Resenha: O Hipnotista - Lars Kepler

Autor: Lars Kepler
Páginas: 480
Ano: 2011
Editora: Intrínseca
Adicione: Skoob

Sinopse: O massacre de uma família nos arredores de Estocolmo abala a polícia sueca e deixa apenas um sobrevivente: o filho de 15 anos, em estado de choque. Desesperado por identificar pistas do assassino antes que outros crimes aconteçam, Joona Linna, o detetive que exige fazer a investigação, recorre ao psiquiatra Erik Maria Bark – especialista  em pacientes psicologicamente traumatizados, que utilizava a hipnose como meio de acessar lembranças de episódios violentos.
Por ter abandonado essa prática há dez anos, Dr. Bark hesita antes de concordar em hipnotizar a vítima. E sua decisão tem consequências terríveis...
Combinando a qualidade viciante da trilogia de Stieg Larsson com a força narrativa de O silêncio dos inocentes, este thriller carregado de adrenalina enfeitiça desde a primeira página.

Resenha: A história começa com o massacre bárbaro de uma família onde a mãe, o pai e a filha mais nova são mortos a facadas com extrema violência.  O filho do casal, Josef Ek, de 15 anos sobrevive ao ataque, sendo a única testemunha do ocorrido. Ele se encontra internado  no hospital, muito machucado e em estado choque.
Eles pensaram que o garoto estivesse morto quando o encontraram entre os outros corpos na casa geminada. Ele havia perdido muito sangue entrado em estado de choque, e só recuperou a consciência sete horas depois. Era a única testemunha viva.
O detetive encarregado do caso, Joona Linna é informado de que ainda resta um membro vivo da família, a irmã mais velha que não morava com os pais, porém não conhece seu paradeiro. Ele teme que ela esteja correndo risco de vida e a  única maneira de salvá-la é interrogando Josef para saber o que aconteceu naquela noite e quem é o assassino. 

Linna então pede ajuda ao Dr. Erik Maria Bark, um psiquiatra especialista em pacientes traumatizados que anteriormente usava a hipnose como tratamento. Porém Erik se nega a ajudá-lo por ter feito uma promessa de abandonar a hipnose devido a um segredo do passado, tendo mantido sua promessa por dez anos.
Erik Maria Bark volta para casa após deixar o hospital Karolinska. Entrando silenciosamente, ele pensa na jovem vítima deitada lá e no policial tão ansioso para interrogá-la. Erik gosta do detetive Joona Linna, apesar da tentativa de fazê-lo quebrar sua promessa de nunca mais usar a hipnose. Talvez seja a clara e honesta ansiedade do detetive acerca da segurança da irmã mais velha que o torne tão simpático. Supostamente alguém está procurando por ela naquele instante.

Sendo persuadido por Joona, e pensando em ajudar a irmã de Josef, Dr. Bark, após muita hesitação, acaba por hipnotizar Josef Ek. Este fato é noticiado pela mídia, dando início a uma série de eventos terríveis, que colocarão em risco sua reputação e sua vida, bem como a da sua família.

No decorrer do livro, o presente e o passado se misturam através de flashbacks vividos pelos personagens, criando uma trama complexa e surpreendente, ou seja, ele não é narrado através de uma ordem cronológica e sim psicológica. Os fatos são narrados com base no que os personagens estão pensando. Além disso, é narrado  de forma que o leitor se sinta parte da cena, como se ocorresse em tempo real e não sendo contado por outra pessoa.
Daniella Richards abre a pesada porta e ele a segue até um quente quarto de recuperação na saída do centro cirúrgico. Um garoto magro está deitado na cama. Apesar dos machucados, tem um rosto atraente. Duas enfermeiras fazem curativos nos ferimentos: há centenas deles, cortes e perfurações por todo o corpo, nas solas dos pés, no peito e na barriga, atrás do pescoço, no couro cabeludo, no rosto.
Erik Maria Bark vai até o paciente. De pé em frente à cama, ele estuda o rosto pálido e machucado; a respiração fraca; os lábios cinzentos e congelados. Erik fala o nome do garoto e algo passa dolorosamente pelo rosto dele.
O livro nos apresenta duas histórias paralelas, que são interligadas pelo personagem central, o hipnotista. Narra momentos de tensão psicológica, cenas violentas, fortes e perversas, construindo uma história fantástica, com a dose certa de suspense e ação, através de momentos de expectativa. além de nos revelar o raciocínio de uma mente doentia e criminosa. Nada no livro é entregue com rapidez, a sensação é a de estar montando um quebra-cabeça complexo que dará, no fim, um resultado um tanto surpreendente.

A narrativa conta com muitos personagens, o que parece cansativo no início, mas funciona muito bem até o final, visto que todos contribuem de alguma forma com a trama.



Como fã de thrillers psicológicos, fui conquistada pelo livro logo de cara! O hipnotista me deixou presa do começo ao fim, sem conseguir parar de ler até a última parte. 

A cada capítulo uma nova peça do quebra cabeça era entregue, porém ao invés de solucionar o mistério mais rápido, acabava por suscitar mais dúvidas que só foram totalmente esclarecidas nos últimos capítulos.

O que me fez gostar muito do livro foi o assunto abordado, a hipnose, sobre o qual não tinha lido ainda. E o fato de serem explorados através  das memórias do psiquiatra, diversos traumas psicológicos, que me levaram a pensar em como nossa mente pode ser traiçoeira e muitas vezes manipulável. E acima de tudo em como somos moldados por nossas experiências. 

Para quem gostou de ler o livro, fica a dica de que ele foi adaptado para o cinema em 2012, com Mikael Persbrand, Tobias Zilliacus e Lena Olin.

Boa leitura!!!

4 comentários

  1. Neide, que isso!
    Quero esse livro para ontem, salvo engano.... Creio que já vi esse filme... Kkk
    Ótima resenha \0/
    Tô empolgada para lê -lo

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Oi Neide! Ahh sou apaixonada por esse livro, e sua resenha me fez sentir todas as sensações de qdo li. Adorei, acho que vou engatar na continuidade dele.
    Beijos
    http://lua-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bia!!!
      Fiquei muito empolgada com a leitura dele também. Que bom que sentiu o mesmo!
      Esse é um gênero que não estava acostumada a ler, mas estou gostando dos lidos.

      Bjinhus e ótima leitura

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir