A Ladra – Irmandade da Adaga Negra, 16 – J. R. Ward

29 de setembro de 2018

Título: A Ladra - Irmandade da Adaga Negra, 16
Autor: J. R. Ward
Páginas: 464
Ano: 2018
Editora: Universo dos Livros
Gênero: Erótico, Ficção
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon
Nota:     
Sinopse: Sola Morte, antiga ladra, desistiu da sua vida pregressa do lado errado da lei. Fugindo de uma família de traficantes de drogas, hoje ela mora longe de Caldwell, mantendo sua amada avó a salvo e permanecendo afastada de encrencas. Seu coração, no entanto, ainda está voltado para o único homem que conseguiu derrubar suas defesas: Assail, que nunca teve a intenção de se apaixonar – com certeza nunca por uma humana. Mas eles não têm futuro, e não só porque ela desconhece o fato de ele ser um vampiro, mas também porque ele não pretende deixar de vender armas para a Irmandade da Adaga Negra. O destino, contudo, tem outros planos para eles. Quando Assail entra em coma e paira à beira da morte, seus primos procuram Sola e imploram que ela lhe dê um motivo para viver. A última coisa que ela deseja é retornar ao passado, mas como ela pode permitir que ele morra?
Resenha:


A Ladra é o décimo sexto romance da série Irmandade da Adaga Negra da autora J. R. Ward. Com um enredo até certo ponto abrangente, muito de suas questões são solucionadas.

Possuo um certo receio em começar séries tão extensas e mesmo tendo lindo apenas os dois primeiros volumes me enveredei por essa obra. Devo confessar que me senti um pouquinho perdida durante a leitura por conta de outras narrativas simultâneas, mas no geral consegui achar a história central provocante e estimulante.

Como já disse, em A Ladra, várias linhas de enredo passam por suas páginas. A história não vai contar apenas o romance entre Assail, um vampiro ex-traficante de armas e drogas e Marissol Carvalho, conhecida como Sola Morte, uma antiga ladra.

Vamos ver Throe e sua luta incessante para derrubar Wrath de seu título de Rei, e o afastamento que estava ocorrendo entre a médica Jane e seu esposo vampirão Vishous Bloodletter.


Reconheço que foi uma péssima ideia pular tantos livros, mas entendi que embora essas três histórias não pareçam ter uma ligação lógica, elas se entrelaçam de maneira singular fazendo com que tivesse uma vontade louca de ler tudo que deixei pra trás pra poder entender melhor toda a dimensão da narrativa.

Enfim, vou falar um pouco da história central desse livro. Assail e Sola já tinham se encontrado em histórias anteriores mas pelo visto o casal não havia conseguido chegar a um entendimento e Sola partiu para segurança dela e de sua avó, a Sra. Carvalho da cidade de Caldwell. Já fazia um ano que elas viviam escondidas em Miami, quando os primos de Assail, Ehric e Evale, aparecem de surpresa, pedindo que ela voltasse para Caldwell porque Assail estava morrendo de câncer, e precisava de um forte motivo para lutar pela vida, e ela era esse motivo!

