Warcraft - Livro do Filme Oficial - Christie Golden





Título: Warcraft - Livro do Filme Oficial
Autor: Christie Golden
Páginas: 266
Ano: 2016
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia, Ficção Fantasiosa
Skoob
Onde Comprar: Amazon | Mercado Livre | Ponto Frio |Casas Bahia | Submarino | Cia dos Livros | Extra
Nota:            
Sinopse:
A novelização do aguardado filme de ação e fantasia Warcraft.
Há muito Azeroth está em paz. Após expulsar os trolls, com a ajuda de Medivh, Guardião do reino, humanos vivem em paz com os vizinhos elfos e anões. Mas um novo mal desponta no horizonte, e a guerra ameaça engolfar mais uma vez os domínios do justo rei Llane.
Uma raça temerária de invasores, os guerreiros orcs, insuflados pelo feiticeiro Guldan e liderados pelo monstruoso Mão Negra, fogem de seu mundo agonizante em busca de caça e oportunidades. Com a ajuda da vileza, a mais cruel das magias, Guldan criou um portal capaz de transportar sua Horda até Azeroth.
A maré verde, de orcs dominados por esse mal, toma de assalto as terras humanas. Morte e destruição ameaçam destruir a tudo e a todos. Então, de lados opostos, dois heróis surgem, em uma rota de colisão que decidirá o destino de sua família, seu povo e seu lar.
Durotan, o líder honrado do clã Lobo do Gelo, quer apenas uma chance para seu filho recém-nascido. Lothar, o Leão de Azeroth, busca redenção. E assim começa uma espetacular saga sobre poder e sacrifício, na qual a guerra tem muitas facetas e todos lutam por algo.

Resenha:

Se falarmos de algum gosto ou preferência que temos desde os primeiros anos de vida, eu diria com toda certeza que Warcraft foi a primeira história que me foi interessante e que continua sendo a cada expansão do MMORPG World of Warcraft. Aos meus seis anos de idade, meu pai trouxe um CD-ROM de instalação do Warcraft 2, e é engraçado como as lembranças ainda são claras, mesmo tendo se passado vinte anos. "É um jogo de guerreiros lutando contra monstros, filho, você vai gostar", foi o que meu pai disse. Confesso que imaginei um jogo como o jurássico Golden Axe, e também confesso que era mais divertido assistir meu pai jogando do que eu mesmo tentar me aventurar num jogo RTS (real-time strategy) pela primeira vez. Meu pai só jogava as campanhas da Aliança, alegando que "Não tinha graça nenhuma jogar com os monstros, a graça do jogo era jogar com os humanos", o que me faz pensar que ele seja um Ally nato, enquanto seu filho é um fiel seguidor da Horda, admirador principalmente dos Orcs e dos Trolls.


Não entendeu metade dos termos que usei nesse parágrafo? Não precisa se preocupar, no final do texto vou colocar um pequeno glossário. Ah, e ESSE é o Golden Axe, e se você o conhece, eu sei que você só jogava com o velhinho do machado.
O livro se inicia mostrando um Medivh ainda criança, acompanhado pelo Kirin Tor, pronto pra se tornar o Guardião. Após essa breve introdução, passamos para o POV de Durotan, famoso Orc, chefe dos orcs Lobo de Gelo e futuro pai de Thrall. Durotan nos mostra que a vida de sua tribo é escassa, e cada vez mais definha junto com todas as outras tribos de orcs do planeta Dreanor, pois seu solo pouco a pouco se torna infértil, e os animais, escassos. Diante dessa existência árdua, Gul’dan, um enigmático feiticeiro, planeja juntar todos os seus semelhantes num só estandarte e invadir Azeroth através de um portal mágico, com a promessa de terras atraentes, férteis, com humanos prontos para serem ceifados, mantendo vivo o espírito guerreiro dos monstros bárbaros.

Uma figura poderosa juntando todas as tribos de semelhantes num determinado lugar contra um inimigo em comum, à fim de riquezas e uma melhor condição de vida te lembra um certo período da Idade Média? Ah, e eu já te recomendei a série de livros O Conquistador, de Conn Iggulden, que fala do império mongol desde a infância de Genghis Khan até o domínio da Horda Dourada? Não?! Então leia!
Durotan tem uma grande resistência à aceitar o domínio de Gul’dan, pois o mesmo é usuário da Vileza, magia que apenas traz morte e destruição, deixando de lado a espiritualidade xamanística inerente dos orcs. Ele, sua tribo e alguns poucos orcs não se submeteram a Vileza, mantendo suas peles de cor tradicionalmente marrom, enquanto a outra grande parte dos orcs convocados por Gul’dan possuem o toque da magia, tendo sua pele esverdeada e considerável força física adicional. A luta de Durotan será seguir em frente atrás de um novo mundo para viver em paz com sua tribo, tentando se manter puro da magia vil de Gul’dan, e até mesmo questionando se há uma real necessidade de seguir os planos diabólicos do bruxo.

Enquanto isso, em Azeroth, vemos o outro lado da moeda: Anduin Lothar, comandante do exército de Ventobravo, entra numa misteriosa investigação sobre um cadáver ressecado com uma estranha névoa verde que sai pela sua boca. No meio dessa investigação, Lothar encontra Hadggar, um jovem bruxo que deixou o Kirin Tor, fugindo da sua responsabilidade como Guardião sucessor de Medivh. Posteriormente, Lothar também se encontra com Garona, personagem enigmático que mudará o destino dessa guerra pronta para ser travada.


