Luz, Câmera, Ação: O Mínimo para Viver

Diretor ou produtor: Marti Noxon

Ano: 2017
Gênero: Drama
Elenco: Keanu Reeves, Lily Collins,Carrie Preston,Kathryn Prescott
Nota:           

Sinopse: Uma jovem (Lily Collins) está lidando com um problema que afeta muitos jovens no mundo: a anorexia. Sem perspectivas de se livrar da doença e ter uma vida feliz e saudável, a moça passa os dias sem esperança. Porém, quando ela encontra um médico (Keanu Reeves) não convencional que a desafia a enfrentar sua condição e abraçar a vida, tudo pode mudar.


Resenha:

"Não é para ser "magro o bastante", isso não existe. O que vocês querem é uma anestesia para aquilo que não querem sentir."
  Ellen (Lily Collins) é uma adolescente  que além de passar por problemas familiares com pais separados, um pai ausente e uma mãe aparentemente inepta para lidar com o problema da filha, sofre de anorexia.

 Começamos o filme com Ellen internada numa clínica, onde ela atormenta a maioria dos pacientes que estão ali com ela e por isso ela acaba recebendo alta da clínica. 
Embora seus pais sejam separados, ambos construíram famílias, e no momento Ellen vai para a casa do pai onde sua madrasta vai busca-la na clínica.
Ellen sente-se incomodada pelo fato de sua madrasta querer conversar sobre sua situação, mas ela afirma que é vontade de seu pai, que vive ausente trabalhando. 
Ela tem uma meio irmã mais nova, que sempre lhe ajuda mas que sofre por vê-la sofrendo com sua doença.



Susan, sua madrasta, consegue uma consulta com um especialista na área, muito requisitado por seus métodos nada ortodoxos.
Dr. William Beckham (Keanu Reeves) a examina e lhe dá condições para que ela possa ser ajudada, uma delas é que ela tenha vontade de viver, queira ser ajudada.
Ela aceita e vai viver em uma casa aonde existem mais seis pessoas com distúrbios alimentares.



São pessoas com idades diferentes e embora estejam lutando contra a bulimia e anorexia, também buscam superar seus problemas e limitações, entre eles temos: uma  grávida que sofre de anorexia, um ex-bailarino lesionado no joelho, bulímicas nervosas entre outros.




Lá tem algumas regras como: mesmo se você não for comer deve se sentar à mesa nas horas das refeições; os banheiro são trancados;você também escolhe o que  quer comer; E por esses motivos, Ellen escolhe não comer. Mas caso você coma, e chegue a algumas metas estabelecidas, acumula bônus e pode por exemplo: sair da casa para ir ao cinema e outros lugares.


  
 É realmente estranho e de partir o coração o jeito que Ellen vive, cada vez mais se fechando e se afundando em auto comiseração, sendo totalmente alheia a sua volta e aos problemas dos outros.
Embora lá pareça ser "livre", não aceitam pessoas doentes, já que não é hospital, e também são pesados frequentemente pois há um limite mínimo de peso para cada um. E Ellen cada vez mais consegue perder peso, mesmo estando ali.



Ellen até tenta se envolver com Luke, o único rapaz da casa,mas não dá muito certo e muitas outras situações ocorrem durante todo o filme.
Confesso que as cenas em que aparece o corpo da atriz ( que na vida real realmente sofreu anorexia no passado) são bem incômodas e o jeito como todos da família a olham.
Entendo que haja uma polêmica nesse filme, idêntico ao que houve com Os 13 porquês, de que os adolescentes irão se influenciar e mimimi. Mas aplaudo a iniciativa da Netflix de querer conscientizar os jovens e  os pais sobre esses tipos de distúrbios e problemas tão presentes em nossas vidas, e não só na adolescência.
 Uma das coisas que me irritou, foi o titulo do filme ,pois,"O mínimo para se viver" não tem muito  a ver com o filme ou o título original que é "To the bones" algo como Até os ossos em tradução livre,sério, não sei quem traduz esses títulos...enfim.
Podem ver sem medo, eu particularmente achei bem leve a forma como o assunto foi tratado, e a atuação da nossa protagonista foi muito boa como o esperado de Lily Collins.Abaixo deixo o trailer do filme.


                                      

Curiosidade: Você já ouviram uma música de 1997, eu acho, da banda Silverchair? Ana's Song? Não é sobre uma menina chamada Ana, é sobre a anorexia (também conhecida por Ana ) que o cantor sofria por anos. Abaixo deixo essa música, e não ela não está no filme, mas seria uma ótima escolha de trilha sonora.
                                     
                                          


Não deixem de assistir o filme e depois me digam o que acharam, ok?

8 comentários

  1. Oi Karla, tudo bem?
    Já tinha visto o trailer, mas ainda não assisti ao filme. Também li sobre essas críticas ao filme, mas particularmente não acredito que seja um incentivo já que mostra como a protagonista está extremamente magra e não de uma maneira "bonita". Acho que o filme serve de alerta para os pais, que ficam muitas vezes alheios à vida e a alimentação dos filhos. Quero assistir em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi
    Eu também fiquei bem incomodada pela tradução/criação do título do filme. Eu ainda não vi mas esse filme tem dividido opiniões.
    Mas é como diz a minha mãe conscientizar sobre algo nunca é de mais. Principalmente sobre anorexia que é um tema tabu na sociedade no qual privilegia e influência um modelo onde as mulheres para serem consideradas bonitas precisam ser magras. Produzir um filme sobre isso precisa ser estimado e visto. Com certeza vou assistir.

    E essa música maravilhosa ainda não conhecia. Valeu pela dica.

    ResponderExcluir
  3. Oi Karla, ainda não vi mas também achei bem legal a iniciativa da Netflix em produzir um filme sobre esse tema que serve de alerta pra pais e filhos sobre essa doença, que é pouco debatida e divulgada. O Trailer me leva a crer que as atuações estão muito boas e as fotos demonstram a entrega da atriz que eu não sabia já ter passado por isso. Gostei e pretendo assistir ;)

    ResponderExcluir
  4. Olá !
    Ouvi muitos elogios sobre o livro o que só despertou minha ansiedade para assisti-lo..

    Um filme forte e intenso! !
    Vou assistir quando der !
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Olá, adoro filmes que se tratam de assuntos relevantes na sociedade, e esse chama nossa atenção e faz com que conheçamos mais sobre a anorexia, com a excelente atuação de Lily Collins, que realmente entrou no personagem. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Outro dia estava procurando um filme no Netflix e me deparei com esse, mas acabei não assistindo, pois fiquei na dúvida se era bom.
    Adorei a resenha e com certeza assistirei ao filme.

    Obs: estou chocada que a música Ana's song é sobre anorexia! 😱

    ResponderExcluir
  7. Putz! Assisti a esse filme semana passada e foi bem impactante ver essa trajetória da Ellen. Quanto ao filme em si, vejo muitos defeitos, além daquele final aberto que não explicou nada. Esperava mais, confesso.

    ResponderExcluir
  8. Oi Karla,
    Ainda não tinha vista nada sobre esse filme, e apesar de achar uma história impactante, confesso que não é um filme que gostaria de ver. Acho que é uma trama muito impactante e angustiante acompanhar a jornada da Ellen, uma jovem que está lidando com uma doença que infelizmente está afetando cada vez mais pessoas, principalmente devido a constante busca do corpo perfeito.
    Beijos

    ResponderExcluir