Interferências - Connie Willis

7 de junho de 2018

Título:  Interferências
Autor: Connie Willis
Páginas: 464
Ano: 2018
Editora: Suma
Gênero: Fantasia, Ficção científica, Humor, Comédia, Literatura Estrangeira, Romance
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon | Americanas | Cultura | Submarino
Nota:  
Sinopse: Combinando humor e romance, Connie Willis, ícone da ficção científica, entrega um livro envolvente sobre os perigos da tecnologia, do excesso nas redes sociais e... do amor. Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda. Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem — a ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia. Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada. Conforme a situação vai saindo do controle, Briddey percebe que nem sempre muita informação é o melhor, e que o amor — e a comunicação — são bem mais complicados do que ela esperava. Mais complicado do que ela esperava.

“Um dos livros de ficção científica mais divertidos dos últimos anos.”— Locus “Um conto de fadas tecnológico extremamente divertido.” — BookPage.

Resenha: Mas que livro apaixonante e diferente! Adorei fazer essa leitura!

Tudo começa quando Briddey Flannigan e seu namorado Trent resolvem fazer um EED, que é um procedimento cirúrgico, segundo as estatísticas, totalmente seguro, que consiste em tornar a empatia do casal mais evidente. Nada de muito misterioso, apenas os casais vão poder sentir o que o companheiro sente.

Então a narrativa começa na manhã seguinte que o casal decidiu marcar a cirurgia e mostrando como todo mundo se mete na vida de todo mundo e acha que pode dar opinião sobre tudo, desde os colegas de trabalho do casal, até os familiares da Briddey que acham que podem ligar para ela a hora que bem entendem, invadir sua casa e até seu escritório! Sério, é demais! Sei que existe gente assim, mas não entendo como é possível que a garota não se irrite com essa falta de privacidade e coloque todo mundo pra correr.

Mas esse é um detalhe que dá graça à história: como todo mundo hoje em dia perdeu a privacidade, seja por parentes intrometidos, telefone celular, redes sociais e agora, implantes no cérebro!

Então, eles estão decididos e vão fazer o EED, independente da opinião dos outros, não se trata de telepatia afinal, isso não existe, só de uma coisa emocional.

Lá na empresa onde o casal trabalha, que é uma empresa de celular oponente da Apple, há um cara muito estranho, com fama de maluco, que trabalha no subsolo. Um lugar frio, que não tem nem sinal de celular. O cara, chamado C.B. é todo recluso, mas escolhe justamente esse momento para se meter na vida de alguém. De quem? Pois é, da Briddey. Ele não quer que a garota faça a cirurgia, mas não dá nenhuma razão para sua reticência...Ela não dá ouvidos, claro, e faz a cirurgia.

Ao acordar, ela deveria começar a sentir as emoções do namorado, mas o que acontece é que ela começa a conversar telepaticamente com C.B. (não é spoiler, é tudo bem no início do livro), e a partir daí sua vida vira de cabeça para baixo, afinal o médico dissera que para a conexão existir ela deveria estar emocionalmente ligada ao parceiro e até então, ela mal conhecia C.B., além de ser completamente  apaixonada pelo Trent, com quem ela não está criando conexão nenhuma.

A partir daí, muita coisa vai acontecer e Briddey vai começar a descobrir coisas que ela jamais imaginava que poderiam existir, vai se surpreender com sua família muito maluca e intrometida e vai conhecer melhor C.B. e o próprio Trent.

Vai ver que mesmo num mundo sem qualquer privacidade, não há como conhecer os pensamento das pessoas, a não ser que se torne telepata, o que, pode piorar tudo muito, muito mais.

Detestei o Trent desde o primeiro buquê de rosas que ele deu à namorada. Sério, esse cara nunca me convenceu de ser o bonzinho que queria mostrar e fiquei torcendo o livro todo pelo C.B., afinal, o cara bagunçado e esquisito tinha uma boa razão para ser tão recluso e quando o conhecemos, percebemos o amor de pessoa que ele é. Ajuda Briddey sem nunca pedir nada em troca, está sempre presente quando ela precisa, tanto física, quanto telepaticamente e aos poucos, eu vi um lindo relacionamento nascer e crescer, só não vou contar que tipo de relacionamento.

Aliás, não vou contar mais nada! Vou deixar por conta da imaginação de vocês! Só posso dizer que foi uma grata surpresa. Um livro gostoso de ler, divertido e muito inteligente. Recomendo muito a leitura!


12 comentários

  1. Oi, Denise.

    Essa junção de ficção científica com humor, foi algo bem balanceado, o tornando mais leve e descontraído.

