Resenha: Não Chegue Tão Perto - Luana Lewis

Autor: Luana Lewis
Páginas: 320
Ano: 2016
Editora: Fábrica 231
Gênero: Ficção
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Americanas, Saraiva, Submarino
Nota:    
Sinopse: Stella Davis é uma bem-sucedida psicóloga que trabalha em uma clínica particular em Londres. Um dia, recebe a incumbência de avaliar o perfil psicológico de um homem que tenta ganhar na Justiça o direito à guarda de sua única filha. A ex-esposa, no entanto, o acusa de maus tratos e crueldade. O cliente não quer cooperar nos testes de avaliação, e Stella passa a temê-lo.
Anos mais tarde, licenciada de seu trabalho, Stella é uma mulher reclusa, pressionada por seu passado, medos e desafios. Um deles é confiar em estranhos, como a jovem Blue, que surge à sua porta com um pedido de ajuda, em uma noite de neve e frio.
Com uma narrativa ágil e envolvente, intercalando diferentes períodos do tempo, Não chegue tão perto é uma leitura assustadora, não devendo nada aos clássicos do gênero.
Resenha: A história é narrada em três tempos e os mesmos são relatados de forma intercalada.

Em um dos tempos, temos como personagem principal a psicóloga Stella Davies. Em sua infância e adolescência, foi vítima de uma série de abusos, o que a levou a querer ajudar pessoas com situações semelhantes a sua. Com esse objetivo em mente, vai trabalhar em numa clínica especializada em avaliações de relações familiares, porém, depois de trabalhar em um caso que não termina bem, acaba por se licenciar e mudar para uma casa nos arredores de Londres.

Em uma noite de nevasca, Stella está sozinha em casa quando a campainha toca, e ao abrir se depara com uma adolescente extremamente bonita, com longos cabelos louros e estonteantes olhos azuis, parada a sua porta. A adolescente pede para entrar e, contra todos os seus receios e medos, e devido às más condições do tempo, Stella acaba cedendo e a deixa entrar.
Ela digitou o código, desligando os sensores de movimento. Pôs a mão esquerda na maçaneta. Havia um ser humano lá fora, sozinho, sofrendo. A mão direita foi ao ferrolho. Abriu a porta.
E então começa uma noite cheia de confusão, e medo, beirando ao terror. A menina diz se chamar Blue e se nega a dizer onde mora ou o nome da mãe. Depois de muita insistência, acaba por confessar que é filha do marido de Stella, Max, um renomado psicólogo. Tal declaração deixa Stella inicialmente espantada e depois com raiva. 

Durante toda a noite, surge a dúvida sobre  essa estranha menina que consegue entrar na casa de Stella. Serão verdades ou delírios o que saem de sua boca?  

Em um segundo plano narrativo, temos o desenrolar de um processo judicial iniciado pelo Sr. Simpson que luta pela a guarda da filha. Stella  é incumbida de realizar a avaliação psicológica dele, apesar de ser relativamente nova na profissão. Precisa determinar se o médico Lawrence Simpson está apto a ter a guarda integral de sua filha, que vive com a mãe alcoólatra, a qual alega que Simpson é violento, chegando a atos de crueldade. Porém, devido ao seu alcoolismo e falta de provas físicas, não se sabe se são reais suas acusações ou apenas delírios de uma mulher desajustada.
Stella repassou mentalmente as informações registradas nos documentos. Algumas alegações da ex-mulher eram apavorantes. Uma imagem em particular sempre voltava à sua mente. Sua ex-mulher descreveu como Simpson havia socado sua barriga quando ela estava com sete meses de gravidez. Mas, novamente, eram alegações de uma dependente química pouco confiável que lutava com unhas e dentes para ter a custódia da única filha.
 Ao longo das entrevistas entre Stella e Simpson,  ambos travam uma batalha silenciosa pelo controle da situação. Stella tenta descobrir a verdade e se depara com uma realidade assustadora, que colocará em risco, sua carreira e integridade física e mental.

Em um terceiro tempo, ocorrem descrições de algumas sessões de terapia entre um psicólogo e  uma garota com sérios  problemas psicológicos, porém sem revelar quem realmente são, mas nos quais podemos entrever que a menina sofre de sérios distúrbios psicológicos, e que começa a apresentar um comportamento obsessivo com relação ao seu terapeuta, tornando-a uma paciente perigosa.

Todos esses fatos são interligados pela amedrontada Stella, prisioneira de si mesma, estando sozinha naquela mansão, com uma menina que diz ser sua enteada, ela sente a sombra do perigo, e vê o passado do qual fugia ir de encontro a sua porta.


Não chegue tão perto é um thriller psicológico cheio de suspense e adrenalina, que me fez querer ler rápido para descobrir logo toda a verdade, e quando esta finalmente chegou me pegou totalmente de surpresa.

Assim como Stella, meus sentimentos em relação à Blue eram controversos, em alguns momentos senti vontade de bater nela, literalmente, em outros senti vontade de protegê-la. 

Já Stella, me passou a mensagem de que nossos medos podem ser reais, porém alguns deles ganham forçar quando abrimos as portas de nossas mentes e os deixamos entrar.

Um comentário