No entanto esse pretexto era falso. Sola não sabia que Assail era um vampiro e que na verdade ele estava surtado por conta de seu vício exacerbado em cocaína e seu corpo estava dando sinais de colapso e sua mente estava se fragmentando, o tornando um completo psicótico. A Dra. Jane não tinha mais nada a fazer a não ser monitorar seus últimos instantes e pedir por um milagre.
“A mentira escorregou de sua língua tão facilmente quanto a verdade teria sufocado ele. Esta humana não tinha razão para saber que ela havia sido resgatada e depois alojada por um vampiro. E se ele lhe dissesse que Assail estava sofrendo de demência por abstinência de cocaína, isso não só provocaria menos simpatia, como também poderia ter de fornecer algum tipo de explicação, já que os humanos, evidentemente, não respondiam à sobriedade. Câncer foi uma história diferente. Não importa.”
Sola não cede tão fácil e parte apenas por que sua avó a força a retornar. Ela é levada a clínica para vê-lo e realmente passa a acreditar que ele está morrendo por conta de sua aparência debilitada e a falta de cabelo. Quando Assail sente sua presença, os seus sinais vitais voltam e acreditando que o fim do seu amado está próximo ela decide ficar até seus momentos finais.
“Tropeçando para frente, ela pegou seu equilíbrio pouco antes de cair, e então ela simplesmente ficou lá, incapaz de se mover. Se ela não tivesse dito que era ele, ela não teria encontrado uma ...característica ... que era de Assail no paciente deitado, calvo e encolhido, naquela cama. Sua pele era branca como a neve, suas bochechas estavam vazias, seus lábios rachados se separaram enquanto ele mal respirava. Quando Sola percebeu uma pressão em sua própria boca, percebeu que tinha colocado a palma da mão no rosto para manter a reação. Como isso aconteceu? ela pensou. Como ele tinha ido daquele homem saudável e forte ... para isso?”
Assail passa a ser alimentado por uma das Escolhidas e começa a melhorar de maneira milagrosa. Após um certo tempo ele é liberado e volta para casa, onde Sola e sua avó estão hospedadas.
“Sua presença foi o que o puxou de volta até aqui, para este quarto de hospital em que ele havia vigiado seu corpo por quanto tempo? Sua chegada aqui, inesperada, alegre, um milagre, tinha sido uma sirene de ligação que ele havia seguido de volta do nevoeiro nebuloso em que ele estivera transitando.”
O relacionamento entre eles começa a fluir, e mesmo debilitado, o sexo flui de maneira intensa (pausa para um suspiro e uma explicação: cada vez que um vampiro se alimenta de sangue, ele fica subindo pelas paredes e precisa de sua parceira para saciar seus desejos).
“As taças caíram para o lado e ele engasgou quando ele correu a palma da mão pelo centro de seu corpo. Sua boca era um candidato ganancioso enquanto ele dava prazer a ela, sugando suas dicas e entregando-se aos sons que ela fazia, e o gosto dela, e o fato de que aquele cheiro de seu sexo estava fazendo sua cabeça zumbir - em um bom caminho...”
Por outro lado temos a vovó Carvalho. Ela é uma senhora intensa, muito divertida e sua meta de vida é cozinhar e alimentar o maior número de bocas possível. Católica fervorosa faz questão de querer converter Assail a todo custo (imaginem a cena de um vampiro indo à missa, altas horas da noite, por conta de sua suposta alergia a luz solar...).

O único problema dessa família disfuncional? Sola não sabe que Assail é um vampiro e ele não parece nada disposto a contar sua real condição com medo de assustá-la. Ele sabe que sua condição não-humana acarreta em mudanças definitivas, mas quando por fim ele se revela e começa a mostrar suas lindas presas a reação de Sola é assustadora.
“Um vampiro tem que tomar o sangue do sexo oposto em uma base regular para permanecer forte. Então, sim, eles têm presas por uma razão, mas não porque estão tentando matar virgens inocentes ou 'converter' pessoas. Você não pode ser 'transformado' em um. Você é um vampiro ou não é - bem, isso não é inteiramente verdade. Os mestiços acontecem, mas são raros e as regras são ainda mais estranhas para eles. Eles tendem a ter uma mistura de características de ambas as espécies.”

É isso minha gente, não posso falar mais nada! Na verdade, vou revelar só mais um pedacinho: o subenredo mostra a promessa do surgimento de uma força maior que o Ômega que ameaçara a Irmandade de maneira inquestionável. Será que devo começar a me preocupar? Ou esses vampiros durões conseguirão vencer todas as adversidades?

4 comentários

  1. Olá! Por enquanto eu li apenas o primeiro livro dessa série, e confesso que também estou tentada a ler esse livro, pois gostei bastante da sinopse, acredito que vai ser um choque para Sola descobrir que Assail é um vampiro, e além do relacionamento dos dois, ainda existem muitas tramas que com certeza me farão querer ler os demais livros da série.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu já vi muito desse livro, mas não tinha muito interesse em saber dele. Mas agora lendo a resenha, me deixou bastante curiosa pela historia e ao mesmo tempo receosa por ela. Espero ler!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  3. Oi Nádya!
    Que lindo! Adorando conhecer os livros da série, essa capa está linda, este me chamou ainda mais atenção...
    Espero ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Oi Nádya.
    Ainda não li essa série exatamente por causa da quantidade de livros. Não sei se teria paciência para ler 16 livros rs
    E eu não conseguiria pular tantos livros como você. Acho que eu ficaria bem perdida na história.
    Beijos

    ResponderExcluir