Os Meninos que Enganavam Nazistas - Joseph Joffo

2 de março de 2018

Título: Os Meninos que Enganavam Nazistas
Autor: Joseph Joffo
Páginas: 320
Ano: 2017
Editora: Vestígio
Gênero: Biografia
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:                   
Sinopse: Paris, 1941. O país é ocupado pelo exército nazista e o medo invade as casas e as ruas francesas. O poder de Hitler se mostra absoluto e brutal na França… É durante um dos períodos mais turbulentos da História que a emocionante narrativa de Joseph e Maurice se desenrola. Irmãos judeus de 10 e 12 anos de idade, eles perambulam sozinhos pelas estradas, vivendo experiências surpreendentes, tentando escapar da morte e em busca da zona livre para ganhar a liberdade. Essa é uma história real, autobiográfica, cuja espontaneidade, ternura e humor comprovam o triunfo da humanidade e da empatia nos momentos mais sombrios, quando o perigo está sempre à espreita... Os meninos que enganavam nazistas conta a fantástica e emocionante epopeia de duas crianças judias durante a ocupação, narrada por Joseph, o mais jovem.


Resenha:





França, Paris, 1941. Logo após a ocupação nazista a capital francesa, Joseph Joffo e Maurine Joffo, irmãos, com 10 e 12 anos de idade respectivamente, embarcam em uma aventura para fugir da perseguição nazista contra os judeus na Europa.
Preocupados com o bem-estar dos filhos, os pais só tinha uma única opção, mandar os garotos, sozinhos, para fora de Paris em busca de segurança. No entanto, nenhuma região da França era seguro. Por diversas vezes os meninos tiveram que mudar de localidade e confiar em pessoas estranhas e nas suas habilidades para não serem pegos.
"É espantoso o quanto somos capazes de nos habituar a uma situação amedrontadora. O ser humano tem uma faculdade de adaptação que lhe permite superar situações impossíveis."
A narrativa autobiográfica é feita por Josepf e expressa de forma fiel os sentimentos e as dúvidas que qualquer criança teria se tivesse em sua situação. Apesar da pouca idade os irmãos demonstram espontaneidade e inteligência para enganar os militares de Hitler. Durante a narração vemos que os meninos tiveram que amadurecer antes do tempo para sobreviver a um período tão cruel da nossa história já que tiveram que se separar de seus pais e irmãos e enfrentar o desconhecido.
“Foi através das lembranças de quando era um menino de 10 anos que contei minha aventura nos tempos da ocupação nazista da França.”
A primeira publicação do livro se deu em 1973 e de lá pra cá vem comovendo quem o lê. Contado a partir de sua experiência quando criança, em um período que já foi cheio de amor, esperança e bondade, Joseph Joffo traz uma narrativa agradável e muito envolvente. Parece que o leitor está ao lado dos irmãos vivendo esta aventura por vários momentos do relato.

“É bom ficar sempre com um pé atrás: o momento em que acreditamos ter vencido é sempre o mais perigoso.
Há um posfácio no final do livro momento no qual o autor esclarece várias dúvidas sobre os fatos narrados apresentados por seus leitores durante as apresentações e palestras que realizava para apresentar sua obra e contar sua história, nos fazendo compreender melhor as suas atitudes, também deixando o leitor mais emocionado.
O livro teve sua primeira adaptação cinematográfica no ano de 1975 e foi dirigido pelo francês Jacques Doillon. Em 2017 o drama invadiu mais uma vez as telinhas do cinema comandando pelo canadense Christian Duguay.

Para quem gosta da temática de Segunda Guerra Mundial e de histórias de superação, determinação e perseverança não pode deixar de conferir.

13 comentários

  1. Ainda não pude comprar este livro,mas em contrapartida vi a adaptação que saiu ano passado e adorei de paixão!
    Aliás, tudo que vai saindo sobre a Segunda Guerra e esta época negra da nossa história me agrada muito. Apesar da dor que em causa, sempre faço questão de ir lendo e vendo tudo a respeito.
    E ainda quero muito ler a história destes dois irmãos que não só passaram por tudo juntos, mas que mostraram o valor da família.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá Nádya,
    eu não sou muito fã de livros que falam sobre guerra. Eles me deixam pra baixo, especialmente os baseados em histórias reais. É triste saber que algo como é contado no livro tenha realmente acontecido e ainda mais com crianças que na idade dos protagonistas a única preocupação que eles tinham que ter era com lições de casa e provas.
    Não tenho planos de ler o livro e nem de assistir o filme

    ResponderExcluir
  3. Olá Nádya!
    Apesar de uma época tão triste a história é linda e parece bem emocionante, espero ter uma chance de ler um dia e espero que não demore...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Nádya.