    A temática é boa, fácil de prender o leitor. Assim como é interessante ver o avanço da tecnologia, mesmo com seus prós e contras.

    A falta de privacidade, muitas vezes, não é gerada apenas através do acesso a algo tecnológico. Há pessoas que sabem ser impertinentes, como a própria família da Briddey.

    De cara, não sei se eu iria me simpatizar com eles.

    Acho que essa, é uma leitura que eu apreciaria!

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, essa terceira resenha essa semana que vejo desse livro e a sua é mais positiva e gostei dela, ainda não decidi se quero ou não ler o livro, mas os pontos que você citou renovaram um pouco a curiosidade sobre ele. E os caras bagunçados e com segredos são sempre os melhores rs.

    ResponderExcluir
  3. Tenho lido muitas coisas controversas sobre este livro e até agora só pude decidir que preciso ler e tirar minhas próprias conclusões!rs
    Essa lance de misturar ficção científica e romance, por si só, já é algo bem inovador e usar de toda esta tecnologia para mostrar ao leitor que sentimento é algo assim, meio que Destino, é uma sacada de Mestre!
    Será que realmente estamos com quem devemos estar? E isso é mesmo destinado a nós?
    O livro está na lista de desejados e espero encontrar respostas.rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi, Denise!! Eu não sei como a personagem não deu um pé na bunda desses enxeridos, até esse cara que nem conhece a personagem fica se metendo na vida dela kakak, acho que isso me incomodaria um pouco, mesmo que você tenha gostado desse c.b.
    Não sou muito acostumada a ler ficção científica e acho que algo assim misturado com comédia é uma boa porta de entrada.

    ResponderExcluir
  5. Olá Denise,
    Quando li a primeira resenha do livro também fiquei imaginando como alguém deixava todos se intrometerem em sua vida assim, e outra coisa, eu não sei porque, mas também não simpatizei com o Trent, achei esse processo todo que eles fizeram bem coisa de quem vive um relacionamento fantasia sabe? Já imaginou isso na vida real?!
    Ficção científica é um gênero que leio pouco, mas estou bem curiosa por esse, principalmente pela elogios a escrita da autora!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Interessante essa união da ficção científica com o humor. Eu tinha decidido não lê-lo por enquanto, por ser algo que não estou acostumada, mas ver que favoritou a obra e o quão diferente é a leitura, me deixa entusiasmada. Deixo uma possibilidade de tentar a lê-lo.

    ResponderExcluir
  7. Olá Denise! Que livro original e inusitado! Essa família maluca me fez lembrar dos livros da Marian Keyes, ninguém merece todo mundo se metendo na vida não é? Eu sempre torço pros personagens "menos favorecidos" da trama, tenho muita empatia por eles. A premissa é muito boa, fiquei com vontade de ler, só espero que essa moda não pegue rs. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá Denise,
    desde de que a editora anunciou o lançamento desse livro eu tenho curiosidade de ler, mas li algumas opiniões diferentes sobre o livro.
    Gostei do fato da autora ter abordado uma questão comum no nosso dia a dia que é o fato de pessoas quererem cuidar da vida alheia.
    Gostei da sua resenha e ela acabou me ajudando a colar o livro de volta no topo de livros que quero ler.
    Espero ter a oportunidade em breve.

    ResponderExcluir
  9. Denise!
    Bom não saber muito de uma história que parece muito boa.
    Achei Interessante ver uma fantasia que insere todo um mundo de tecnologias, ao tempo que faz analogias com os contos de fadas.
    Livro mais que interessante, ainda não conhecia.
    “Sou uma só. (...) Sou um ser. E deixo que você seja. Isso lhe assusta? Creio que sim. Mas vale a pena. Mesmo que doa. Dói só no começo.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  10. Eu imagino que esse livro deve ser uma comédia e tanto. Imagina só fazer um procedimento que lhe garante uma coisa mas no final acontece outra coisa e você acaba se conectando telepaticamente com o outro?! Deve ser hilário!

    ResponderExcluir
  11. Só pela resenha eu acho que nunca li nenhum livro parecido, o que me deixa com muita vontade de ler. Eu fico imaginando quantas coisas acontecem depois desse procedimento que ambos fazem!

    ResponderExcluir
  12. Denise não faz isso volta aqui! kkkk
    Nossa desde que vi esse livro eu tenho interesse pela leitura, o enredo parece trazer assuntos interessantes, espero ler um dia!
    Bjs!

    ResponderExcluir