Os 120 Dias de Sodoma - Marquês de Sade

16 de dezembro de 2018

Título: Os 120 Dias de Sodoma
Autor: Marquês de Sade
Páginas: 510
Ano: 2018
Editora: Penguin Companhia
Gênero: Erótico, Filosofia
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Livraria Cultura | Livraria Travessa
Nota: 
Sinopse:
Principal obra de Sade e o mais conhecido e inigualável registro da literatura pornográfica, Os 120 dias de Sodoma ainda hoje desperta o interesse e a perplexidade de quem cruza seu caminho.
Neste romance perturbador, pensado por Sade como sua grande obra, quatro amigos se isolam em um castelo na Floresta Negra para ouvir de quatro alcoviteiras histórias de sua vida nos bordéis e as taras de seus clientes. Para encenarem esta experiência sadomasoquista da qual ninguém sairá imune, os libertinos contam com as esposas, filhas e um séquito de jovens, todos obrigados a se submeter às paixões ali descritas.
Escrito em 1785 durante uma temporada de prisão na Bastilha, este escandaloso relato permaneceria clandestino até 1904, ano de sua primeira publicação. Nem a perseguição de seu autor, nem sua censura sistemática foram suficientes para conter a avassaladora influência que tal catálogo de perversões teve sobre incontáveis leitores ao longo dos dois séculos seguintes, entre eles Roland Barthes, Simone de Beauvoir, Theodor Adorno e Samuel Beckett.
Brilhantemente traduzida por Rosa Freire d’Aguiar, esta edição inclui um posfácio de Eliane Robert Moraes, que levanta uma questão mais do que pertinente: estaríamos nós, enfim, prontos para ler um dos livros mais controversos de todos os tempos?

Este livro foi cedido pela Editora Penguin, Companhia das Letras, porém as opiniões são completamente sinceras. Não sofremos nenhum tipo de intervenção por parte da Editora. 

Resenha:


Uma obra fascinante e repulsiva. Marquês de Sade, como poucos conseguem, atrai seu leitor para os desejos carnais mais sujos que já vi. Não é atoa que seu título de nobreza deu origem ao termo sádico. Este livro em especial foi a sua maior obra escrita durante seu cárcere na Bastilha, a qual lamentava profundamente por ter sido destruída durante a queda. Felizmente seu manuscrito estava apenas esquecido em sua cela em condições aceitáveis para sua publicação.
"E agora, amigo leitor, prepare seu coração e o seu espírito para o relato mais impuro que jamais foi feito desde que o mundo existe, pois livro semelhante não se encontra nem entre os antigos nem entre os modernos."
120 dias de Sodoma narra a história de uma grande festividade de quatro amigos: o presidente (juiz), o duque, o bispo e o banqueiro, pessoas com posição de prestígio e influência na sua sociedade. Ricos e unidos pela sodomia, decidem fazer uma grande comemoração aos seus casamentos arranjados entre eles e as filhas uns dos outros. 

Nessa festa peculiar de 120 dias, foram selecionados oito meninas e oito meninos cuidadosamente de acordo com a perfeição e pureza de seus corpos, oito "fodedores" com membros enormes para os servir aos quatro amigos, quatro grandes prostitutas para serem narradoras e quatro criadas das mais perversas. Tinham o maior objetivo dessa sodomia de perverter os jovens com longas narrativas e dominá-los.  Esse grupo bem peculiar estava isolado em um castelo de onde não poderiam sair.
"Fizeram-me conhecer o vazio e o nada da virtude; odeio-a, e jamais me verão retornar a ela. convenceram-me de que o vício só servia para levar o homem a sentir essa vibração moral e física, fonte das mais deliciosas volúpias; a elas me entrego."
De pedofilia á mutilação, as narradoras são as personagens que ganham um destaque por serem as professoras, passarem suas experiências para os jovens e ensiná-los que há prazeres nas coisas mais fétidas, nojentas e dolorosas. Não é incomum que paremos a leitura para respirar um ar puro ou tentar acalmar o estômago.

Queria destacar algo que me chamou muita atenção que foi a dicotomia entre vilões e heróis na apresentação dos quatro amigos. Ora aparecem como heróis de sua própria história, com sua visão de mundo contada e ora como os vilões que fazem suas maldades por puro prazer. O autor nos deixa muito a pensar sobre quais são os pontos de vista que temos e qual é a moralidade e virtude que defendemos.



