Resenha: O Fim de Todos Nós - Megan Crewe


Autor: Megan Crewe
Páginas: 272
Ano: 2013
Editora: Intrísnseca
Adicione: Skoob

Sinopse: Kaelyn acaba de ver o melhor amigo partir. Ela tem dezesseis anos e voltou agora para a ilha onde nasceu, depois de um período morando no continente; ele está fazendo o caminho inverso, para estudar fora. O que sentem um pelo outro não está muito claro, ela o deixou ir embora sem nem mesmo dizer adeus, e a última coisa que passa por sua cabeça é nunca mais vê-lo. Mas, pouco tempo depois, isso está bem perto de acontecer.
A ilha de Kaelyn foi sitiada e ninguém pode entrar nem sair: um vírus letal e não identificado se espalha entre os habitantes. Jovens, velhos, crianças - ninguém está a salvo, e a lista de óbitos não para de aumentar. Entre os sintomas da doença misteriosa está a perda das inibições sociais. Os infectados agem sem pudor, falam o que vem à mente e não hesitam em contaminar outras pessoas. A quarentena imposta pelo governo dificulta as pesquisas em busca da cura, suprimentos e remédios não chegam em quantidade suficiente e quem ainda não foi infectado precisa lutar por água, energia e alimento.
Nem todos, porém, assistem impassíveis ao colapso da ilha. Kaelyn é uma dessas pessoas. Enquanto o vírus leva seus amigos e familiares, ela insiste em acreditar que haverá uma salvação. Caso contrário, o que será dela e de todos?
Afiado e atordoante, O fim de todos nós é a história da força de vontade e da bravura de uma garota comum forçada a reavaliar seus medos e escolher entre a própria humanidade e a sobrevivência.

Resenha: Eu estava louca por esse livro desde quando o descobri no skoob! Porque? Minha mistura favorita: Pragas, destruições, fim dos tempos (ah, pois é....)
Então o comprei e devorei em dois dias!!!
O livro é basicamente "mais do mesmo". Uma adolescente com uma paixonite pelo amigo que não a vê da maneira que ela gostaria e que namora outra menina....o de sempre!
Kaelyn tem 16 anos e voltou para a ilha onde nasceu, enquanto vê sua"paixonite" partir.
Seu pai é especialista em microbiologia e foi convidado para trabalhar no instituto de pesquisa da ilha e por isso ela, os pais e o irmão acabam voltando para a antiga casa.
A premissa é a mesma que vemos em filmes e livros de zumbi, infecção bacteriológica e afins, com uma pitada a mais de honestidade!!! Sim, honestidade dura, pura e crua! Ocorre que o infectado passa por várias fases e uma delas é que quando no grau adiantado de infecção diz o que vem na cabeça, e que se dane se ofende, se magoa, se é verdade ou imaginação. Os primeiros sintomas da infecção surgem de repente e eles nem imaginam do que se trata, é uma simples coceira, e uma vermelhidão.
'' Tudo tem início com uma coceira insistente. Então vêm a febre e o comichão na garganta. Dias depois você está contando seus segredos mais constrangedores por aí e conversando intimamente com qualquer desconhecido. Mais um pouco e começam as alucinações paranoicas. ENTÃO VOCÊ MORRE.''
Então rapidamente o terror se instaura na ilha e quando a população menos espera está isolada do mundo, ninguém entra ou sai, não há comunicação com o continente e todos ficam por conta própria!
"Só quero que isso acabe. Quero que as lojas reabram e que as pessoas possam conversar sem máscaras cobrindo-lhe os rostos, e que mais ninguém morra, nunca mais."
E é aí que as máscaras caem e as pessoas se mostram, a cidade se divide entre os que ajudam e querem ajudar, entre os que esperam passivamente pela ajuda e os que resolvem vandalizar, porque não dá pra ter um livros de destruição e morte sem os destruidores e assassinos não é mesmo?

A narrativa me surpreendeu no início, é na forma de um diário que  a Kaelyn escreve para o amigo Léo que foi embora e ela imagina que nunca mais verá.
É uma leitura agradável e que fui bem, a protagonista vem na contramão das que vemos por aí. É forte, determinada e altruísta!

Obviamente ela vai perdendo a família e os amigos um a um e isso vai endurecendo-a, e claro que no meio do caminho, ela encontra um príncipe encantado, mas se eu contar sobre, darei spoiler, então só digo: Leiam, recomendo!

Em tempo: O final foi bastante conclusivo, porém deixou espaço para uma continuação e pesquisando aqui e ali descobri que haverá sequência, mas ainda não tem data pra ser publicada no Brasil, o primeiro volume foi publicado anos passado, então penso que antes do ano que vem não teremos a continuação.

Nenhum comentário

Postar um comentário