Sim, Hadggar e Khadgar são os mesmos personagens. De acordo com alguns membros do fórum da Blizzard BR, a empresa mudou o nome para evitar uma certa cacofonia... Pois é. 
Se o livro for sua primeira experiência com Warcraft e você já é fã de outros títulos de fantasia medieval, tal como Senhor dos Anéis e Crônicas de Gelo e Fogo, talvez essa não seja a melhor mídia para se iniciar. O livro não é detalhista como os citados anteriormente. Não espere parágrafos detalhando cenários e nem páginas dedicadas somente a contar a história de uma raça ou de um personagem; aqui, o foco será realmente os “heróis” de cada facção, personagens importantes para o desenvolvimento da história que durou mais de duas décadas.

Em contrapartida, se você é um fã de Warcraft, mas nunca conseguiu se aventurar no primeiro jogo, Warcraft: Orc and Humans, para o falecido MS-DOS, esse livro servirá como um ótimo resumo para entender o que aconteceu no jogo que iniciou a franquia.



Falando em Crônicas de Gelo e Fogo, eu parei de ver Game of Thrones quando a história se desvirtuou totalmente do livro. Já falando de Warcraft, o livro é a representação perfeita do filme. Confesso que nunca vi uma mídia ser tão fiel à outra, com alterações que ADICIONAM à história e não a deturpam. Parabéns a todos os envolvidos.
Num contexto geral, o livro é uma boa aquisição para os fãs da franquia. A escrita é bem leve e você conseguirá devorar várias páginas de uma vez. Christie Gold já era conhecida por outros títulos inspirados em jogos da Blizzard, Assassin’s Creed, além de Star Wars e Star Trek, e manteve a qualidade escrevendo sobre o livro do filme.


GLOSSÁRIO

Aliança: Facção de raças de Azeroth, composta inicialmente por humanos, elfos, anões e gnomos. Nas ultimas atualizações de World of Warcraft, a Aliança adicionou mais raças, chegando ao número de sete raças diferentes.

Azeroth: Mundo onde a maior parte da história do livro / jogos acontecem.

Blizzard: Empresa de jogos americana conhecida por títulos como Warcraft, Starcraft, Overwatch, Diablo, Heroes of the Storm, etc.

Guardião: Poderoso mago que, em resumo, tem como dever proteger Azeroth.

Horda: Facção de raças tanto de Draenor quanto de Azeroth, composta inicialmente por orcs, trolls, ogros e gnomos. Nas ultimas atualizações de World of Warcraft, a Horda adicionou mais raças, chegando ao número de sete raças diferentes.

Kirin Tor: Grupo dos mais poderosos magos de Azeroth.

MMORPG: Massively Multiplayer Online RPG, ou em tradução livre, RPG de Multijogadores Massivos Online.

MS-DOS: Sistema operacional utilizado antes do Windows.

RTS: Real Time Strategy, ou em tradução livre, Estratégia em Tempo Real. Warcraft foi um dos primeiros jogos desse gênero. Jogos famosos do gênero: Age of Empires, Empire Earth, Civilization, Company of Heroes, etc.

World of Warcraft: Jogo online criado pela empresa Blizzard, após o sucesso da franquia Warcraft. O jogo, ao contrário dos seus anteriores, foge do estilo RTS, colocando o jogador não como um líder de várias unidades, mas como somente mais uma unidade na Aliança ou na Horda. A história da franquia continuou através desse jogo, adicionando novos acontecimentos à cada expansão.





7 comentários

  1. Falar que eu só tive contato com este universo há pouco tempo quando saiu a adaptação no cinema,você acredita?rs
    Nunca fui fã de jogos e confesso que vivia bem por fora mesmo deste universo.
    Mas quando vi o filme,acabei indo pesquisar um pouco mais até para entender melhor a história e gostei muito do que andei lendo e vendo!
    Espero poder aprender mais e quem sabe, me aventurar nesse mundinho?rs
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Michel!
    O livro deve ser mto bom, se for como o filme, q eu amei, acho que foi um dos melhores que já vi do gênero...
    Espero ter uma oportunidade de lê-lo!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Não conheço muito desse mundo da fantasia da história e acho que ficaria meio perdida ao ler. Achei legal o filme que saiu e se tem até um estilo bem fiel pode ser bacana de ler depois de ver o filme e já estar mais familiarizada. Mas confesso que não é lá muito minha praia =/

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto sobre o assunto. Fico feliz, depois de tantos anos, perceber o quanto o lúdico contribui para a formação do ser humano. A resenha aguça duas vontades: ler o livro e jogar novamente. Quem sabe agora, com mais 20 anos de vida eu não passe a achar os Orcs mais interessantes que os humanos?
    Ah! Você e Helen fazem valer bem o ditado "Filho de peixe, peixe é". Vocês escrevem muito bem. Estou aguardando a resenha do meu livro!

    ResponderExcluir
  5. Confesso que não entendi metade do que você falou. Estou disposta a assistir o filme, mas ler o livro? Acho que precisa de um certo conhecimento sobre a história que me falta.

    ResponderExcluir
  6. O mundo de Warcraft parece ser, de fato, muito interessante - um dia, talvez, eu me aventure nos filmes ou mesmo nos jogos.
    Livros que são adaptados fielmente de filmes são uma franquia que sempre chamou minha atenção, embora eu acredite que são universos diferentes e podem não funcionar muito bem. Duvido que algum dia eu mostre algum interesse pelo livro, pois li o primeiro Assassin's Creed, feito pelo mesmo autor, e não é o tipo fantasia que me agrade (sem detalhes, como você mesmo apontou). Guardarei meu tempo para histórias como Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos :D

    ResponderExcluir
  7. Não gosto de Warcraft, não curto muito livros de fantasia assim.Não me interessou, deixa pra uma próxima!

    ResponderExcluir