson, vivendo sua mãe manipuladora, e Eliza Scanlen, como a sua meia irmã Amna, roubam a cena, Patricia já é uma atriz experiente e seus trabalhos são sempre consistentes e equilibrados, porém, Eliza, foi uma surpresa adorável, um rosto desconhecido do grande público, foi uma decisão acertada dos produtores para Amna, pois ela nos surpreende assim, como Amna, deveria surpreender, ela pode ir de uma interpretação suave de uma menina perdida que precisa ser protegida a uma garota que maliciosamente está disposta a destruir qualquer pessoa que entre no seu caminho.

As três são a alma de Objetos Cortantes, porém todo o elenco está muito bem.

Objetos Cortantes, não é uma minissérie para passatempo, os episódios são densos, e alguns deles tem um ritmo lento e angustiante, a trama é sombria e aborda temas muito difíceis. 

Além, dos possíveis gatilhos emocionais, a cerca de auto mutilação, comportamento de riscos e transtornos mentais, abusos físicos, estupro, relacionamentos abusivos ainda existe toda a sub-trama dos assassinatos brutais.

Sim, meus caros a jornada de Camille não é fácil, é como uma escada para os níveis mais escuros do ser humano, contudo, fica ainda essa indicação de uma história para quem olha para o abismo e espera que ele olhe de volta enquanto desvenda intricadas tramas de segredos em um cidade do interior e enfrenta as tragédias familiares dos personagens.

Ninguém parece ser realmente bom nessa série e isso acaba nos fazendo refletir sobre muitos temas, o principal, para mim foi a nossa noção do que amor, do que aceitamos das pessoas que deviam nos amar e que devíamos amar de volta. 

Me faz lembrar de uma frase do livro em questão:



Não falarei sobre o final, pois é um suspense acima de tudo e com isso vocês já podem esperar algumas reviravoltas.

Vou elencar 5 Motivos que me fizeram ver está minissérie fantástica.

1. Elenco Maravilhoso.
2. Suspense bem elaborado.
3. Curta e Visceral, dá para maratonar sem problemas.
4. Temas que te tiram da sua zona de conforto e lhe fazem refletir.
5. Que final!!!!!

Mais um motivo de bônus: A trilha Sonora é ótima, e eu sou meio viciada em música

 Nota: Prestem atenção na abertura, além de levemente parecer como uma poesia sombria, eu juro que tem algumas pistas nela!


4 comentários

  1. Oi Vivian,
    Objetos Cortantes foi, provavelmente, o primeiro thriller que li e foi o suficiente para me fazer me apaixonar pelo gênero. Então quando fiquei sabendo da série minha empolgação foi imediata e isso unido ao grande elenco escalado era uma aposta certeira. São apenas 8 episódios, mas o suficiente para contar essa história com maestria. Cada um dos episódios é carregado no drama e nas memórias e sentimentos de Camille que teve e ainda tem uma estrutura familiar complicada e diria até insana. Algumas coisas do livro não estão presentes na adaptação e não necessariamente fizeram falta para o entendimento da trama, mas teriam incrementado o roteiro. Recomendo essa série para todos que gostam do gênero e mais para frente vou querer assisti-la de novo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Vivian!
    Eu não conhecia a série e sem dúvida se trata de uma ótima adaptação. Não estou muito acostumada com tramas assim tão realistas e cruelmente reais, mas fica o alerta para ficarmos atentos de que nem tudo são flores na vida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Gostei desse livro quando li, as coisas que ele fala e as surpresas do final foram bem legais. Mas vou dizer que amei mais a série e por causa da Amy sendo essa garota. Foi demais. Perfeita. O time feminino todo deu um show mesmo né!
    Não é lá daquelas series super empolgantes por ter mais esse lado cabeça e um mistério por trás, muita coisa sombria e uns temas fortes, mas ela é bem a cara da autora. Tem uma trama mais baseada nas histórias das pessoas que em grandes surpresas e reviravoltas a toda hora. Gostei de como ficou essa adaptação e é legal que até a abertura vai passando umas coisas que você fica prestando atenção mesmo pra ver se tem pistas e detalhas né? Gostei disso também. É uma boa série.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Já ouvi falar tanto da minissérie quanto do livro, mas nunca havia parado para ver detalhadamente sobre o que ambas falavam. Gostei de saber que mesmo o livro se tratando de investigação, a trama é constituída de dramas familiares e relacionamentos corrosivos. Estou bem curiosa para saber se Camille descobrirá o culpado dos crimes. Espero que a protagonista consiga enfrentar seus medos. Adoro a Amy, ela é uma das minhas atrizes favoritas, estou ansiosa para conferir a atuação dela.
    Beijos!

    ResponderExcluir