    Ao mesmo tempo, em que a família do Joseph e do Maurice tomaram a decisão de se separem e partirem e com a esperança de se reencontrarem, com certeza houve também a indecisão, pois muita coisa poderia acontecer no meio do caminho e eles nunca mais se reencontrar.

    A separação já é algo muito doloroso, em meio a guerra, é mais difícil ainda, porém foi algo preciso. Eu me coloquei no lugar deles e pude sentir pelo menos metade do que eles sentiram tendo que fazer isso.

    Essas histórias reais, tem o poder de nos tocar profundamente, de nos fazer sentir o que eles passaram em busca de sobreviver a cada dia...

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro essa temática e foi um livro que li com gosto. Achei muito interessante por mostrar mais um lado daqueles tempos que nem me passaram pela cabeça. E se alguém consegue fugir? A gente logo pensa em adultos, pais com os filhos, mas nunca imaginei duas crianças sozinhas e obedecendo ao comando dos pais. Já imaginou uma coisa dessas? Você mandar seus filhos sozinhos pra fugir nuns tempos desses? Foi muito interessante, angustiante também por ver como perderam a infância, como tiveram que crescer rápido pra sobreviver, pra se virar, como a inocência deles ainda existia em algumas coisas mas foi perdida em outras. É um livro que não é daqueles que fazem a gente chorar e tal como muitos que já li do gênero, mas faz você torcer por esses meninos e esperar que tudo dê certo. E ver que é uma coisa real, que aquilo aconteceu e imaginar tudo assim é muito forte. Me surpreendeu bastante a historia desses irmãos. Queria ver esse filme também.

    ResponderExcluir
  6. Oi Nádya.
    Adoro livros que se passam na guerra.
    Gosto bastante de narrativas feitas por crianças, seu ponto de vista é único. além disso, adoro histórias autobiográficas. São emocionantes.
    Vou ler o livro e talvez eu veja o filme.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu gosto muito da temática sobre a Segunda Guerra, apesar de geralmente serem leituras difíceis de encarar. Já tinha ouvido falar sobre esse livro, mas não tinha conhecimento de que ele era autobiográfico. Acredito que esse fato faça a carga de emoção subir ainda mais. Devido ao fato de os protagonistas serem crianças, o livro me parece também trazer uma aura de inocência e divertimento, o que acaba por amenizar o relato contundente e forte sobre o período, sem tirar a veracidade ou a validade do depoimento. Achei a proposta bastante interessante, apesar de não ser inovadora.

    ResponderExcluir
  8. Amo livros que se passam no período da segunda guerra, mesmo sendo um período triste ele sempre me encantou.
    Quero muito ler esse livro e depois ver o filme que parece ter um fotografia incrível.
    Fico feliz em saber que é a história do próprio autor pois sabemos que não tem um final tão triste assim.

    ResponderExcluir
  9. Hey,

    Sou apaixonada por tudo relacionado a segunda guerra mundial, então com certeza já iria ler só por se passar lá mas depois dessa resenha quero não só ler ele por isso e sim pela história retratada nele também.

    ResponderExcluir
  10. Olá! Gosto muito desses livros que nos contam um pouco mais dessa época tão triste, esse livro já está na minha listinha e quero muito conferir melhor por tudo que esses irmãos passaram, só a resenha já me fez fazer parte da história, imagina quando ler de fato o livro, tenho certeza que vou me emocionar muito em cada página lida.

    ResponderExcluir
  11. Nádya!
    Gosto muito dos livros ambientados na 2ª guerra e na época do naxismo e achei bem interessante o entrosamento deles e como faziam para se disfarçarem e não serem judeus...Criança é sempre um refrigério em momentos difíceis!
    Gostaria de assistir o filme também, deve ser magnífico.
    Semaninha de luz e paz!!
    “Quando choramos abraçados e caminhamos lado a lado. Por favor amor me acredite, não há palavras para explicar o que eu sinto...” (Renato Russo)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  12. Oi Nádya!
    Sempre me emociono com livros datados na segunda guerra, eu fico imaginando o que aconteceu na vida de muitos e não consigo segurar a emoção.
    Pelo livro ser narrado quando ele ainda era criança me deixa mais com coração na mão. Com certeza é uma leitura com fortes emoções.
    Qualquer dia desses eu leio, eu me preparo pra isso antes auhauha
    Adorei a indicação!
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi Nádya!
    Qualquer história sobre a segunda guerra deixa meu coração apertado. Eu conheci o livro pelo filme e ver que se trata de crianças que tiveram que passar por tudo isso me deixa muito triste.
    O livro já esta na minha lista ha um bom tempo. Pretendo lê-lo e logo depois ver o filme.

    Bjs

    ResponderExcluir