Resenha: Não Fuja - FML Pepper


Autor: FML Pepper
Páginas: 422
Ano: 2015
Editora: Valentina
Adicione: Skoob
 
Sinopse: Vida.
Morte.
O que há entre elas?
Antes delas?
Depois delas?
Como distinguir a linha tênue entre dois universos tão distintos e intimamente ligados?
Como não sucumbir ao desejo que lhe drena a vida?
Como aceitar que existe morte em vida e vida na morte?
O que fazer quando a morte é a centelha que pulsa na vida embebida de escuridão?
Que caminho tomar quando o perigo é real?
A bússola da existência gira e aponta: o medo é uma opção, a vida, uma batalha, a morte, uma bênção.
Resenha:

E quem foi que disse  que eu conseguiria esperar pelo livro físico, que sai em janeiro de 2016 para saber como terminaria essa maravilha??? Este é o último livro da série, quer ler o anterior? clique aqui.

Depois de ler os dois primeiros livros, pensei que esse último seria apenas o "encerramento" da trilogia...Pensei que seria um livro como tantos outros que depois de dois inteiros, o assunto meio que cansa, esgota!

Que feliz engano o meu!!!!

Sério, como é que no terceiro livro, a autora conseguiu fazer tantas reviravoltas???

A começar pelo narrador, que no início do livro era outro personagem completamente diferente e inesperado!!! Eu odiei isso! Depois amei! Depois entendi....

O livro trás uma mescla de sentimentos para o leitor que vai da raiva pela autora má (Desculpe Pepper, te odeio ) até a mais profunda admiração e respeito por ela (já disse que te admiro pra caramba?)!

Em Não Olhe! Nina finalmente tem a chance de deixar tudo para trás e voltar para o seu mundo. Pois nos últimos segundos, o que ela faz? Desiste da sua liberdade e de fugir de toda a loucura que a persegue e resolve ficar, lutar e enfrentar o que o futuro guarda para ela.
"Não havia como recuperar o meu passado, mas ao menos tentaria refazer o meu futuro."
Agora a menina está mais forte, determinada e encrencada do que nunca!
Ela fica em Zirk pelas duas pessoas que ela mais ama no mundo: Richard e sua mãe que ela pensa estar viva. O que ela não se dá conta é que sua mãe não é daquela dimensão, então como poderia estar lá?

Mais uma vez somos brindados com alianças desfeitas, mentiras, traições, alianças impensáveis feitas. Num ritmo acelerado, que nos trás uma nova surpresa a cada virada de página.

Existe aquele romance entre Nina e Richard sempre cheio de altos e baixos, mas o foco está ao redor deles, nas tramas muito bem elaboradas, nos caminhos opostos que se cruzam no decorrer da trama, nas amizades e sentimento novos que nascem num povo que não pode ter bons sentimentos. Mas ainda assim não tem como não torcer para que o amor deles dê certo! Mas tá difícil viu...Tudo (e todos) só atrapalham...
"Somos ambos a vida e a morte do outro,  fazemos parte da mesma energia. Se eu serei sua morte,
não se esqueça de que você é a minha vida."
No fim das contas, sem me estender mais pois já estou louca para contar tudo, em um mundo que é negado o amor, vimos que a doação, o amor incondicional, a renúncia, as amizades falam mais alto. E o que poderia ser uma maldição, acabou por se transformar na minha grande pergunta: Nina os ensinou tais sentimentos? ou eles sempre estiveram lá, suprimidos pelo horror e o medo que a maldição trazia? é possível uma única pessoa trazer tantos sentimentos à tona?

Uma guerra está para acontecer. Um futuro incerto os assombra. Pactos com o demônio são feitos e segredos são revelados.  Mortes avassaladoras. Amores roubados. Amores perdidos. Amores encontrados.

Um final lindo e surpreendente.

A cena de final do livro ( a que eu imaginei ao ler) é sem dúvida a mais bonita e emocionante que eu já li. É linda, inesperada, e mostra o quando uma pessoa é capaz de amar e se doar à outra.

"o maior sinal de todos
Em qualquer tempo ou lugar.
O início, o meio e o fim.
Nossa prisão e libertação.
O caminho.
A verdade.
A saída.
A vida dentro da vida.
O amor."
A obra já está nos meus planos para uma releitura.
E fazer essa resenha só me fez ter mais vontade de mergulhar nesse universo completamente louco, emocionante e surpreendente mais uma vez.                          

Nenhum comentário

Postar um comentário