Após o Anoitecer - Haruki Murakami

29 de julho de 2018


Título: Após o anoitecer
Autor:Haruki Murakami
Páginas: 208
Ano: 2009
Editora: Alfaguara
Gênero:Romance japonês
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota: 
Sinopse: Mari Asai é uma garota solitária e retraída que abandona a casa dos pais para enfrentar a noite nas ruas de Tóquio. Sua irmã, Eri, modelo de revistas femininas e jovem de sucesso, vive uma situação diferente: dois meses antes, deitou-se para dormir e nunca mais acordou. Enquanto jaz imóvel em sua cama, estranhos eventos acontecem.Com maestria, Murakami mescla a jornada das irmãs às de outros personagens inesquecíveis: Takahashi é um músico jovem que procura um sentido para a vida; Shirakawa, empregado numa empresa de tecnologia, vara as noites trabalhando e esconde uma segunda personalidade, brutal; Kaoru, gerente de um motel, tenta ajudar uma prostituta que foi espancada e, no processo, acaba se envolvendo com a máfia chinesa.


Resenha: 
"Enquanto os ponteiros do relógio avançam em tempo real madrugada adentro, as diferentes histórias narradas por Murakami se entrelaçam, se dividem e se fundem, num misterioso e belo romance sobre as complexas relações do amor."
"Ande devagar; tome muita água"
Esse é meu terceiro livro lido do Murakami e tenho que concordar que ele é complexo em suas alusões e sempre deixa alguns assuntos a critério do leitor. Provavelmente se eu pesquisasse sobre literatura japonesa e a época em que ele escreveu seus livros eu teria uma visão ampla e mais uniforme.

"Creio que há pelo menos duas lições. A primeira é que... - o rapaz levanta um dedo - cada um é diferente do outro, independentemente de serem irmãos, e a segunda coisa é que... - o rapaz levanta mais um dedo - se uma pessoa quer realmente conhecer algo, deve estar ciente do preço a ser pago."

O livro gira em torno de três personagens principais Eri Asai, sua irmã mais nova Mari e Takahashi e outras secundárias, porém essas três personagens têm algo incomum. Não sabem como demostrar afeto e nem amor. Apenas vivem suas vidas sozinhas e seguem em frente onde quer que estejam.

" - A madrugada tem seu ritmo particular de fluir no tempo - explica o barman. Ele risca um fósforo e acende um cigarro. - Não adianta remar contra a maré."

Ele começa com um narrador descrevendo Mari em uma cafeteria e que está só lendo um livro grosso e tal. Todavia nos capítulos seguintes o Takahashi que uma vez saiu com ela, sua irmã e outro cara e Mari não foi nada simpática, foi introspectiva, porém ele tenta de muitas formas conversas com ela e aí vemos como amor tem múltiplas faces. Mari quase não fala nada de si e nem de sua irmã, mas aos poucos ouve e cria uma amizade com Takahashi.

"Entre 'fazer algo bem feito' e 'criar alguma coisa de verdade' existe uma grande diferença."

Nos demais capítulos vemos o desenvolver de Mari, Takahashi e Eri Asai, às vezes com algumas mudanças e outras não. Portanto, a frase que melhor explica e exemplifica esse livro a meu ver é a seguinte:

"A ficção de Murakami nos faz lembrar de que o mundo é enorme, que os mitos são universais e que, enquanto dormimos, o mundo lá fora gira de um modo misterioso e imprevisível."
The San Francisco Chronicle

É uma leitura que eu recomendo muito, estou gostando da escrita do autor, apesar de complexa, é bem interessante!

10 comentários

  1. Oi, Raquel,

    São mágicos os meios utilizados pelo autor na caracterização e particularidade dos personagens.

    Isso, me chamou atenção.

    ResponderExcluir
  2. Olá, é notável que o autor possui um estilo de escrita de exige uma leitura cuidadosa, contudo essas histórias aleatórias que possuem algo em comum na trama despertam a atenção do leitor, sem contar que não é tão comum encontrar obras de autores orientais, e isso torna a experiência ainda melhor. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá Raquel! Pelas resenhas dos livros do autor aqui no blog pude perceber que ele sempre deixa questões em aberto para refletirmos. Achei a história bem interessante pois aborda o fato de que nem todas as pessoas demonstram sentimentos da mesma maneira, e como elas lidam com esses sentimentos. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Raquel,
    Não gostei tanto do que foi apresentado, mesmo o autor tendo uma boa narrativa, e claro, montando uma boa história, a única coisa que me chama a atenção é a ambientação, deve ser bem rico em detalhes reais.
    Os personagens não me conquistam.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Raquel,
    Apenas com a sinopse deu para sentir a complexidade desse livro, com personagens intrigantes e cheios de particularidades. Pelo jeito, a marca do autor é criar uma trama com pontas soltas para cada leitor refletir do seu jeito o desfecho do livro, e confesso que não sei se isso me agrada muito. Quem sabe, se surgir uma oportunidade vou ler algo desse autor para ver o que acha da sua escrita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu acho bacana isso de aventurar por autores que não são assim, tão modinha como tantos.
    Haruki é meio assim, um maioral no mundo literário,mas com um público de leitores selecionados, afinal, por tudo que já li sobre ele, ele gosta de enredos mais trabalhados, bem mais intensos que os ditos normais.
    Leitor seleto, eu diria.rs
    Se tiver oportunidade, quero muito poder conhecer este trabalho dele e entender como os personagens se ligam.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Olá Raquel!
    Tenho ouvido flar mto bem das obras de Murakami, tenho mta vontade de conhecer, parece ter conquistado mtos leitores por aí o que me despertou ainda mais o interesse, espero ler um dia.,
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Olá.
    Infelizmente não gostei do enredo, achei um pouco confuso, talvez por causa de sua natureza complexa.


    ResponderExcluir
  9. Raquel!
    Vejo sempre pelos blogs, resenhas dos livros do autor, mas infelizmente não li ainda e espero poder ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  10. Olá! Realmente só pela sinopse deu para perceber que a história é bem complexa o que a torna ainda mais interessante, ainda não tive nenhum contato com os trabalhos do autor e quem sabe não começo por esse.

    ResponderExcluir