Esse livro, o mais famoso do autor, ganhou destaque em diversos estudos e adaptações, como a de Pier Paolo Pasolini para os cinemas com o título de Saló, ou os 120 dias de Sodoma. Nesse filme, o cineasta se utiliza do livro para criticar o fascismo de Mussolini. Somente trocando o banqueiro por um magistrado, os personagens principais foram dialogados com os maiores defensores no fascismo, cujas práticas eram perversas sob uma fachada moralista. 
 "Faça o mesmo aqui: escolha o que quiser e deixe o resto, sem reclamar desse resto só porque não tem o dom de agradar-lhe. Pense que agradará a outros, e seja filósofo."
Pasolini fez uma releitura tão espetacular e espantosa quanto o próprio livro, mantendo do autor os questionamentos morais apresentados aos leitores. Indico esta obra a todos que possuem um estômago resistente e buscam se aventurar em um enredo que muito reflexivo! E se preparem, pois é diferente de tudo já lido!

10 comentários

  1. Nossa, mas parece muito estranho esse livro. Não sei se teria estômago pra ver o que esses amigos fazem não, parece ter muita coisa pesada e difícil de engolir. Só pelo título já esperei algo bem tenso, mas vendo os detalhes já dá vontade de correr dele. Não sei se leria. Tem que ter muito interesse mesmo pra pegar algo do tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que escolhi essa obra por pura curiosidade. Mas é necessário muita coragem mesmo kkkk

      Excluir
  2. Olá! Mas menina, só a resenha já me deixou de estômago embrulhado, definitivamente essa não é uma leitura para mim, pelo menos, neste momento. Realmente é bem diferente, dos livros que eu estou acostumada a ler, só por isso, não o tiro completamente da lista, afinal histórias complexas e com temas tão polêmicos tendem a ser bem interessantes, o jeito é preparar melhor a mente para uma leitura futura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O psicológico preparado é extremamente necessário para esta leitura. Mas o diferente também é muito construtivo, fico feliz que não tenha o retirado de sua lista 😊

      Excluir
  3. Olá, e eu achando que Laranja Mecânica e Lolita eram as obras mais complexamente depravadas da literatura. Confesso que só pela resenha fiquei enojado com a trama, a qual com certeza dificilmente seria lida por mim. É notório, contudo, que a obra traz uma série de reflexões sobre a linha tênue entre o desejo e sadismo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reflexões realmente maravilhosas. Incluindo questões políticas da época, que talvez nem se difere tanto da atualidade.

      Beijos.

      Excluir
  4. Oi, Andressa!!
    O livro com certeza tem um conteúdo bem pesado, que chega a dar um pouco de náuseas pela a história contada em Os 120 Dias de Sodoma. Não sei se teria coragem e estômago forte para digerir tão livro, pois foge totalmente do estilo de leitura que faço no momento. Mas não descarto possibilidade de fazer tão leitura no futuro onde talvez o livro possa despertar algum interesse da minha parte.
    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Olá Andressa!
    A obra carrega uma carga de libertinagem muito grande, extremante impactante. Pelo ano em que foi escrita e fazendo uma rápida recapitulada nas notícias de atrocidades recentes vemos que no quesito imoralidade e crueldade a sociedade não evoluiu nada em 400 anos. É um livro para corajosos, dos quais eu não estou incluída mas que tem o poder de mudar vários conceitos para o leitor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Andressa! Já fiquei enojada só de imaginar o que essas contém; com certeza essa não seria uma história que eu gostaria de ler, provavelmente abandonaria logo, acho esse lado obscuro do ser humano muito difícil de tolerar, algo intragável, imagina ler de forma detalhada... não mesmo, não é pra mim.
    Beijos, Adri
    Espiral de Livros

    ResponderExcluir
  7. Oi Andressa,
    já ouvi muita gente falar bem desse livro, mas achei muitooooo forte e desumano, ai não tenho coragem de ler não.
    Acho que pode ser reflexivo de certa forma, mas não tenho coragem nem estômago pra isso.
    bjs

    ResponderExcluir