A Colônia - Ezekiel Boone

16 de agosto de 2018

Título: A Colônia
Autor: Ezekiel Boone
Páginas: 272
Ano: 2016
Editora: Suma das Letras
Gênero: Ficção, Suspense e Mistério, Terror
Adicione: Skoob
Onde Comprar: Amazon | Americanas | Cultura
Nota: 
Sinopse: Nas profundezas de uma floresta no Peru, uma massa negra devora um turista americano. Em Mineápolis, nos Estados Unidos, um agente do FBI descobre algo terrível ao investigar a queda de um avião. Na Índia, estranhos padrões sísmicos assustam pesquisadores em um laboratório. Na China, o governo deixa uma bomba nuclear cair “acidentalmente” no próprio território. Enquanto todo tipo de incidente bizarro assola o planeta, um pacote misterioso chega em um laboratório em Washington... E algo está tentando escapar dele. O mundo está à beira de um desastre apocalíptico. Uma espécie ancestral, há muito adormecida, finalmente despertou. E a humanidade pode estar com os dias contados.

Resenha: 

"- Não foram apenas as estacas - disse Julie. - Durante a escavação, ele achou algo embaixo das estacas: uma caixa de madeira. A madeira foi datada, e é da mesma época das estacas. Dez mil anos. Sabe o que havia dentro da caixa?
Julie fez uma pausa, e Melanie começou a ficar frustada. Achava que pausas dramáticas eram inúteis e, no caso de um bando de bolsistas, irritantes. Mas estava muito curiosa e não conseguiu se conter.
- O quê?
- Uma bolsa de ovos. A princípio, ninguém entendeu o que era aquilo, mas, quando ele se deu conta, sugeriu que o orientado acadêmico a mandasse para nosso laboratório para ver se conseguiríamos identificá-la. Eles achavam que estava fossilizada, ou petrificada, ou sei lá como se diz quando algo assim está preservado."

Mais um livro que me surpreendeu. Estava com ele para ler e fiquei enrolando na espera que saíssem todos. Então vi que o terceiro - e último - deve sair ainda esse ano e resolvi iniciar a leitura logo, até porque é de parceria e eu não deveria ficar enrolando pra ler.

E não deveria mesmo porque gostei demais da leitura!

No começo eu achei a narrativa bem confusa porque nos apresenta a trajetória de vários personagens, ou melhor vários grupos de personagens de diversos pontos do mundo, mas ao longo da leitura, fui me achando e a dinâmica da narrativa já não era mais tão confusa. Em certos momentos eu até ficava ansiosa esperando que chegasse a parte de alguns personagens que eu simpatizei mais e que eu espero que sobrevivam até o final da trilogia.

Esse é o caso do núcleo da  Steph, a Presidente da República dos Estados Unidos, que conta com Alex e Manny ao lado dela...gostei bastante deles e do desenrolar de uma mulher no poder, pensando em reeleição, até que ela percebe que, em um mundo à beira do abismo, reeleição é a última coisa que a deve preocupar. Manny é amigo de Steph desde a faculdade, assim como Melanine, ex esposa de Manny e uma cientista, especialista em aranhas, que vai ter uma grande importância ao longo da história.

Melanie trabalha em outro ponto do país, com seus três estagiários, só pra situar um pouco....

"... ela nunca havia entendido o medo de aranhas.
Até aquele momento.
Finalmente, ali estava um motivo para se ter medo."

Então temos Mike, que é um policial federal e que, quando um avião de um milionário americano cai, é chamado para averiguar a situação, dando de cara com uma aranha no corpo carbonizado do cara.

Esses três núcleos de personagens, que estão em pontos distintos da país, acabam se unindo em alguns momentos e aí a narrativa começa a fazer mais sentido para mim. Existem outros grupos de personagens, outras vidas que conhecemos ao longo da leitura. Alguns demonstram não ter muita importância, pareceu-me que era só para conhecê-los, gostar deles e depois ver as aranhas devorá-los. Outros têm mais importância, ou terão...

"Não se distribui tropas pelo país se não se espera uma invasão. Ou algo do tipo. Eu aposto em algo do tipo. Máscaras de gás? Não é alguém. É alguma coisa. E as cercas não são para campos de concentração. Acho que é para quarentena. A questão não é quem, mas o que vamos tentar manter fora do país."

Bom, as aranhas... começa em vários pontos diferentes do mundo, na China de repente, o país jogou uma bomba atômica em si mesmo. No Peru, aranhas atacam, e matam, alguns turistas. É espalhado, então as pessoas demoram a perceber que ocorrem os mesmos tipos de ataques pelo mundo, do mesmo bicho. Além disso a necessidade de cada país manter segredo sobre isso acaba dificultando uma descoberta mais rápida.

Em um dado momento, um fóssil de milhares de anos é descoberto e enviado para Melanie e é aí que descobrimos que, ao que parece, são aranhas de uma espécie nova - ou muito antiga né - que está se espalhando rapidamente pelo mundo e matando todos os que estão no seu caminho. A coisa é rápida e elas não dão trégua.

"As aranhas costumam ser solitárias. Existem cerca de trinta e cinco mil espécies conhecidas, e a maioria vive isolada, mas existe um punhado de espécies que exibem características de eussocialidade. O que só quer dizer que elas trabalham juntas. Todas ajudam a cuidar da ninhada e compartilham os recursos, esse tipo de coisa. Então, quando falo de himenópteros e isópteros, pense em formigas, abelhas e cupins. Colônias. Elas trabalham juntas e assumem funções específicas. Tipo abelhas operárias e rainhas."

Até que, sem mais nem menos, começam a morrer, assim como apareceram, somem e eu só posso imaginar que a coisa vai piorar exponencialmente, já que esse é apenas o primeiro livro!

Uma leitura rápida e gostosa de fazer. Tá...é classificado como terror, mas não é não. Nem como suspense eu classificaria, mas vai saber, posso ter achado mais leve e estar enganada. O fato é que eu gostei bastante e já vou embarcar no segundo livro para saber o que raios vai acontecer agora, já que eu tenho certeza que não acabou. A Melanie afirmou isso...hehe....

É uma leitura super recomendada, pra quem gosta do gênero, dá pra ler em um dia tranquilamente!

5 comentários

  1. Oi, Denise,

    O livro tem uma boa premissa. Subitamente - devido ao enredo montado, ao domínio das aranhas - o mesmo gera curiosidade e apreensão, conforme o desenrolar dos acontecimentos.

    Se o autor é capaz de despertar tais emoções, é sinal que o livro é bom e explorado. É sinal de que eu devo ler também. Afinal, o meu medo de aranhas não é tão grande assim!

    ResponderExcluir
  2. Olá! Fico bem mais tranquila em saber que não vou encontrar tanto terror na história, pois confesso que ando fugindo desse gênero. E já estou aqui intrigada para saber o que aconteceu, afinal se as aranhas estão morrendo, algo bem pior tá vindo por aí (#sóacho).

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Já obtenho esse livro mas nunca li ele. Ao ler a resenha me deixou bastante curiosa por ele, tem uma ótima premissa e me deixou bastante interessada por ele..

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise!
    Acompanhei algumas resenhas sobre esse livro, desde o começo tenho vontade de ler e conhecer a escrita, ouvi flar bem e espero que qdo surgir uma oportunidade eu goste bastante da leitura.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um bom livro, não conhecia ainda, mas o gênero me agrada. Na realidade curto qualquer livro que tenha uma boa història para ler.

    ResponderExcluir