O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo

5 de janeiro de 2019



Título: O Corcunda de Notre-Dame
Autor: Victor Hugo
Páginas: 688
Ano: 2018
Editora: Penguin Companhia
Gênero: Ficção Francesa
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota: 
Sinopse: Adaptado inúmeras vezes para as telas e os palcos, este drama medieval de Victor Hugo conta a história da bela Esmeralda, uma cigana adorada por três homens: o arquidiácono Frollo, o corcunda Quasímodo e o capitão Phoebus. Falsamente acusada de tentar matar Phoebus, que quase a violentou, Esmeralda é sentenciada à morte, e salva da forca por Quasímodo, que a defende até o fim.Para além da questão amorosa, descortina-se uma série de tragédias que falam sobre revolução e luta social, sobre amor e perda, sobre destino e livre arbítrio, protagonizadas por personagens que vão desde o rei da França até os mendigos nos esgotos de Paris. E, no centro de tudo, a grande e onipresente Catedral de Notre-Dame.
O volume inclui uma introdução de John Sturrock, que apresenta o livro como uma história de ideias apaixonadas, escrita em defesa da arquitetura gótica e da democracia, demonstrando que um exterior repulsivo pode esconder uma grande beleza moral.



Este livro foi cedido pela Editora Penguin Companhia, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora. 

Resenha: O que dizer desse livro? Lembro-me como se fosse hoje. Eu vendo o filme em desenho de O Corcunda de Notre-Dame ....
  
Esse é o quinto livro da Penguin que leio e é realmente traduzido com primor e vale muito a pena. Muito bem concatenados as frases, os capítulos, tem normalmente uma introdução ou prefácio e notas e afins. É uma edição simples, porém que vale muito apena adquirir.
“Um caolho é bem mais incompleto do que um cego, pois sabe o que lhe falta.”
Considerado por muitos um romance gótico pela Paris sombria pela a aparência na época em 1800 e pouco o livro não leva para um romance de Quasímodo e a bela Esmeralda. Entretanto, o livro não é só isso conhecemos pela narrativa Quasímodo ainda bebê, um bebê abandonado e acolhido por uma boa alma que cuida com muito afeto e lhe dá bons ensinamentos.
“Conservada em sua forma singular, a alma permanece intacta.”  
Ele vive grande parte de sua vida dentro da catedral que dá título a obra: Notre-Dame, a maior e mais conhecida de Paris e que é pano de fundo de nossa personagem, todavia quem protagoniza a história não são as personagens e si, é a catedral. Ele acaba por cuidar e ser o sineiro da igreja/catedral, porém em um belo dia ele vê uma bela cigana e sai para ver mais de perto.

A meu ver Victor Hugo têm encanto nas palavras para nos contar essa história, e que muitas vezes a beleza principal é a que guardamos dentro de si. A beleza exterior é só uma máscara que se desfaz com o tempo, mas o que temos dentro é muito mais valioso.


5 comentários

  1. Olá Raquel,
    Quando li o nome do livro, as lembranças já voaram - também - a minha infância, eu era apaixonada pelo filme, lembro que queria assistir várias e várias vezes. Claro, eu ainda prefiro o romance, até porque é um dos mais sinceros que já vi, mas pela resenha percebo como o livro é poético, e adoro quando "locais" são os verdadeiros protagonistas da história.
    Curiosamente, apesar de amar, eu nunca tive vontade de ler o livro, mas agora é algo que gostaria de fazer, é encantador!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Confesso que ainda não li o livro, apesar de ter amado a adaptação, não tive aquela vontade de ler, sabe, mas depois dessa resenha, acho que vou rever os meus conceitos. É sempre tão especial poder ler uma história tão incrível e que nos faz refletir sobre o que é verdadeiramente importante.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Raquel
    Como é bom lembrar da infância, assisti o filme em desenho várias vezes.
    Ainda não li o livro, mas gostei de saber que a editora teve um carinho com o leitor de colocar notas, prefácio numa edição simples porém muito valiosa.
    Quero muito ler o livro para compreender a obra aliada ao filme.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eu confesso que só conheço essa história através da adaptação da Disney (que por sinal gosto muito), mas tenho muita vontade de ler o livro, principalmente na edição linda da Zahar <3. Eu não sabia que a Catedral de Notre Dame é uma espécie de protagonista da história, e fiquei curioso agora pra saber como foi desenvolvido isso. Amei a resenha e espero conseguir ler em breve.

    ResponderExcluir
  5. O Victor Hugo é incrível! Que cabeça... Amo as histórias dele. Já li Os Miseráveis e amei! Amo a adaptação da Disney do Corcunda de Notre-Dame e tenho certeza que o livro não deixa a desejar em nada!!! O primeiro quote que você colocou me deixou arrepiada e, só de lembrar deste enredo lindo, já quero o livro para ontemmm.

    Adorei a resenha
    bjs

    ResponderExcluir